Representações sociais de puérperas sobre a adesão ao pré-natal na fronteira franco-brasileira

Autores

  • Lise Maria Carvalho Mendes Programa de Pós-Graduação em Enfermagem em Saúde Pública. Universidade de São Paulo, Brasil
  • Graciano Almeida Sudré Programa de Pós-Graduação em Enfermagem em Saúde Pública. Universidade de São Paulo, Brasil
  • Jordânia Vieira Oliveira Departamento de Ciências Biológicas e Saúde. Universidade Federal do Amapá, Brasil
  • Nayara Gonçalves Barbosa Programa de Pós-Graduação em Enfermagem em Saúde Pública. Universidade de São Paulo, Brasil
  • Juliana Cristina dos Santos Monteiro Programa de Pós-Graduação em Enfermagem em Saúde Pública. Universidade de São Paulo, Brasil
  • Flavia Azevedo Gomes-Sponholz Programa de Pós-Graduação em Enfermagem em Saúde Pública. Universidade de São Paulo, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.130-137

Palavras-chave:

Serviços de Saúde Materna, Saúde na Fronteira, Saúde Materna

Resumo

Introdução: No Brasil, os indicadores da assistência pré-natal demonstram uma persistência da inadequação dos serviços de saúde. Esta inadequação é observada principalmente na região Amazônica, mediante contexto de desigualdades sociais e regionais. Desta forma, este estudo pretende compreender as representações sociais sobre a busca pela assistência pré-natal por puérperas que aderiram ao pré-natal tardiamente na região supracitada. Metodologia: estudo qualitativo, realizado com 13 puérperas, em Alojamento Conjunto. As entrevistas foram semi-diretivas, gravadas e transcritas na íntegra, organizadas a partir da Análise Temática. Resultados: Verificou-se as categorias: Percepção socialmente construídas da assistência pré-natal e Obstáculos que interferem na não-adesão ao pré-natal. Conclusões: A prevenção, o acolhimento e a aprendizagem são as principais percepções que motivam à realização do pré-natal. As representações dos obstáculos à adesão inserem-se nas precárias relações trabalhistas, violência de gênero, variabilidade linguística e culturais; a ausência das redes de apoio e desorganização dos serviços.

Referências

Ansu-Mensah M., Danquah F.I., Bawontuo V., Ansu-Mensah P., Kuupiel D (2020). Maternal perceptions of the quality of Care in the Free Maternal Care Policy in sub-Sahara Africa: A systematic scoping review. BMC Health Services Research, 20. Doi: 10.1186 / s12913-020-05755-9.

Esposti, C., Oliveira, A., Santos Neto, E., & Travassos, C. (2015). Representações sociais sobre o acesso e o cuidado pré-natal no Sistema Único de Saúde da Região Metropolitana da Grande Vitória, Espírito Santo. Saúde e Sociedade, 24(3), 765-779. Doi: 10.1590/S0104-12902015127606

Fernandes, K. G., Souza, R. T., Leal, M. C., Moura, E. C., Santos, L. M., & Cecatti, J. G. (2017). Ethnic differences in maternal near miss. Archives of gynecology and obstetrics, 296(6), 1063–1070. Doi:10.1007/s00404-017-4530-6

Gama, A., Fernandes, T., Parente, R., & Secoli, S. (2018). Inquérito de saúde em comunidades ribeirinhas do Amazonas, Brasil. Cad Saude Publica, 34(2). Doi: 10.1590/0102-311x00002817

Guimarães, W., Parente, R., Guimarães, T., & Garnelo, L. (2018). Acesso e qualidade da atenção pré-natal na Estratégia Saúde da Família: infraestrutura, cuidado e gestão [Access to prenatal care and quality of care in the Family Health Strategy: infrastructure, care, and management]. Cadernos de saude publica, 34(5), e00110417. Doi: 10.1590/0102-311X00110

Gonçalves, I., Souza, K., Amaral, M., & Oliveira, A., Ferreira, W. (2017) Prática do acolhimento na assistência pré-natal: limites, potencialidades e contribuições da enfermagem. Rev Rene. 14(3), 620-9. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/3503 .

Moore, N., Blouin, B., Razuri, H., & Casapia, M., Gyorkos, T.W. (2017). Determinants of first trimester attendance at antenatal care clinics in the Amazon region of Peru: A case-control study. Montazeri A., editor. PLoS One, 16;12(2):e0171136. Doi: 10.1371/journal.pone.0171136

Moscovici S. (2003). Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes.

Tomasi, E., Fernandes, P., Fischer, T., Siqueira, F., Silveira D., Thumé E. (2017). Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. Cad Saude Publica, 33(3). Doi: 10.1590/0102-311x00195815

Silva, D., Nascimento, E., Santos, L., & Martins, N., Sousa, M., Figueira M. (2016). Dificuldades enfrentadas pelos indígenas durante a permanência em uma Casa de Saúde Indígena na região Amazônica/Brasil. Saúde e Soc, 25(4):920–9. Doi: 10.1590/s0104-12902016160600

Silva, A., Mendes, L., Monteiro, R., Silva, R. (2020). Parto e nascimento na fronteira franco-brasileira: percepções de enfermeiros.Revista Cogitare, 25: e67820. Doi: 10.5380/ce.v25i0.67820

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

Lise Maria Carvalho Mendes, Graciano Almeida Sudré, Jordânia Vieira Oliveira, Nayara Gonçalves Barbosa, Juliana Cristina dos Santos Monteiro, & Flavia Azevedo Gomes-Sponholz. (2021). Representações sociais de puérperas sobre a adesão ao pré-natal na fronteira franco-brasileira. New Trends in Qualitative Research, 8, 130–137. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.130-137