O Mundo Sombrio das Mulheres Vítimas de Violência: Uma Análise Qualitativa dos Boletins de Ocorrência

Autores

  • Aline Pereira de Souza Faculdade de Medicina Marília, Brasil
  • Maria José Sanches Marin Faculdade de Medicina Marília, Brasil
  • Paula Sales Rodrigues Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" - UNESP - Câmpus de Botucatu, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.97-105

Palavras-chave:

Violência Doméstica, Relações Familiares, Mulheres

Resumo

O presente artigo visa identificar, verificar e apreciar os documentos da Delegacia da Mulher (DDM) da Polícia Judiciária do Município de Marília-SP na perspectiva de um estudo transversal na modalidade quantitativa por meio da técnica de análise temática, realizado a partir de boletins de ocorrência (BO) de violência contra mulheres, com o intuito de revelar a magnitude da violência por uma abordagem qualitativa, contribuindo para o avanço na compreensão desse complexo fenômeno que carece de ações efetivas de saúde. A análise retratou fatores de vulnerabilidade às mulheres e as relações de desigualdade frente seus agressores, bem como os comportamentos coercitivos e de controle. As ameaças de morte ocorrem sob distintas condições e formas, as agressões físicas são degradantes, e ainda evidencia-se as agressões verbais, danos morais, intimidação, perseguição e injúrias. Violências que geram insegurança e medo nessas mulheres que buscam na ocorrência policial um direito que deveria ser irrevogável – a vida. Compreende-se, que é imprescindível a articulação de ações intersetoriais preventivas e de promoção em saúde com vistas ao rompimento do ciclo da violência.

Referências

Who. Global status report on violence prevention 2014. Geneva: World Health Organization; 2014.

Lucena, K. D. T. et al. Analysis of the cycle of domestic violence against women. Journal of Human Growth and Development, São Paulo, v. 26, n. 2, p. 139-146, 2016.

Michael D. Reisig & Kristy Holtfreter (2018): The victim–offender overlap in lateadulthood, Journal of Elder Abuse & Neglect, DOI: 10.1080/08946566.2018.1426512 To link to this article: https://doi.org/10.1080/08946566.2018.1426512

D’Oliveira AFPL, Schraiber LB. Mulheres em situação de violência: entre rotas críticas e redes intersetoriais de atenção / Violence against women: between critical path and assistance multisectoral networks. Rev Med (São Paulo). 2013 abr.-jun.;92(2):134-40

Leite FMC, Amorim MHC, Wehrmeister FC, Gigante DP. Violence against women, Espirito Santo, Brazil. Rev Saude Publica 2017; 51:33.

dos Santos, I. B., Leite, F. M. C., Amorim, M. H. C., Maciel, P. M. A., & Gigante, D. P. (2020). Violence against women in life: study among Primary Care users. Ciência & Saúde Coletiva, 25(5), 1935+. https://link.gale.com/apps/doc/A629396481/AONE?u=capes&sid=AONE&xid=db6febb4

Cruz, M. S., & Irffi, G. (2019). What is the effect of violence against Brazilian women on their self-perception of health? /Qual o efeito da violencia contra a mulher brasileira na autopercepcao da saude? Ciência & Saúde Coletiva, 24(7), 2531+. https://link.gale.com/apps/doc/A598424341/AONE?u=capes&sid=AONE&xid=d87375f3

Garcez, Ramiro Heleno Mesquita, et al. "Characterization of oral maxillofacial lesions resulting from physical aggression: differences between genders/Caracterizacao de lesoes bucomaxilofaciais decorrentes de agressao fisica: diferencas entre genero." Ciência & Saúde Coletiva, vol. 24, no. 3, 2019, p. 1143+. Gale Academic OneFile, link.gale.com/apps/doc/A583693806/AONE?u=capes&sid=AONE&xid=9dc8b65f. Accessed 5 Mar. 2021.

Islam MJ, Rahman M, Broidy L, Haque SE, Saw YM, Duc NH, Haque MN, Rahman MM, Islam MR, Mostofa MG. Assessing the link between witnessing inter-parental violence and the perpetration of intimate partner violence in Bangladesh. BMC Public Health. 2017 Feb 10;17(1):183. doi: 10.1186/s12889-017-4067-4. PMID: 28187721; PMCID: PMC5303211.

Brasil. Lei no. 11.340, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e da outras providências. Diário Oficial da União 2006. Brasília, DF.

Brasil. Lei nº 13.984, de 3 de abril de 2020. Altera o art. 22 da Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha), para estabelecer como medidas protetivas de urgência frequência do agressor a centro de educação e de reabilitação e acompanhamento psicossocial. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 157, n. 117, p. 4, 3 abr. 2020.

Martins, L. C. A. et al. Violência de gênero: conhecimento e conduta dos profissionais da estratégia saúde da família. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 39, p. 1-10, 2018.

Junior, E. G. (2017). Análise documental: uma metodologia da pesquisa para a Ciência da Informação (07th ed.)

Souza, J. et al. “Análise documental e observação participante na pesquisa em saúde mental documentary.” (2011).

Minayo, C. (2017). Amostragem e Saturação em Pesquisa Qualitativa: consensos e controvérsias.

Virginia Braun & Victoria Clarke (2006): Using thematic analysis in psychology, Qualitative Research in Psychology, 3:2, 77-101

Souza, Luciana Karine de. (2019). Pesquisa com análise qualitativa de dados: conhecendo a Análise Temática. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 71(2), 51-67. https://dx.doi.org/10.36482/1809-5267.ARBP2019v71i2p.51-67

Meneghel SN, Bairros F, Mueller B, Monteiro R, Oliveira LP, Collaziol ME. Rotas críticas de mulheres em situação de violência: depoimentos de mulheres e operadores em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011;27:743-52. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2011000400013

Billand, J.; PAIVA, V. S. F. Desconstruindo expectativas de gênero a partir de uma posição minoritária: como dialogar com homens autores de violência contra mulheres?. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 9, p. 2979-2988, 2017.

D’Oliveira, A. F. P. L.; SCHRAIBER, L. B. Mulheres em situação de violência: entre rotas críticas e redes intersetoriais de atenção. Revista de Medicina, São Paulo, v. 92, n.2, p. 134-140, 2013.

Wagner, J., Jones, S., Tsaroucha, A., and Cumbers, H. ( 2019) Intergenerational Transmission of Domestic Violence: Practitioners' Perceptions and Experiences of Working with Adult Victims and Perpetrators in the UK. Child Abuse Rev., 28: 39– 51. https://doi.org/10.1002/car.2541.

Vieira, E. M., & Hasse, M. (2016). Percepções dos profissionais de uma rede intersetorial sobre o atendimento a mulheres em situação de violência. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 21(60), 52–62. doi:10.1590/1807-57622015.0357 García-Moreno C, Hegarty K, d'Oliveira AF, Koziol-McLain J, Colombini M, Feder G. The health-systems response to violence against women. Lancet. 2015 Apr 18;385(9977):1567-79. doi: 10.1016/S0140-6736(14)61837-7. Epub 2014 Nov 21. Erratum in: Lancet. 2015 Apr 18;385(9977):1510. PMID: 25467583.

Bhona, Fernanda Monteiro de Castro et al . Intimate Partner Violence: Controlling Behavior and Triggers of Aggression. Paidéia (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto , v. 30, e3032, 2020 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2020000100204&lng=en&nrm=iso>. access on 04 Mar. 2021. Epub Nov 06, 2020. https://doi.org/10.1590/1982-4327e3032.

Straus, M. A., & Gozjolko, K. L. (2014). “Intimate terrorism” and gender differences in injury of dating partners bymale and female university students. Journal of FamilyViolence, 29(1), 51-65. doi:10.1007/s10896-013-9560-7

Johnson, M. P. (2011). Gender and types of intimate partner violence: A response to an anti-feminist literature review. Aggression and Violent Behavior, 16(4), 289-296. doi:10.1016/j.avb.2011.04.006.

Barros, S.C. Homicídios e violência prévia contra a mulher em Pernambuco. Revista Baiana de Saúde Pública. v. 42, n. 3, p. 570-572jul./set. 2018

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

Aline Pereira de Souza, Maria José Sanches Marin, & Paula Sales Rodrigues. (2021). O Mundo Sombrio das Mulheres Vítimas de Violência: Uma Análise Qualitativa dos Boletins de Ocorrência. New Trends in Qualitative Research, 8, 97–105. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.97-105