Déficit de leitura em universitários: Uma revisão integrativa da literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e594

Palavras-chave:

Universitários, Déficit de leitura, Preconceito, Revisão integrativa da literatura, Pesquisa qualitativa

Resumo

A título de pesquisa literária, integração de resultados e levando em consideração que existem poucas investigações que contemplem o estudo das dificuldades voltadas ao déficit de leitura no ensino superior, torna-se necessário investigar o tema, de modo a favorecer a compreensão das dificuldades que pessoas com déficit de leitura vivenciam no contexto universitário. Busca-se também entender como o preconceito se apresenta em relação a esses estudantes, além de refletir sobre o papel da universidade na manutenção e/ou transformação de práticas sociais que predispõem esses sujeitos ao preconceito, sob forma da discriminação, marginalização e segregação.  Como método de pesquisa, realizou-se uma pesquisa qualitativa, em que foi desenvolvida uma revisão integrativa da literatura, nas bases de dados Scientific Eletronic Library Online (SciELO), utilizando-se os descritores preconceito e déficit de leitura em sujeitos universitários. Foram localizados 33 artigos e após a avaliação crítica dos respectivos e verificação dos critérios de inclusão e exclusão previamente estabelecidos, foram selecionados e analisados 28 artigos científicos como base de desenvolvimento dessa pesquisa. Assim, as conclusões desses achados corroboram que, dentre as diversas dificuldades que podem ser reverberadas na vida do sujeito com dificuldades de aprendizagem no campo da leitura, o processo de exclusão social e o devido impacto do preconceito podem potencializar negativamente ainda mais as condutas do processo de aprendizagem com respectivos atrasos no campo, assumindo assim, que a condição corporal e/ou intelectual desses sujeitos é algo que supõe e/ou os definem como menos capazes do restante da população geral, trazendo diversos prejuízos emocionais, sendo esses prejuízos tanto no campo acadêmico, como o campo social.

Referências

American Psychological Association. (2013). Manual de publicação da American Psychological Association. Penso.

Araújo, C. M., Oliveira, M. C. S. L, & Rossato, M. (2017). O sujeito na pesquisa qualitativa: desafios da investigação dos processos de desenvolvimento. Psicologia, Teoria e Pesquisa, (33), e33316.

Beyea, S. C., & Nicoll, L. H. (1998). Writing an integrative review. AORN Journal, 67, 877-880.

Brasil. (2015). Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm.

Capellini, S. A., Padula, N. A., Santos, L. C., Lourenceti, M. D., Carrenho, E. H., & Ribeiro L. A. (2007). Desempenho em consciência fonológica, memória operacional, leitura e escrita na dislexia familial. Pró-Fono Rev Atual Cient, 19(4), 370-391.

Castanho, L. C. S. (2017). O coping e a resiliência no adulto com PAE-DL Um estudo numa amostra portuguesa. Dissertação de Mestrado, Universidade da Beira Interior, Covilhã.

Cortiella, C., & Horowitz, S. H. (2014). The State of Learning Disabilities: Facts, Trends and Emerging Issues). National Center for Learning Disabilities.

Dias, A. (2013). Por uma genealogia do capacitismo: da eugenia estatal a narrativa capacitista social. In: Anais do II Simpósio Internacional de Estudos sobre Deficiência, 5.

Kastrup, V. (2018). Cegueira e Invenção: Cognição, arte, pesquisa e acessibilidade. CRV.

Krug, F. S. (2015). A importância da leitura na formação do leitor. Revista de Educação do IDEAU, 10(22), 1-13.

Kuppers, P. (2004). Disability and contemporary performance: bodies on edge. TJ International; Fontanella.

Luca, M. I. O. (2009). Dislexia e atenção. UMESP.

Luria, A. (1976). El cérebro em Acción. Fontanella.

Lyon, G., Shaywitz, S., & Shaywitz, B. (2003). A definition of dyslexia. Annals of Dyslexia, 53, 2-14.

Massi, G., & Santana, A. (2011). A desconstrução do conceito de dislexia: conflito entre verdades. USP.

Mello, A. G. (2016). Deficiência, incapacidade e vulnerabilidade: do capacitismo ou a preeminência capacitista e biomédica do Comitê de ética em Pesquisa da UFSC. Ciência e saúde coletiva, 21(10), 3265-3276.

Mendes K., Silveira R., & Galvão C. (2008) Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde. Texto & Contexto, 17(4), 758-764.

Moojen, S. M., Bassôa, A., & Gonçalves, H. (2016). Características da dislexia de desenvolvimento e sua manifestação na idade adulta. Revista Psicopedagogia, 33(100), 5-19.

Nogueira, M. Z., & Beserra, T. M. (2017). Dislexia: Leitura e Escrita numa Perspectiva Bibliográfica. Id on Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, 10(33), 153-165.

Pozzana, L., & Kastrup, V. (2015). A roda como método de aprendizado do movimento com pessoas com deficiência visual: O papel dos relatos de campo na pesquisa-intervenção. Revista Benjamin Constant., 58(2), 134-155.

Pozzana, L., & Kastrup, V. (2019). Formação em psicologia e saúde mental na atualidade: uma oficina de corpo e um caderno coletivo como dispositivos experimentais. Mnemosine, 15(1), 89-120.

Pozzana, L., & Kastrup, V. (2020). Encontros com a deficiência na universidade: deslocando o capacitismo em oficinas de formação inventiva. Revista Mnemosine, 16(1), 33-55.

Pruett, S. R., & Chan, F. (2006). The development and psychometric validation of the Disability Attitude Implicit Association Revista Test. Rehabilitation Psychology, 51(3), 202-213. https://doi.org/10.1037/0090-5550.51.3.202.

Shaywitz, S. (2006). Entendendo a dislexia, um novo e completo programa para todos os níveis de problemas de leitura. Artmed.

Souza, M. T, Silva, M. D., & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, 8, 102-116.

Thomas, M. R. (1993). Comparing theories of child development. Wadsworth Publishing Company.

Vendramin, C. (2019). Repensando Mitos Contemporâneos: o Capacitismo. UFRGS.

Vygotsky, L. S. (1989). Pensamento e Linguagem. Martins Fontes.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Juliana Corrêa da Silva, Luciana Maria Maia, Carolina Rocha Peixoto, Ana Claudia Coelho Brito, Julia Leitão Fontenele, & Léa Araújo Montenegro. (2022). Déficit de leitura em universitários: Uma revisão integrativa da literatura. New Trends in Qualitative Research, 14, e594. https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e594