Pré-natal de Risco Habitual e Alto Risco: Estudo Qualitativo sobre Percepções de Mulheres

Autores

  • Marcia Regina Cangiani Fabbro Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Gradução em Enfermagem. Universidade Federal de São Carlos, Brasil
  • Jamile Claro de Castro Bussadori Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Gradução em Enfermagem. Universidade Federal de São Carlos, Brasil
  • Monika Wernet Departamento de Enfermagem. Programa de Pós-Gradução em Enfermagem. Universidade Federal de São Carlos, Brasil
  • Bruna Felisberto de Souza Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Universidade Federal de São Carlos, Brasil
  • Andrea dos Reis Fermiano Programa de Pós-Graduação em Enfermagem. Universidade Federal de São Carlos, Brasil
  • Maria Aparecida Gracélia Sousa Programa de Pós-Gradução em Enfermagem. Universidade Federal de São Carlos, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.538-546

Palavras-chave:

Cuidado Pré-natal, Gestantes, Atenção Primária à Saúde, Atenção Secundária à Saúde, Lacunas da Prática Profissional

Resumo

A avaliação de um serviço de pré-natal sob a ótica de gestantes é um poderoso instrumento que possibilita adensar conhecimentos e contribuir com transformações nas práticas de saúde, qualificando-as. Objetivo: Analisar percepções de mulheres, gestantes de risco habitual e puérperas que gestaram sob o diagnóstico de alto risco, acerca da atenção pré-natal recebida. Método: Estudo qualitativo, desenvolvido em 2018 e 2019, junto a 30 gestantes de risco habitual e 7 puérperas de alto risco inseridas na atenção pré-natal de cidade do interior paulista. A obtenção dos dados ocorreu a partir de entrevista semiestruturada em encontro único. Os referenciais do Interacionismo Simbólico, quadro conceitual de experiência positiva na gestação e Análise Temática sustentaram o estudo. Resultados: O pré-natal foi vivenciado sob um contexto interacional pouco acolhedor e até desrespeitoso, o que imprimiu limitações à autonomia para questões da gestação, parto e nascimento e para o estabelecimento do apoio social, o que dificultou o empoderamento pessoal das mulheres para enfrentar as situações adversas da gestação e parto. Duas categorias temáticas detalham os achados: “Interações com profissionais”, “Entraves no apoio informacional para gestação, parto e nascimento”. Conclusão: A atenção pré-natal esteve descrita e centrada em clínica biomédica, com insuficiências relacionais entre profissionais e mulheres e de pouco alcance às singularidades, em especial no âmbito informacional, com escassez de abordagem do parto no pré-natal. Infere-se que a pesquisa qualitativa, sobretudo a estratégia de entrevista, imprime um meio de valorar o diálogo horizontal e é recurso que promove interações subjetivas genuínas.

Referências

Andrade, U. V., Santos, J. B., & Duarte, C. (2019). Pregnant women perception of the quality of prenatal care at UBS, Campo Grande, MS. Psicologia & Saúde, 11(1), 53-61. https://dx.doi.org/10.20435/pssa.v0i0.585

Bardin, L. (2014). Análise do conteúdo. Lisboa: Editora 70.

Benincasa, M., Navarro, A., Bettiol, N. L. S, & Heleno, M. G. (2019). Percepções de mulheres sobre o momento do parto e a assistência obstétrica recebida. Cadernos de Gênero e Diversidade, 5(4), 63-88. http://dx.doi.org/10.9771/cgd.v5i4.29172

Ministério da Saúde. (2012). Atenção ao pré-natal de baixo risco. (1st ed.). http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_32_prenatal.pdf

Costa, L. D., Cura, C. C., Perondi, A. R., França, V. F., & Bortoloti, D. S. (2016). Perfil epidemiológico de gestantes de alto risco. Cogitare Enfermagem, 21(2), 1-8. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i2dd192

Costa, A. M., Guilhem, D., & Walter, M. I. M. T. (2005). Atendimento a gestantes no Sistema Único de Saúde. Revista de Saúde Pública, 39(5), 768-774. https://doi.org/10.1590/S0034-89102005000500011

Charon, J. M. (2009). Symbolic Interacionism: an Introduction, an Interpretation, an Integration. Pearson.

Domingues, R. M. S. M., Dias, M. A. B., Nakamura-Pereira, M., Torres, J. A., d'Orsi, E., Pereira, A. P. E., Schilithz, A. O. C., & Leal, M. C. (2014). Process of decision-making regarding the mode of birth in Brazil: from the initial preference of women to the final mode of birth. Cadernos de Saúde Pública, 30 (Suppl. 1), S101-S116. https://doi.org/10.1590/0102-311X00105113

Gaíva, M. A. M., Palmeira, E. W. M., & Mufato, L. F. (2017) Women’s perception of prenatal and delivery care in cases of neonatal death. Escola Anna Nery, 21(4), e20170018. https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2017-0018

García-Carrión, R., Villardón-Gallego, L., Martínez-de-la-Hidalga, Z., & Marauri, J. (2020) Exploring the Impact of Dialogic Literacy Gatherings on Student’s Relationships With a Comunicative Approach. Qualitative Inquiry, 26 (8-9), 996-1002. https://doi.org/10.1177/1077800420938879.

Hennink, M. M., Kaiser B. N., & Marconi, V. C. (2017). Code saturation versus meaning saturation: how many interviews are enough? Qualitative Health Research, 27 (4), 591–608. https://doi.org/10.1177/1049732316665344

Lobo, L. C. (2018). Artificial Intelligence, the Future of Medicine and Medical Education. Revista Brasileira de Educação Médica, 42 (3), 3-8. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n3rb20180115editorial1

Luz, L. A., Aquino, R., & Medina, M. G. (2018). Evaluation of the quality of Prenatal Care in Brazil. Saúde debate, 42 (n. esp 2). https://doi.org/10.1590/0103-11042018S208

Mascarenhas, P. M., Silva, G. R., Reis, T. T., Casotti, C. A., & Nery, A. A. (2017). Analysis of maternal mortality. Enfermagem UFPE on line, 11(suppl 11), 4653-4662. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i4a15257p1616-1624-2017

Pereira, A. G., Silva, F. O, Brasil, G. B., Rodrigues, I. L. A., & Nogueira, L. M. V. (2018) Perceptions of riverine pregnant women on prenatal care. Cogitare Enfermagem, 23 (4), e54422. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v23i4.54422

Santos, P. P., & Mamede, F. V. (2018). Evaluation of prenatal care in primary care in the perception of pregnant women. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39, e20180077. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2018.20180077

Silva, D. V., Silveira, M. D., & Gomes-Sponholz, F. A. (2016). Experiences with severe maternal morbidity: a qualitative study on the perception of women. Revista Brasileira de Enfermagem, 69 (4), 662-668. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690407i

Silva, A. A., Jardim, M. J. A., Rios, C. T. F., Fonseca, L. M. B., & Coimbra, L. C. (2019). Prenatal care of risk pregnant women: potentialities and weaknesses. Revista de Enfermagem da UFSM, 9 (e15), 1-19. https://doi.org/10.5902/2179769232336

Souza, B. F., Bussadori, J. C. C., Ayres J. R. C. M., Fabbro M. R, & Wernet, M. (2020). Nursing and hospitalized high-risk pregnant women: challenges for comprehensive care. Revista Escola de Enfermagem da USP, 54, e03557. https://doi.org/10.1590/s1980-220x2018036903557

Tomasi, E., Fernandes, P. A. A., Fisher, T., Siqueira, F. C. V., Silveira, D. S., Thumé, E., & Facchini, L. A. (2017). Quality of prenatal services in primary healthcare in Brazil: indicators and social inequalities. Cadernos de Saúde Pública, 33 (3), e00195815. https://doi.org/10.1590/0102-311x00195815

Torras-Gómes, E., Guo, M., & Ramis, M. (2020). Sociological Theory from Dialogic Democracy. International and Multidisciplinary Journal of Social Sciences, 8 (3), 216-234. http://dx.doi.org/10.17583/rimcis.2019.4919

Vogels-Broeke, M., Vries, R., & Nieuwenhuijze, M. (2020). Dimensions in women's experience of the perinatal period. Midwifery, 83, 102602. https://doi.org/10.1016/j.midw.2019.102602

Zanardo, G. L. P., Calderón, M., Nadal A. H. R., & Habigzang, L. F. (2017). Violência obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicologia & Sociedade, 29, e155043. https://doi.org/10.1590/1807-0310/2017v29155043

World Health Organization. (2016). Who recommendations on antenatal care for a positive pregnancy experience. https://www.who.int/reproductivehealth/publications/maternal_perinatal_health/anc-positive-pregnancy-experience/en/

World Health Organization. (2018). Who recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience. https://www.who.int/reproductivehealth/publications/intrapartum-care-guidelines/en/

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

Marcia Regina Cangiani Fabbro, Jamile Claro de Castro Bussadori, Monika Wernet, Bruna Felisberto de Souza, Andrea dos Reis Fermiano, & Maria Aparecida Gracélia Sousa. (2021). Pré-natal de Risco Habitual e Alto Risco: Estudo Qualitativo sobre Percepções de Mulheres . New Trends in Qualitative Research, 8, 538–546. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.538-546