Percurso metodológico apoiado por software para mapeamento de indicadores qualitativos para as Boas Práticas em Saúde à população em situação de rua

Autores

  • Lucimara Fabiana Fornari Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva, Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, Brasil
  • Emiko Yoshikawa Egry Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva, Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, Brasil
  • Paula Hino Escola Paulista de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo, Brasil
  • Carmen Santana Escola Paulista de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo, Brasil
  • Elda Oliveira Escola Paulista de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.562-570

Palavras-chave:

Pessoas em Situação de Rua, Indicadores de Saúde Comunitária, Enfermagem, Pesquisa Qualitativa, Revisão

Resumo

A população em situação de rua é um grupo social que demanda atenção especial dos serviços, pois suas necessidades em saúde requerem um cuidado qualificado e atento em decorrência das profundas vulnerabilidades sociais. É primordial o mapeamento de indicadores qualitativos para as Boas Práticas em Saúde (BPS) a essa população. Objetivos: Conhecer as potencialidades e os limites do webQDA para análise qualitativa de uma revisão de escopo sobre o mapeamento de indicadores qualitativos para as BPS à população em situação de rua. Métodos: Trata-se de um estudo qualitativo, integrante de um projeto maior acerca da construção de indicadores de BP na Atenção Primária em Saúde. É baseado na experiência das autoras relacionada à utilização do software webQDA como apoio para a análise qualitativa dos dados coletados por meio da revisão de escopo. Os 29 artigos selecionados na revisão de escopo foram submetidos à análise de conteúdo temática para o mapeamento dos indicadores qualitativos. Resultados: Os artigos na íntegra no formato pdf. foram inseridos como fontes internas no webQDA. O Sistema das Fontes permitiu o armazenamento dos dados provenientes da coleta de forma organizada e com fácil acesso às informações. Contudo, não foi possível realizar a codificação dos textos cujos arquivos apresentavam duas colunas. Optou-se por utilizar instrumento no formato xlsx., inserido por meio da codificação direta. Esse processo otimizou o tempo de trabalho, pois os dados relativos à caracterização dos artigos foram codificados automaticamente como códigos descritivos e as demais informações empíricas foram armazenadas no sistema das fontes internas e codificadas através dos códigos árvores. Conclusões: A potencialidade do webQDA foi verificada na otimização das etapas do tratamento e aprofundamento da análise dos dados empíricos para o mapeamento de indicadores qualitativos. Como limitação, dado o formato em colunas dos artigos, necessitou utilizar o formato xlsx.

Referências

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Blismas, N. G., & Dainty, A. R. J. (2003). Computer-aided qualitative data analysis: Panacea or paradox? Building Research and Information, 31(6), 455–463. https://doi.org/10.1080/0961321031000108816

Costa, A. P., & Amado, J. (2018). Content Analysis Supported by Software. Aveiro - Portugal: Ludomedia.

Costa, A. P., Moreira, A., & Souza, F. N. de. (2019). webQDA - Qualitative Data Analysis. Aveiro - Portugal: Aveiro University and MicroIO.

Fazel, S., Geddes, J. R., & Kushel, M. (2014). The health of homeless people in high-income countries: Descriptive epidemiology, health consequences, and clinical and policy recommendations. The Lancet, 384(9953), 1529–1540. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(14)61132-6

Freitas, F., Ribeiro, J., Brandao, C., Reis, L. P., Souza, F. N. de, & Costa, A. P. (2017). Learn by yourself: The Self-Learning Tools for Qualitative Analysis Software Packages. Digital Education Review, (32), 97–117.

Minayo, M. C. de S. (2009). The construction of qualitative indicators for the evaluation of changes. Revista Brasileira de Educação Médica, 33(Supl. 1), 83–91.

Minayo, M. C. de S., & Costa, A. P. (2019). Techniques that use speech, observation and empathy: qualitative research in action. Aveiro - Portugal: Ludomedia.

Ouzzani, M., Hammady, H., Fedorowicz, Z., & Elmagarmid, A. (2016). Rayyan-a web and mobile app for systematic reviews. Systematic Reviews, 5(1). https://doi.org/10.1186/s13643-016-0384-4

Perleth, M., Jakubowski, E., & Busse, R. (2001). What is “best practice” in health care? State of the art and perspectives in improving the effectiveness and efficiency of the European health care systems. Health Policy, 56(3), 235–250. https://doi.org/10.1016/S0168-8510(00)00138-X

Peters, M., Godfrey, C., Mcinerney, P., Munn, Z., Tricco, A., & Khalil, H. (2020). Chapter 11: Scoping Reviews. In E. Aromataris & Z. Munn (Eds.), JBI Manual for Evidence Synthesis.

Soilemezi, D., & Linceviciute, S. (2018). Synthesizing Qualitative Research: Reflections and Lessons Learnt by Two New Reviewers. International Journal of Qualitative Methods, 17(1), 1–14. https://doi.org/10.1177/1609406918768014

Teixeira, M. B., Belmonte, P., Engstrom, E. M., & Lacerda, A. (2019). The invisible urban dwellers: the stigma of People Living in the Streets in Rio de Janeiro. Saúde Em Debate, 43(7), 92–101. https://doi.org/10.1590/0103-11042019s707

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

Lucimara Fabiana Fornari, Emiko Yoshikawa Egry, Paula Hino, Carmen Santana, & Elda Oliveira. (2021). Percurso metodológico apoiado por software para mapeamento de indicadores qualitativos para as Boas Práticas em Saúde à população em situação de rua. New Trends in Qualitative Research, 8, 562–570. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.562-570