O metafenômeno como gênese no processo de triangulação da pesquisa qualitativa na era digital

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e593

Palavras-chave:

Pesquisa Qualitativa, Triangulação, Era Digital, Metafenômeno, Gênese

Resumo

O processo de triangulação da pesquisa qualitativa desenvolvido por Tuzzo e Braga (2016) adota um raciocínio teórico-metodológico para explicar que a triangulação em pesquisa qualitativa pode ser compreendida de outra maneira. A proposta multimétodos inicialmente elaborada pelos pesquisadores se concretiza a partir da definição do objeto, do sujeito e do fenômeno, sugerindo, no estudo originalmente desenvolvido pelos autores, que os vértices da triangulação são na verdade novos níveis de investigação. À luz da revolução digital, e do avanço da internet, sobretudo a partir das plataformas de mídias sociais digitais, este artigo apresenta um novo olhar sobre o metafenômeno e sua gênese no processo de triangulação, propiciando novas perspectivas sobre a pesquisa qualitativa, de tal forma que o sujeito e o objeto da pesquisa foram substancialmente modificados em função da mudança ocorrida nos fenômenos, cuja mudança em última instância ocorreu em sua gênese, ou seja, mudanças nos fatos e ou elementos que contribuíram para produzir os fenômenos. Deste modo a possibilidade da triangulação mesmo em se tratando da mesma perspectiva – qualitativa – parece ser uma abordagem que se sustenta e faz sentido à medida que oferece ao pesquisador olhares múltiplos e diferentes do mesmo lugar de fala. Essa reflexão se fortalece mostrando que a triangulação pode se realizar na mesma modalidade de pesquisa – qualitativa, que agora se amplia e pode ocorrer de duas formas:  físico ou digital. Como um fenômeno é apenas parte dos diversos fenômenos que compõem a categoria metafenômeno, eleger um fenômeno, um objeto e um sujeito e escolher o modo (físico / digital) explica e possibilita a realização da pesquisa qualitativa a partir da perspectiva do metafenômeno. É nele que se origina a possibilidade de múltiplas pesquisas, é nele que se compreende a complexidade de pesquisas, é ele a gênese de todo o processo de investigação.  

Referências

Benjamin, W. (1985). A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. Brasiliense.

Denker, A. de F. & Da Viá, S. C. (2011). Pesquisa empírica em Ciências Humanas. Futura.

Duarte, T. (2009). A possibilidade da investigação a 3: reflexões sobre triangulação (metodológica), n. 60, p. 1-24.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Artmed.

Gil, J. (205). A imagem-nua e as pequenas percepções. Estética e Metafenomenologia. Relógio D´água.

Greene, J. C. & Caracelli, V. J. C. (1989). Towards a conceptual framework for mixed-method evaluation designs.

Educational Evaluation and Policy Analysis (Rumo a uma estrutura conceitual para projetos de avaliação de

métodos mistos. Avaliação Educacional e Análise de Políticas), v. 11, n.3, p. 255-274.

Havelais, A. (2011) Métodos de pesquisa para internet. Sulinas.

Hohfeldt, A. (2011). É possível a pesquisa empírica num país preconceituoso e de tradição escravagista?! Em

Barbosa, M. & Morais, O. J. de. (Ed.). Quem tem medo da pesquisa empírica. Intercom, p. 91-103.

Kerckhove, D. de. (2009). A Pele da Cultura. Annablume.

Latour, Bruno. (2013). Investigácion sobre los modos de existência. (Research on modes of existence). Paidós.

Malhotra, N. (2010). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Bookman.

Marconi, M. de A.& Lakatos, E. M. (2007). Metodologia do trabalho científico. Atlas.

McLuhan, M. (1964). Understanding Media: The Extensions of Man. McGraw-Hill Book Company.

Minayo, M. C. de S. (2000). O desafio do conhecimento: Pesquisa qualitativa em Saúde. 7. ed. Hucitec.

Morin, E. (2005). Ciência com consciência. 8. ed. Bertrand Brasil.

Morin, E. (2005a). O método 4: As ideias. 4. ed. Sulinas.

Souza, J. P. (2011). Quem tem medo da pesquisa empírica? Seguramente, não os pesquisadores portugueses em

jornalismo. Em Barbosa, M.& Morais, O. J. de. (Ed.). Quem tem medo da pesquisa empírica. 1. ed. Intercom, p. 305 321.

Thompson, J. B. (1995). Media and Modernity: a social theory of the media. Polity.

Thompson, J. B. (2018). A interação mediada na era digital. Matrizes. v. 12, nº. 3 set/dez.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. 4. ed. Atlas.

Tuzzo, Simone Antoniaci & Braga, Claudomilson F. (2016). O processo de triangulação da pesquisa qualitativa: o

metafenômeno como gênese. Revista Pesquisa Qualitativa. v. 4, n.5, p. 140-158.

Tuzzo, Simone Antoniaci. (2016). Os sentidos do Impresso. Gráfica UFG

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Simone Antoniaci Tuzzo, & Claudomilson Fernandes Braga. (2022). O metafenômeno como gênese no processo de triangulação da pesquisa qualitativa na era digital. New Trends in Qualitative Research, 14, e593. https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e593