Stork Network in the View of Pregnant and Professionals: Use of Focus Group and Interview

Authors

  • Vanessa Aparecida Sanches Campassi de Oliveira Centro Estadual de Ensino e Tecnologia Paula Souza, Enfermeira da Estratégia da Saúde da Família, Marília/Brasil
  • Mara Quaglio Chirelli Faculdade de Medicina de Marilia - Faculdade de Educação na Unicamp/Brasil
  • Kátia Terezinha Alves Rezende Faculdade de Medicina de Marilia/Brasil - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Brasil
  • Silvia Franco da Rocha Tonhom Faculdade de Medicina de Marilia - Faculdade de Educação Universidade Estadual de Campinas, Brasil
  • Luzmarina Aparecida Doretto Braccialli Faculdade de Medicina de Marilia - EEUSP, Brasil
  • Edinalva Neves Nascimento Campo da Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva e Núcleo da Residência em Materno Infantil - Universidade de São Paulo, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.591-599

Keywords:

Public Policy, Maternal and Child Health Services, Systems Integration, Women’s Health

Abstract

The Stork Network ensures quality, humanized care for pregnant women and newborns. Besides, it promotes the integration of actions and the connection between health services based on completeness, access, welcoming, resolution, and the production of networked care; Goals: to analyse the perception of Primary Health Care professionals and pregnant women about the actions of the Stork Network. Methods: interviews and focus groups with thematic data analysis. Results: In the perception of pregnant women, care is centered on the doctor. Professionals have difficulties in understanding networked care. Conclusions: for the implementation of a care networking to occur, managers must build strategies based on the needs of each municipality

References

Assis, T. R., Chagas, V. O., Goes, R. M., Schafauser, N. S., Caitano, K. G. & Marquez, R. A. (2019). Implementação da Rede Cegonha em uma Regional de Saúde do estado de Goiás: o que os indicadores de saúde mostram sobre atenção materno-infantil?. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde. 13(4):843-53. https://doi.org/10.29397/reciis.v13i4.1595

Brasil. (2007) Lei n. 11.634, de 27 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o direito da gestante ao conhecimento e a vinculação à maternidade onde receberá assistência no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 28 dez 2007; Seção 1:2.

Brasil. (2010). Ministério da Saúde. Portaria n. 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e dá outras providências. Diário Oficial daUnião, Brasília (DF); 31 dez 2010; Seção 1:88.

Brasil. (2011). Ministério da Saúde. Portaria n. 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 27 jun 2011; Seção 1:109.

Cecílio, L. C. O. (2001). As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. In R. Pinheiro & R. Mattos. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde (8º ed., pp. 113-126.). Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Associação Brasileira de Saúde Coletiva.

Cecilio, L. C. O., Andreazza, R., Carapinheiro, G., Araújo, E. C, Oliveira, L. A., Andrade, M. G. G., Meneses, C. S., Pinto, N. R. S., Reis, D. O., Santiago, S., Souza, A. L. M. & Spedo, S. M. (2012). A atenção básica à saúde e a construção das redes temáticas de saúde: qual pode ser o seu papel?. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 17(11):2893-2902. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001100006

Costa, F. J. L. S., Camara, J. T., Costa, K. R., Serejo, E. C. S., Pedrosa, A. O. & Lima, A. K. A. (2016). Avaliação da assistência pré-natal na perspectiva da integralidade. Revista de Pesquisa (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro).8(2):4563-86. http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2016.v8i2.4563-4586.

De La Torre, A., Nikoloski, Z. & Mossialos, E. (2018). Equity of access to maternal health interventions in Brazil and Colombia: a retrospective study. Int J Equity Health.11;17(1):43. http://dx.doi.org/10.1186/s12939-018-0752-x.

Diniz, C. S. G., Daphne, R., Oliveira, A. F. P. L., Aguiar, J. M & Niy, D. Y. (2018). Disrespect and abuse in childbirth in Brazil: social activism, public policies and providers’ training, Reproductive Health Matters, 26:53, 19-35. http://dx.doi.org/DOI: 10.1080/09688080.2018.1502019

Franco, T.B. (2013). As redes na micropolítica do processo de trabalho em saúde. In T.B Franco, & E. E. Merhy. Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde: textos reunidos. Hucitec. 226-42.

Giovanella, L., Franco, C. M. & Almeida, P. F. (2020) Política Nacional de Atenção Básica: para onde vamos?. Ciência & Saúde Coletiva. 25(4):1475-82. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232020254.01842020

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Censos demográficos: censo demográfico 2010.

Merhy, E. E., Gomes, M. P. C., Silva, E., Santos, M. F. L., Cruz, Cruz, K. T. F. & Tulio, B. (2014) Redes Vivas: multiplicidades girando as existências, sinais da rua. Implicações para a produção do cuidado e a produção do conhecimento em saúde. Divulgação em Saúde para Debate. (52):153-64.

Minayo, M. C. S. (2013). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (13º ed). Hucitec.

Published

2021-07-08

How to Cite

Vanessa Aparecida Sanches Campassi de Oliveira, Mara Quaglio Chirelli, Kátia Terezinha Alves Rezende, Silvia Franco da Rocha Tonhom, Luzmarina Aparecida Doretto Braccialli, & Edinalva Neves Nascimento. (2021). Stork Network in the View of Pregnant and Professionals: Use of Focus Group and Interview. New Trends in Qualitative Research, 8, 591–599. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.591-599

Issue

Section

Chapters