Análise documental da formação em Enfermagem para o cuidado à diversidade cultural na atenção primária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e649

Palavras-chave:

Diversidade cultural, Formação em saúde, Assistência em enfermagem, Atenção primária

Resumo

Introdução: A diversidade cultural na educação em saúde tem sido identificada como ponto de interesse e discussão para revisão curricular e proposição de modelos mais inclusivos. Objetivo: Entender como o curso de graduação em enfermagem, de uma instituição privada de educação superior desenvolve práticas e organiza o ensino na perspectiva do respeito à diversidade cultural na atenção primária. Metodologia Estudo de caso, qualitativo, apoiado na análise documental do projeto pedagógico do curso, em duas etapas: inicialmente, o texto geral do PPC foi analisado com o software Iramuteq para observar o modelo geral de gestão do ensino; realizada também verificação direta do texto das ementas das disciplinas relacionadas a ambiente, saúde e sociedade, após definição de categorias de análise, e unidades de registro. Adotou-se como referencial teórico as DCN específicas ao curso de enfermagem, os contextos emergentes das relações multiculturais, e a teoria transcultural de Leininger. Resultados: O Iramuteq revelou três classes, perfil do egresso (35,9%); organização do curso (36,2%); competências e habilidades (27,9%), as quais definem um perfil institucional aberto a mudanças, porém com gestão verticalizada e tecnicista. A análise direta das ementas confirmou insuficiência na abordagem transcultural. Dentre 160 UC verificadas, no ciclo teórico-prático, quarenta e duas (26,2%) apresentavam abordagem incompleta. No estágio supervisionado (nono período), somente quatro UC foram encontradas, e duas (12,5%) faziam menção à diversidade cultural. Conclusões: A análise demonstrou abordagem curricular parcial ou insuficiente acerca dos direitos humanos, das relações étnico-raciais e da cultura afro-brasileira e indígena na atenção primária à saúde. Faz-se necessário ampliar a reflexão acadêmica sobre a diversidade cultural na atenção primária para propor nova revisão do PPC do curso. A análise documental associando a verificação direta à intermediada por software mostra-se mais eficaz para orientar revisões curriculares.

Referências

Andrade, S. R., Piccoli, T., Ruoff, A. B., Ribeiro, J. C. & Sousa, F. M. (2016). Fundamentos normativos para a prática do cuidado realizado pela enfermagem brasileira. Rev. Bras. Enf., 69(6), 1082-1090. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0228

Batista, N. A., & Batista, S. H. (2003). Docência em saúde: temas e experiências. Senac São Paulo.

Brasil. Resolução do Ministério da Saúde n.o 573 (2018). http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/48743098/do1-2018-11-06-resolucao-n-573-de-31-de

Candau, V. M. F. (2002). Sociedade, cotidiano escolar e cultura(s): uma aproximação. Educação & Sociedade, 79(23), 125-161. https://doi.org/10.1590/S0101-73302002000300008

Ceccim, R. B. (2002). Inovação na preparação de profissionais de saúde e a novidade da graduação em saúde coletiva. Bol Saude, 16(1), 9-36.

Conceição, M. C., Riscado, J. L. S. & Vilela, R. Q. B. (2018). Relações étnico-raciais na perspectiva da saúde da população negra no curso de medicina: análise curricular. Rev. Bras. Ens. Sup., 4(3), 34-56. https://doi.org/10.18256/2447-3944.2018.v4i3.2606

Coutinho, E., Amaral, S., Parreira, V., Chaves, C., Amaral, O. & Nelas, P. (2017). O cuidado cultural na trajetória da enfermagem transcultural e competência cultural. Atas CIAIQ2017, 2. https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/article/view/1510/1467

Dalcin, C. B., Serpa, R., Santos, E. K. A., Tourinho, F. S. V. & Rocha, P. K. (2019). Ética no fazer profissional da enfermagem: reflexões à luz do pensamento de Hannah Arendt. Revista Baiana de Enfermagem, 33, 1-9. https://doi.org/10.18471/rbe.v33.29654

Damasceno, R. F., & Silva, P. L. N. (2018). Competência cultural na atenção primária: algumas considerações. Journal of Management & Primary Health Care, 9(19), 1-8. https://doi.org/10.14295/jmphc.v9i0.435

Deardorff, D. K. (2006). Identification and Assessment of Intercultural Competence as a Student Outcome of Internationalization. Journal of Studies in International Education, 10, 241-266. https://doi.org/10.1177/1028315306287002

Delors, J., Al-Mufti, I., Amagi, I., Carneiro, R., Chung, F., Geremek, B., Gorham, W., Kornhauser, A., Manley, M., Quero, M. P., Savané, M. A., Singh, K., Stavenhagen, R., Suhr, M. W. & Nanzhao, Z. (1996). Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO. ASA.

Florêncio, P., Austrilino, L., Medeiros, M. O Processo Ensino Aprendizagem nos cenários de Prática: Concepções dos Docentes do Curso de Graduação em Enfermagem. Atas CIAIQ2016, 2, 1312-1319.

Fontana, R. T. A interculturalidade na formação dos profissionais de Enfermagem. Revista Contexto & Educação, 34(109), 36–51. https://doi.org/10.21527/2179-1309.2019.109.36-51

Gil, A. C. (2007). Como Elaborar Projetos de Pesquisa. Atlas.

Gouveia, E. A. H., & Silva, R. O., Pessoa, B. H. S. (2019). Competência cultural: uma resposta necessária para superar as barreiras de acesso á saúde para populações minorizadas. Rev. bras. educ. med., 43(1), 82-90. https://doi.org/10.1590/1981-5271v43suplemento1-20190066

Gualda, D. M. R., & Hoga, L. A. K. (1992). Estudo sobre teoria transcultural de Leininger. Rev. Esc. Enf. USP, 26(1), 75–86.

Helman, C. G. (1994). Cultura, saúde e doença. Artmed.

Henckemaier, L., Siewert, J. S., Tonnera, L. C. J., Alvarez, A. M., Meirelles, B. G. S. & Nitschke, R. G. (2014). Cuidado transcultural de Leininger na perspectiva dos programas de pós-graduação em enfermagem: revisão integrativa. Ciência & Saúde, 7(2), 85-91. DOI: 10.15448/1983-652X.2014.2.15772

Horvat, L., Horey, D., Romios, P., & Kis-Rigo, J. (2014). Cultural competence education for health professionals. Cochrane Database of Systematic Reviews 2014, 5(5), CD009405. https://doi.org/10.1002/14651858.CD009405.pub2

Jowsey, T. (2019). Three zones of cultural competency: surface competency, bias twilight, and the confronting midnight zone. BMC Medical Education, 19(306), 1-8 https://doi.org/10.1186/s12909-019-1746-0

Kurimoto, T. C. S., & da Costa, A. S. S. M. (2016). A formação de graduação em Enfermagem: o currículo e seus discursos. Professare, 5(1), 79-100.

Lahlou, S. (2001). Text mining methods: an answer to Chartier and Meunier. Papers on Social Representations, 20(38), 1-7.

Leininger, M. (1978). Political nursing: Essential for health service and educational systems of tomorrow. Nursing administration quarterly, 2(3), 1-16. DOI: 10.1097/00006216-197800230-00004

Loudon, R. F., Anderson, P. M., Gill, P. S., & Greenfield, S. M. (1999). Educating medical students for work in culturally diverse societies. JAMA, 282(9), 875–880. https://doi.org/10.1001/jama.282.9.875

Nascimento, R. C. D. (2020). Identidade étnico-racial no Programa Saúde na Escola: Uma revisão sistemática. In E. Poisson. Série Educar: diversidade (pp. 50-57). DOI:10.36229/978-85-7042-228-6.CAP.07

Netto, L., Silva, K. L., & Rua, M. S. (2018). Prática reflexiva e formação profissional: aproximações teóricas no campo da Saúde e da Enfermagem. Escola Anna Nery, 22(1), 1-6. https://doi: 10.1590/2177-9465-ean-2017-0309

Ratinaud, P., Marchand, P., & Lerass, L. (2012). Application de la méthode ALCESTE aux «gros» corpus et stabilité des «mondes lexicaux»: analyse du «CableGate» avec IRaMuTeQ. In 11EME, Journées Internationales d’Analyse Statistique des Données Textuelles (pp. 1-15). JADT.

Ribeiro, A. E. R. A., Beretta, R. C. S., & Mestriner Junior, W. (2020). Promoção da saúde e efetivação da Reforma Sanitária no contexto dos povos originários. Saúde em Debate, 43, 292-304. DOI: 10.1590/0103-11042019S821

Santos, S. S. C., & Hammerschmidt, K. S. A. (2012). A complexidade e a religação de saberes interdisciplinares: contribuição do pensamento de Edgar Morin. Rev. Bras. Enf., 65(4), 561-65.

Secco, A. C., Paraboni, P., & Arpini, D. M. (2017). Os Grupos como dispositivo de cuidado na AB para o trabalho com Diabéticos e Hipertensos. Mudanças - Psicologia da Saúde, 25(1), 9-15. DOI:10.15603/2176-1019/mud.v25n1p9-15

Silva, E. R., Alencar, E. B., Dias, E. A., Rocha, L. C., & Carvalho, S. C. M. (2021). Transculturalidade na enfermagem baseada na teoria de Madeleine Leininger. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 13(2), 5561-5561.

DOI: 10.25248/reas.e5561.2021

Silva, M. J., Sousa, E. M., & Freitas, C. L. (2011). Nursing education: interface between the curriculum guidelines and content of primary health attention. Rev. Bras. Enf., 64(2), 315-21.

Souza, M. A. R. (2018). O uso do software IRAMUTEQ na análise de dados em pesquisas qualitativas. Rev. Esc. Enf. USP, 52, 1-7. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X2017015003353

Universidade Integrada Tiradentes. (2015). Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem. Maceió, AL: UNIT.

Vargas, D., Maciel, M. E. D., Bittencourt, M. N., Lenate, J. S. & Pereira, C. F. (2018). Teaching psychiatric and mental health nursing in Brazil: curricular analysis of the undergraduation course. Texto & Contexto - Enfermagem, 27(2). https://doi.org/10.1590/0104-070720180002610016

Velloso, M. P., Guimarães, M. B. L., Cruz, C. R. R., & Neves, T. C. C. (2016). Interdisciplinaridade e formação na área de saúde coletiva. Trabalho, Educação e Saúde, 14(1), 257-71. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00097

Vilelas, J. M. S., Janeiro, S. I. D. (2012). Transculturalidade: o enfermeiro com competência cultural. Revista Mineira de Enfermagem, 16(1), 120-27.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Francisco José Passos Soares, & Lígia Fernanda Passos Bezerra Santos. (2022). Análise documental da formação em Enfermagem para o cuidado à diversidade cultural na atenção primária. New Trends in Qualitative Research, 13, e649. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e649