Análise de conteúdo aos diagnósticos e intervenções tegumentares: O primeiro passo para um modelo de cicatrização de feridas

Autores

  • João Gomes Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar, Portugal. Enfermeiro, Hospital de Braga - Centro de Investigação Desenvolvimento em Sistemas de Informação em Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem do Porto, Portugal (CIDESI-ESEP)
  • Paulino Sousa Centro de Investigação Desenvolvimento em Sistemas de Informação em Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem do Porto (CIDESI-ESEP) - Escola Superior de Enfermagem do Porto, Portugal
  • Filipe Pereira Centro de Investigação Desenvolvimento em Sistemas de Informação em Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem do Porto (CIDESI-ESEP) - Escola Superior de Enfermagem do Porto, Portugal
  • Fernanda Bastos Centro de Investigação Desenvolvimento em Sistemas de Informação em Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem do Porto (CIDESI-ESEP) - Escola Superior de Enfermagem do Porto, Portugal
  • Ana Paula Prata Centro de Investigação Desenvolvimento em Sistemas de Informação em Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem do Porto (CIDESI-ESEP) - Escola Superior de Enfermagem do Porto, Portugal
  • Catarina Silva ACES Alto Ave, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.606-616

Palavras-chave:

Modelo Clínico de Informação, Diagnóstico de Enfermagem, Intervenção de Enfermagem, Cicatrização, Ferimentos e Lesões

Resumo

Especialistas em tratamento de feridas são essenciais para abordar necessidades crescentes de prevenção e tratamento de feridas que afetam milhões de pessoas. Os sistemas de informação com apoio à tomada de decisão clínica tornam-se essenciais ao recolher, codificar e armazenar conhecimento, devolvendo informação pertinente ao enfermeiro. Objetivos: Este estudo visa identificar oportunidades para melhoria da interoperabilidade semântica através da análise da construção e conceitos presentes nos diagnósticos e intervenções do Sistema de Informação em Saúde. Métodos: Estudo descritivo com recolha de dados no Sistema de Informação em Saúde Português, sendo reconhecido pelo progresso em termos de tecnologias de informação e comunicação no setor da saúde. Todos os diagnósticos, intervenções e relações disponíveis para a prática clínica no âmbito do processo tegumentar foram extraídos. Realizámos esta investigação em duas fases: (1) Análise de conteúdo aos diagnósticos e intervenções, revista por dois peritos externos e (2) Grupo focal com peritos em Sistemas de Informação em Saúde de forma a discutir os resultados anteriores e implementar contribuições para um modelo clínico relativo à cicatrização de feridas. Resultados: Fizemos correspondência a 66 diagnósticos, 171 intervenções e 318 relações. As intervenções de enfermagem são centradas em três tipos de ação: executar, determinar e informar. Encontrámos inconsistências inesperadas no que diz respeito às associações entre ações do tipo ensinar e a ausência de diagnósticos centrados no conhecimento. O grupo focal acrescentou uma importante perspetiva na importância de intervenções de outros domínios para a cicatrização de feridas. Conclusões: Os enfermeiros usam uma linguagem padronizada para descrever os conceitos na prática clínica. A interoperabilidade semântica é questionável por alterações sustentadas em opiniões no lugar de conhecimento científico, sem normas ou procedimentos de domínio público. A abordagem qualitativa permitiu melhorias em termos dos conceitos utilizados para representar a prática clínica e validade da construção dos enunciados.

Referências

Atkin, L., & Tickle, J. (2018). Best practice statement leg ulceration pathway: revision required to reflect new evidence. Wounds UK, 14(4).

Bahr, S. J., & Weiss, M. E. (2019). Clarifying model for continuity of care: a concept analysis. International journal of nursing practice, 25(2), e12704.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo (Vol. 70).

Batista da Cunha, J., Alves Dutra, R. A., Magela Salomé, G., & Masako Ferreira, L. (2018). Computational system applied to mobile technology for evaluation and treatment of wounds. Revista de Enfermagem UFPE, 12(5). https://doi.org/10.5205/1981-8963- V12I5A230677P1263-1272-2018

Bezemer, T., De Groot, M. C., Blasse, E., Ten Berg, M. J., Kappen, T. H., Bredenoord, A. L., Van Solinge, W. W., Hoefer, I. E., & Haitjema, S. (2019). A human (e) factor in clinical decision support systems. Journal of medical Internet research, 21(3), e11732. https://doi.org/10.2196/11732

Cruz, I., Bastos, F., Pereira, F., Silva, A., & Sousa, P. (2016). Analysis of the Nursing Documentation in–Building a Clinical Data Use in Portugal Model of Nursing Centered on the Management of Treatment Regimen. Nursing Informatics 2016: EHealth for All: Every Level Collaboration–From Project to Realization, 225, 407. https://doi.org/10.3233/978-1-61499- 658-3-407

European Observatory on Health Systems and Policies. (2018). Health System Review - Portugal, Phase1 Final Report. https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2018/04/PortugalReviewReport_Printers_03April2018-2.pdf

Gonçalves, P., Sequeira, C., & Silva, M. (2019). Content analysis of nursing diagnoses in mental health records in Portugal. International nursing review, 66(2), 199-208. https://doi.org/10.1111/inr.12493

Gruber, T. (1993). What is an Ontology.

International Council of Nurses. (2017). International Classification for Nursing Practice. Retrieved 2021/01/23 from https://www.icn.ch/what-we-do/projects/ehealth-icnptm/icnp-browser

International Organization for Standardization. (2014). Health informatics — Categorial structures for representation of nursing diagnoses and nursing actions in terminological systems (ISO 18104).

International Organization for Standardization. (2015). Health informatics - Detailed clinical models, characteristics and processes (ISO/TS 13972:2015).

Itulua-Abumere, F. (2015). Outlines of Focus Group: Exploring the potentials of focus group research method/ perspective for practical research purposes whilst indicating the limitations and advantages of the method. https://doi.org/10.13140/RG.2.1.4509.8966

Ivins, N., Clask, M., & Fallon, M. (2018). An initiative to improve wound management within community services across one Clinical Commissioning Group in England. Wounds UK, 14(5).

Lindholm, C., & Searle, R. (2016). Wound management for the 21st century: combining effectiveness and efficiency. International wound journal, 13, 5-15. https://doi.org/doi.org/10.1111/iwj.12623

Lozano-Rubí, R., Carrero, A. M., Balazote, P. S., & Pastor, X. (2016). OntoCR: A CEN/ISO-13606 clinical repository based on ontologies. Journal of biomedical informatics, 60, 224-233. https://doi.org/https://doi.org/10.1016/j.jbi.2016.02.007

Lumbers, M. (2018). Wound debridement: choices and practice. British Journal of Nursing, 27(15), S16-S20. https://doi.org/10.12968/bjon.2018.27.15.s16

Neves, H., & Parente, P. (2019). A nursing clinical data model for neuromuscular processes: content analysis of the Portuguese nursing customization. Ciencia & saude coletiva, 24, 1609- 1616. https://doi.org/10.1590/1413-81232018245.04462019

Nussbaum, S. R., Carter, M. J., Fife, C. E., DaVanzo, J., Haught, R., Nusgart, M., & Cartwright, D. (2018). An economic evaluation of the impact, cost, and medicare policy implications of chronic nonhealing wounds. Value in Health, 21(1), 27-32. https://doi.org/10.1016/j.jval.2017.07.007

Ordem dos Enfermeiros. (2018). OE celebra parceria com Escola Superior de Enfermagem do Porto. Retrieved 2021/01/21 from https://www.ordemenfermeiros.pt/noticias/conteudos/oe-celebra-parceria-com-escola-superior-de-enfermagem-do-porto/

Paiva, A., Cardoso, A., Sequeira, C., Morais, E., Bastos, F., & Pereira, F. (2014). Análise da parametrização nacional do Sistema de Apoio à Prática de Enfermagem-SAPE®. Escola Superior de Enfermagem do Porto, Porto. http://hdl.handle.net/10400.26/31982

Queirós, C., Silva, M. A. T. C. P., Cruz, I., Cardoso, A., & Morais, E. J. (2021). Nursing diagnoses focused on universal self?care requisites. International nursing review. https://doi.org/10.1111/inr.12654

Samuriwo, R., & Dowding, D. (2014). Nurses’ pressure ulcer related judgements and decisions in clinical practice: a systematic review. International journal of nursing studies, 51(12), 1667- 1685. https://doi.org/10.1016/j.ijnurstu.2014.04.009

Strickler, J. (2017). Florence Nightingale: Lighting the way for the future of nursing. Nursing, 47(12), 43-45. https://doi.org/10.1097/01.nurse.0000526887.95058.3b

WOCN Task Force. (2018). Wound, Ostomy, and Continence Nursing: Scope and Standards of WOC Practice, 2nd Edition: An Executive Summary. J Wound Ostomy Continence Nurs, 45(4), 369-387. https://doi.org/10.1097/WON.0000000000000438

Woo, K., Conceição de Gouveia Santos, V. L., & Alam, T. (2018). Optimising quality of life for people with non-healing wounds. Wounds International, 9(3), 6-14. http://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=ccm&AN=131918860&lang=pt- br&site=ehost-live

World Health Organization. (2017, 2017/07/04). International Classification for Nursing Practice (ICNP). Retrieved 2020/02/18 from https://www.who.int/classifications/icd/adaptations/icnp/en/

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

João Gomes, Paulino Sousa, Filipe Pereira, Fernanda Bastos, Ana Paula Prata, & Catarina Silva. (2021). Análise de conteúdo aos diagnósticos e intervenções tegumentares: O primeiro passo para um modelo de cicatrização de feridas. New Trends in Qualitative Research, 8, 606–616. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.606-616