A força de trabalho ‘grisalha’: mitos e estereótipos sobre a contratação de pessoas mais velhas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e586

Palavras-chave:

Envelhecimento, Contratação, Mitos, Estereótipos

Resumo

O envelhecimento da população europeia é um dos maiores desafios que o continente enfrenta e Portugal é um dos países onde a longevidade é mais evidente. Mudanças vêm ocorrendo nos setores sociais, políticos, econômicos, culturais, entre outros, afetam as mais diversas empresas e modificam o ambiente organizacional, e torna-se um desafio manter e contratar pessoas mais velhas. Assim, o presente estudo tem por objetivo compreender os fatores que inibem a contratação de pessoas mais velhas.  Por meio de revisão de literatura, procura-se identificar a faixa etária de pessoas mais velhas e perceber a partir de que idade se considera um colaborador, como uma pessoa mais velha para o trabalho. Segue-se a identificação dos mitos e estereótipos nos trabalhadores mais velhos. Este trabalho carateriza-se como um estudo de natureza descritiva. Foram realizadas entrevistas estruturadas com oito indivíduos com funções de responsabilidade na escolha de trabalhadores para os seus locais de trabalho. Foi garantido o sigilo e todos os entrevistados aceitaram e assinaram o Termo de consentimento livre e esclarecido. A quantidade de participantes foi determinada pelo principio da saturação. Os resultados mostraram que, embora o trabalhador mais velho seja reconhecido positivamente em termos de estabilidade, confiabilidade, conhecimento, experiência, iniciativa pessoal e orientação, eles são avaliados negativamente de muitas outras maneiras, carecem de flexibilidade ou criatividade, são menos vigilantes, são mais propensos a acidentes, não estão familiarizados com as novas tecnologias, são mais resistentes à inovação e às mudanças tecnológicas e são mais difíceis de treinar. Pode-se concluir que há alguma resistência por parte das organizações na contratação de pessoas mais velhas, resistência essa essencialmente representada pelos mitos e estereótipos associados aos trabalhadores de faixa etária mais avançada.

Referências

Alves, W. (2019). Porque contratar trabalhadores 50+. Obtido de Maturi Jobs: https://www.maturi.com.br/empresa/gestao/porque-contratar-trabalhadores-50/

Bal, A., Reiss, A., Rudolph, C., & Baltes, B. (2011). Examining positive and negative perceptions of older workers: a meta-analysis. Journal of Gerontology: Psychological Sciences, 66(6), 687-98. doi:10.1093/geronb/gbr056

Bardin, L. (2002). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, Lda.

Barreiro, C. d. (2017). Estereótipo do Trabalhador mais Velho: o efeito da consistência/inconsistência do estereótipo na perceção, emoção e comportamento em relação ao grupo alvo. Dissertação de Mestrado, Universidade de Évora, Psicologia, Évora.

Batista, P. H. (Jan-Jun de 2016). Dificuldades do Trabalhador com mais de Quarenta Anos diante do Mercado de Trabalho. Revista Brasileira de Gestão e Engenharia-ISSN 2237-1664, pp. 1-22.

Cappelli, P., & Novelli, B. (2010). Managing the older workers: How to prepare for the new organizacional order. Boston, Massachusetts: Harvard Business Press.

Capucha, L. (s.d.). Envelhecimento e políticas em tempos de crise. Sociologia, Problemas e Práticas, 74, 113-131. doi:10.7458/SPP2014743203

Chou, R. J.-A. (2012). Discrimination against Older Workers : Current Knowledge, Future Research Directions and Implications for Social Work. (K. Sharma, Ed.) Indian Journal of Gerontology, Vol. 26 No. 1, 25-49.

Ferreira, A. L. (2017). Perspetivas sobre os ativos mais velhos da região norte. Dissertação de Mestrado, Universidade Católica Portuguesa, Psicologia, Porto.

Ferreira, P. I. (2015). A gestão do envelhecimento no trabalho: Políticas, Actores e Estratégias para um prolongamento efectivo da vida activa. Tese de Doutoramento, ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, Ciência Política e Políticas Públicas, Lisboa. Obtido de https://repositorio.iscte-iul.pt/bitstream/10071/11542/1/Tese%20doutoramento_PFerreira.pdf

Fineman, S. (2011). Organizing age. Oxford University Press.

Fula, A., Amaral, V., & Abraão, A. (2012). Que idade tem o trabalhador mais velho? Um contributo para a definição do conceito de trabalhador mais velho. Análise Psicológica, 30(3), 285-300. Obtido em 18 de Dezembro de 2020, de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312012000200003&lng=pt&tlng=pt.

Goffman, I. (1975). A representação do eu na vida quatidiana (17ª ed.). Petrópolis: Vozes.

Hassell, B., & Perrewe, P. (1995). An examination of beliefs about older workers: do stereotypes still exist? Journal of Organizational Behavior , 16, pp. 457-468. doi:10.1002/job.4030160506

Instituto Nacional Estatística, I. N.E. (4 de Novembro de 2020). População desempregada aumentou 45,1% em relação ao trimestre anterior - 3.º Trimestre de 2020. Obtido de Instituto Nacional de Estatística: https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=415270477&DESTAQUESmodo=2

Iversen, T., Larsen, L., & Solem, P. (2009). A conceptual analysis of ageism. Psicologia Nórdica, 61, 4-22. doi:10.1027/1901-2276.61.3.4

Johnson, R. (2007). Managerial Attitudes Toward Older Workers: A review of the evidence. Washington D. C.

Leibold, M., & Voelpel, C. (2006). Managing the aging workforce. Challenges and solutions. New York: Wiley.

Lino, F. (25 de Maio de 2018). Talento sénior: o que os mais velhos dão às empresas. pp. 12-15. Obtido em 18 de Dezembro de 2020, de https://www.groundforce.pt/sites/default/files/clipping/Talento%20S%C3%A9nior_Neg%C3%B3cios_25maio2018.pdf

Marques, S. (2011). Discriminação da terceira idade. Fundação Francisco Manuel dos Santos.

McDonald, R., & Eisenhardt, K. (2017). Category Kings and commoners: how market-creation efforts can undermine startups' standing in a new market. HBS Working Paper, 16-95.

Merriam, S. (1998). Qualitative Research and Case Study Applications in Education. San Francisco: Jossey-Bass.

Nelson, C., Treichler, P., & Grossberg, L. (1992). "Cultural studies" in L. Grossberg, C. Nelson e A. Treichler (Eds). 1-16. New York: Routledge.

Ng., T., & Feldman, D. (2008). The Relationship of Age to Ten Dimensions of Job Performance. Journal of Applied Psychology, 93(2), 392-423. doi:10.1037/0021-9010.93.2.392

Padilla, A. (2011). An Ageing Workforce. Obtido de http://researchbriefings.files.parliament.uk/documents/POST-PN-391/POST-PN-391.pdf

Pereira, R. I. (2014). O Processo de Expatriação e a Dimensão Familiar: Políticas e Práticas Organizacionais. Dissertação de Mestrado, Universidade Católica Portuguesa, Faculdade de Educação e Psicologia, Porto.

Pestana, N. (2003). Trabalhadores mais velhos: políticas públicas e práticas empresariais. Lisboa: Ministério da Segurança Social e do Trabalho.

Posthuma, R., Wagstraff, M., & Campion, M. (2012). Age stereotypes and workplace age discrimination - A framework for future resarch in J. W. Hedge & W. C. Borman (Eds.). The Oxford handbook of work and aging, 298-312. (O. U. Press, Ed.) New York.

Raymundo, T. M., & Castro, C. d. (2019). Análise de um programa de treinamento de trabalhadores mais velhos para uso de tecnologias: dificuldades e satisfação. Revista Brasileira Geriatr. Gerontol. Obtido de http://dx.doi.org/10.1590/1981-22562019022.190039

Rizzuto, T., Cherry, K., & LeDoux, J. (2012). The aging process and cognitive capabilities. In J. W. Hdge & W. C. Borman (Eds). The Oxford Handbook of Work and Aging, 236-255.

Roberts, R., Swanson, N., & Murphy, L. (2004). Discrimination and occupational mental health. Lournal of Mental Health, 13(2), 129-142.

Rosen, B., & Jerdeen, T. (1977). To old or not too old? Harvard Business Review, 97-106.

Silva, R. M; & Bezerra, I. C. (2018). Estudos Qualitativos: Enfoques Teóricos e Técnicas de Coleta de Informações. Sobral: Edições UVA.

Swim, J., & Stangor, C. (1998). Prejudice: the target's perspective. San Diego: CA: Academic Press.

Tanure, B., & Duarte, G. (2006). O impacto da Diversidade Cultural na Gestão Internacional. São Paulo: Saraiva.

Tishman, F., Van Looy, S., & Bruyére, S. (2012). Employer strategies for responding to an aging workforce. NTAR Leadership Center. Obtido de http://www.dol.gov/odep/pdf/NTAR_Employer_Strategies_Report.pdf.

Tislley, C. (1990). The impact of age upon employment. Warwick Papers in Industrial relations, 33.

Truxillo, D., Finklestein, L., Pytlovany, A., & Jenkins, J. (2015). “Age discrimination at work: A review of the research and recommendations for the future”. in Colella, A.J. and King, E.B. (Eds.), The Oxford Handbook of Workplace Discrimination,. Oxford University Press.

Uyehara, A. M. (2003). Despertando o mercado de trabalho para o idoso. Revista Gerenciais, 2, 43-49.

Villosio, C. (2008). Working conditions of an ageing workforce. Luxembourg: Office for official Publications of the European Communities. Obtido de http://www.epsu.org/sites/default/files/article/files/working_conditions_ageing_WF_May08.pdf.

Vitória, A. T. (2015). Os mais velhos nas organizações: Um desafio para a gestão. Tese de Doutoramento, Universidade de Aveiro, Departamento de Economia, Gestão e Engenharia, Aveiro.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Carlos Pedro Almeida, Fátima Ney Matos, Diego Machado, & Margarida Pocinho. (2022). A força de trabalho ‘grisalha’: mitos e estereótipos sobre a contratação de pessoas mais velhas. New Trends in Qualitative Research, 14, e586. https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e586