Transformações das práticas e percepções do graffiti nas cidades: De transgressão urbana a arte comercializada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e623

Palavras-chave:

Graffiti, Movimento social, Arte urbana, Investigação qualitativa, Atores sociais

Resumo

O presente estudo tem como foco de análise a expressão artístico-cultural do graffiti abordado a partir de uma pesquisa iniciada na cidade de Brasília. Entre os objetivos se destaca a busca por assimilações dessa modalidade de expressão nas cidades, nos espaços públicos de suas paisagens urbanas e, mais recentemente, em ambiências privadas. Como  método da abordagem qualitativa adotada na condução do estudo, foi sistematizada uma diretriz investigativa que, inicialmente, perpassou ao referencial teórico utilizado sobre o objeto temático uma identificação e categorização de três grupos sociais distintos no que se refere à sua relação com as intervenções realizadas no espaço público e privado por meio das expressões em graffiti; em seguida, foi elaborado um questionário misto, com questões  fechadas e abertas voltado às assimilações do graffiti por parte dos três grupos de atores sociais em questão e, por fim, a aplicação dessa ferramenta e a posterior análise de seus dados amparada no aporte teórico inicialmente utilizado permitiram o alcance de resultados esperados, como a identificação de similaridades e distinções no que diz respeito à assimilação do graffiti pelos sujeitos participantes da pesquisa. Além das reflexões vinculadas tanto à literatura especializada sobre a temática do graffiti quanto à sua normativa em nossa localidade de estudo, consideramos ter sido também substancial para o direcionamento da investigação as reflexões complementares que pudemos acrescer ao estudo por meio das respostas do público participante. Estas nos permitiram ultrapassar a objetividade de um estudo sobre o tema na atualidade ou em uma localidade e percebê-lo a partir das nuances subjetivas dos grupos de atores que, de algum modo, transformam e são transformados por esse campo e que foram sensíveis à atenção a eles solicitada sob circunstâncias tão específicas e difíceis como as vivenciadas por todos desde 2020.

Referências

Arantes, O. B. F. Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas. In: Arantes, O. B. F., Vainer, Carlos; Maricato, E. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000.

Arendt, H. (2007). A condição humana. Forense Universitária.

Argan, G. C. (2005). História da arte como história da cidade. Martins Fontes.

Benjamim, W. (1987). A Obra de Arte na Era da Reprodutibilidade Técnica. Brasiliense.

Blanco, L. S., Souza, E. G. (2020). O grafite e a formação do espaço geográfico urbano: informação, educação e arte. Literatura e Arte, v. 2, n.1, p. 141-159, jan./jun.

Campos, R. (2007). Pintando a cidade. Uma abordagem antropológica ao graffiti urbano. Dissertação (Doutorado em Antropologia Visual) – Universidade Aberta.

Canevacci, M. (1993). A cidade polifônica: ensaio sobre a antropologia da comunicação urbana. Studio Nobel.

Chartier, R. (1988). A historia cultural: entre praticas e representações. Lisboa: DELFI, 1988.

Coelho, G. (2009). Pixação como Trabalho de Conclusão de Curso: corajosos investimentos filosóficos para o ensino da arte. UERJ.

Creswell, J. W. (2021) Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Penso.

Debord, G. (1997). A sociedade do espetáculo. São Paulo: Contraponto.

Fontes, A. S. (2012). Amabilidade urbana: marcas das intervenções temporárias na cidade contemporânea. URBS Revista de Estudios Urbanos y Ciencias Sociales, v. 2, n. 1, p. 69-93.

Gaskell, G., Bauer, M. W. (2003). Pesquisa qualitativa com texto imagem e som: um manual prático. Vozes.

Guerra, I. C. (2006). Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: sentidos e formas de uso. Estoril: Principia.

Goulart, J. C. (2017). O grafite e a cidade linda. Fala Universidades! 3 mai. https://falauniversidades.com.br/grafite-cidade-linda/

Heller, A., Feher, S. (1989). De la hermenéutica en las cienias sociales a la hermenéutica de las ciencias sociales. In: Políticas de la postmodernidad: lensayos de la crítica cultural. Península, 52-100.

Lannes, P. (2017). Cartazes que escondiam grafite de Os Gêmeos na Asa Sul são retirados. Metropoles, 7 jul. https://www.metropoles.com/entretenimento/politica-cultural/cartazes-que-escondiam-grafite-de-os-gemeos-na-asa-sul-sao-retirados?amp

Latour, B. (2005). Reassemblin the Social: antroduction to Actor-Network-Theory. Oxford University.

Magon, R. (2019). Lá de baixo. Youtube, 8 jul. https://www.youtube.com/watch?v=MaiL2_HU8J0.

Manguel, A. (2001). Lendo imagens: uma história de amor e ódio. Companhia das letras.

Marconi, M. de A., Lakatos, E. M. (2019). Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas.

Mello, L. S. (2004). Pesquisa interdisciplinar: um processo em constru(a)ção. Mato Grosso do Sul: UFMS.

Mesquita, M., Valiengo, G. (2011). Cidade cinza. Youtube, 7 jun. https://www.youtube.com/watch?v=svFLNSQevag&t=4s

Minayo, M. C. de S. (2011). Pesquias social: teoría, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Queiroz, C. (2018). Entre transgressão e arte. Pesquisa Fapesp, 269, jul. http://revistapesquisa.fapesp.br/2018/07/04/entre-transgressao-e-arte/

Quemin, A., Fialho, A. L., Moraes, A. de. (2014). O valor da obra de arte. Metalivros.

Silva, A. (2014). Atmosferas urbanas: grafite, arte pública, nichos estéticos. SESC.

Silver, T. (1983). Style Wars. Youtube, 20 jul. https://www.youtube.com/watch?v=UGuu9_HL4VI

Taylor, S. J., Bogdan, R. (1992). Introducción a los métodos cualitativos de investigación. Paidós Básica.

Tomaz, K. (2010). Após invasão em 2008, pichadores são convidados a voltar à Bienal. G1, 15 set. http://glo.bo/1TIKXF4

Wisnik, G. (2018). Espaço em obra: cidade, arte, arquitetura. SESC.

Zarur, M. (2017). Mundez. Olhar Basília, 16 jun. http://www.olharbrasilia.com/2017/06/16/mundez/

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Raquel da Silva Bastos, Sávio Tadeu Guimarães, & Manuel Garcia Docampo. (2022). Transformações das práticas e percepções do graffiti nas cidades: De transgressão urbana a arte comercializada. New Trends in Qualitative Research, 14, e623. https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e623