As danças orientais como proposta do (re)viver, representar e reinventar no envelhecimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e647

Palavras-chave:

Envelhecimento, Danças orientais, Atividades cotidianas

Resumo

A dança como uma proposta de reinventar o envelhecimento é o objeto desse estudo. A dança contempla a representação e o aprendizado - de coreografias, de novas culturas e de uma prática artística que é capaz de resgatar o feminino e implementar novos significados, tanto nos participantes como naqueles que atuam como expectadores. O estudo surgiu após a defesa de uma Tese de doutoramento com idosos integrantes de uma Casa de Terapias Naturais e Práticas Corporais, localizada no bairro de Curicica – Rio de Janeiro, onde a autora abordou a reinvenção do cotidiano no envelhecimento pelas práticas corporais e integrativas, demonstrando aos participantes como realizava a reinvenção de seu cotidiano através da dança. A apresentação dos resultados da pesquisa propiciou a sensibilização dos participantes da CTNPC, que optaram por conhecer e se inserir nas tradições das danças orientais. Os objetivos: Apresentar as diferentes modalidades das danças orientais, inserir os idosos no contexto da cultura pela confecção de partes do vestuário, através do grupo de artesanato, compor coreografias e apresentações com a participação do grupo. Metodologia: O projeto contou com a iniciativa da Terapeuta Ocupacional, que é membro integrante da equipe de profissionais na Instituição (CTNPC), atuando com diferentes PICs e que também participa de um grupo de danças orientais. A pesquisa incluiu a observação participante e a realização de entrevista semiestruturada. Para apresentação dos dados, foi adotada o método do Discurso do Sujeito Coletivo. Os resultados apontaram que o grupo foi mobilizado para o aprendizado das técnicas de danças orientais, confecção de vestuário adequado para as aulas práticas e apresentações extramuros, tornando-se motivados nos novos aprendizados, com a sensação de pertencimento, motivação e expectativas de novos cotidianos.

Referências

Barreto, J. A., Nunes, J. G., & Aroucha, E. B. L. (2014). Um olhar trimembrado sobre a implantação de serviços de práticas integrativas e complementares em saúde. In A. F. Barreto (Org.), Práticas integrativas em saúde: Proposições teóricas e experiências na saúde e educação (pp. 155-174). UFPE.

Batista, S. M. L. (2014). Educação popular em saúde: Sua interface com as práticas integrativas e complementares e seus caminhos para o fortalecimento do SUS. In A. F. Barreto (Org.), Práticas integrativas em saúde: proposições teóricas e experiências na saúde e educação (pp. 175-181). UFPE.

Bauman, Z. (2005). Identidade. (C. A. Medeiros, Trad.). Zahar.

Bauman, Z. (2009). A arte da vida. (C. A. Medeiros, Trad.). Zahar.

Beauvoir, S. (1990). A velhice. (M. H. F. Monteiro, Trad.). Nova Fronteira.

Bezerra, I.C., Jorge, M.S.B., Gondim, A.P.S., Lima, L.L., & Vasconcelos, M.G.F. (2014). “Fui lá no posto e o doutor me mandou foi pra cá”: Processo de medicamentalização e (des)caminhos para o cuidado em saúde mental na Atenção Primária. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 18(48), 61-74. https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0650

Bondía, J. L. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de Experiência. (J. W. Geraldi, Trad.). Revista Brasileira de Educação, (19), 20-28. https://doi.org/10.1590/S1413-24782002000100003

Camargo, T. C. A. (2017). (Re) inventando o envelhecimento pelas práticas corporais: Escolhas possíveis no cotidiano que se revela na intergeracionalidade. [Tese de Doutorado, Universidade do Estado do Rio de Janeiro]. http://www.bdtd.uerj.br/handle/1/8235

Caradec, V. (2014). Sexagenários e octogenários diante do envelhecimento do corpo. (C. Marques, Trad). In M. Goldenberg (Org.), Corpo, envelhecimento e felicidade (pp. 21- 44). Civilização Brasileira.

Certeau, M. (2014). A Invenção do Cotidiano: Artes de Fazer (volume 1). (E. F. Alves, Trad.). Vozes.

Chopra, D. (1994). Corpo sem idade, mente sem fronteiras: A alternativa quântica para o envelhecimento. (H. Netto, Trad.). Rocco.

Fernandes, F. M. B. (2011). Considerações Metodológicas sobre a Técnica da Observação Participante. In R. A. Mattos, & T. W. F. Baptista (Org.), Caminhos para análise das políticas de saúde (pp. 262-274).

Goffman, E. (2014). A representação do eu na vida cotidiana. (M. C. S. Raposo, Trad.). Vozes.

Goldenberg, M. (2015). A bela velhice. Record.

Gouvêa R. V. (2012). A Experimentação na Improvisação de Dança. Revista Científica/FAP, (9), 160-176. http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/revistacientifica/article/view/152/149

Hanson, R., & Hanson, Forrest. (2019). O poder da resiliência. (B. Medina, Trad.). Sextante.

Lefevre F., & Lefevre A. M. C. (2010). Pesquisa de representação social: Um enfoque qualitativo a metodologia do discurso do sujeito coletivo. Líber Livro Editora.

Lefevre, F.; Lefevre, A. M. C. (2014). Discurso do sujeito coletivo: Representações sociais e intervenções comunicativas. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, 23(2), 502-507. https://www.scielo.br/j/tce/a/wMKm98rhDgn7zsfvxnCqRvF/?format=pdf&lang=pt

Merhy, E. E. (2007). Saúde: A Cartografia do Trabalho Vivo. Hucitec.

Minayo, M.C.S., Assis, S.G., & Souza, E.R (Orgs). (2005). Avaliação por triangulação de métodos: Abordagem de programas sociais. Fiocruz.

Ministério da Saúde. (2010). HumanizaSUS: Documento base para gestores e trabalhadores do SUS (4ª ed.). Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/documento_base.pdf

Ministério da Saúde. (2010). Política Nacional de Humanização. Formação e intervenção. Secretaria de Atenção à Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_humanizaSUS.pdf

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬Ministério da Saúde. (2012). Política Nacional de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf.

Ministério da Saúde. (2015). Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso (2ª ed.). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_praticas_integrativas_complementares_2ed.pdf

Ossona, P. (1988). A educação pela dança. Summus.

Sampaio, A. T. L. (2014). Educação em Saúde: Caminhos para formação integrativa. In A. F. Barreto (Org.), Práticas Integrativas em Saúde: Proposições Teóricas e Experiências na Saúde e Educação. UFPE.

Sotero, M. A., Ferraz, O. L. (2009). Uma única dança nunca é uma dança única – classificações da dança para uso escolar. XVI Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e III Congresso Internacional de Ciências do Esporte. http://www.rbceonline.org.br/congressos/index.php/CONBRACE/XVI/paper/view/1079/584.

Stewart, I. J. (2016). A dança do Sagrado Feminino: O despertar espiritual da mulher através da dança, dos movimentos e dos rituais. (C. G. Duarte, & E. G. Duarte, Trad.). Pensamento.

Tuan, Yi Fu. (1983). Espaço e lugar—A perspectiva da experiência. (L. Oliveira, Trad.). DIFEL.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Tereza Claudia de Andrade Camargo, & Rosa Maria de Oliveira. (2022). As danças orientais como proposta do (re)viver, representar e reinventar no envelhecimento . New Trends in Qualitative Research, 13, e647. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e647