Dificuldades dos enfermeiros no transporte inter-hospitalar em ambulâncias de suporte imediato de vida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e651

Palavras-chave:

Transporte inter-hospitalar, Doente crítico, Enfermeiros, Ambulâncias de suporte imediato de vida, Cuidar

Resumo

Introdução: O transporte inter-hospitalar é um dos contextos do cuidar em enfermagem mais desafiante onde dificuldades despontam com frequência, assumindo-se, no entanto, como prioritário para o desenvolvimento profissional. Objetivos: Explorar e descrever a perspetiva dos enfermeiros sobre as dificuldades no transporte inter-hospitalar em ambulâncias de suporte imediato de vida; Métodos: Estudo de natureza qualitativa e de carácter exploratório-descritivo, aplicou-se uma entrevista semiestruturada a oito enfermeiros, que desempenham funções numa ambulância de suporte imediato de vida num hospital da zona norte; Resultados: Os enfermeiros experienciam dificuldades relacionadas com as três fases do transporte inter-hospitalar: i) dificuldades relacionadas com a tomada de decisão do próprio transporte; ii) dificuldades relacionadas com o planeamento do transporte; e iii) dificuldades relacionadas com a efetivação do transporte. Conclusões: Inúmeras dificuldades interligadas com a tomada de decisão, o planeamento e a efetivação do transporte foram destacadas. A necessidade de formação da equipa profissional é condição fundamental para garantir um transporte inter-hospitalar da pessoa em situação crítica seguro e bem-sucedido. A melhoria contínua da qualidade de cuidados só poderá ser possível através de um processo eficiente e minucioso de identificação dos fatores determinantes no transporte. Aprimorar a comunicação, adequar os equipamentos utilizados, identificar e solucionar as intercorrências, minimizando os erros e aumentando a segurança, são formas de melhorar a qualidade do transporte. Promover e atualizar protocolos e recomendações para o transporte inter-hospitalar poderá contribuir para a criação de equipas e ambulâncias específicas para este tipo de transportes.

Referências

Almeida, A., Neves, A., Souza, C., Garcia, J., Lopes, J., & Barros, A. (2012). Transporte intra-hospitalar de pacientes adultos em estado crítico: Complicações relacionadas à equipe, equipamentos e fatores fisiológicos. Acta Paulista de Enfermagem, 25(3), 471-476. https://www.scielo.br/pdf/ape/v25n3/v25n3a24.pdf

Amado, J. (2017). Manual de investigação qualitativa em educação. Imprensa da Universidade de Coimbra.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Edições 70.

Benner, P., Kriakidis, P., & Stannard, D. (2011). Clinical wisdom and interventions in acute and critical care. A thinking-in-action approach (2nd ed.). New York: Springer Publishing Company.

Ferreira, A. (2014). Vivências em situação de emergência à vítima crítica: Um estudo com enfermeiros da ambulância de suporte imediato de vida [Dissertação de Mestrado, Instituto Politécnico de Leiria - Escola Superior de Saúde]. Repositório do Instituto Politécnico de Leiria. https://iconline.ipleiria.pt/handle.net/10400.8/2262

Fortin, M. F., Côté, J., & Filion, F. (2009). Fundamentos e etapas do processo de Investigação. Lusodidacta.

Graça, A., Silva, N., Correia, T., & Martins, M. (2017). Transporte Inter-hospitalar do doente crítico: A realidade de um hospital do nordeste de Portugal. Revista de Enfermagem Referência, 15(Série 4), 133-144.

Guerra, I., (2006). Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: Sentidos e formas de uso. Princípia.

Lei n.º 111/2009, de 16 de setembro. Procede à primeira alteração ao Estatuto da Ordem dos Enfermeiros, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 104/98, de 21 de Abril. Diário da República, 180. Série I.

Lopes, H., & Frias, A. (2014). Eventos adversos no transporte do doente crítico: Percepção dos enfermeiros de um hospital central. Revista Investigação em Enfermagem, 6 (Série 2), 55-58.

Mata, E. (2014). Dificuldades do enfermeiro no transporte secundário do doente crítico [Dissertação de Mestrado, Instituto Politécnico de Leiria - Escola Superior de Saúde]. Repositório do Instituto Politécnico de Leiria. https://iconline.ipleiria.pt/bitstream/10400.8/2264

Martins, R., & Martins, J. (2010). Vivências dos enfermeiros nas transferências inter-hospitalares dos doentes críticos. Revista de Enfermagem Referência, 3 (2), 111-120.

Ordem dos Enfermeiros. (2009). Parecer nº CJ-157/2009: Acompanhamento de doentes nas transferências inter-hospitalares e administração de medicação não prescrita em situação de emergência. https://www.ordemdosenfermeiros.pt/arquivo/documentos/Documents/Parecer157_2009_site.pdf

Portaria n.º 260/2014, de 15 de dezembro. Aprova o regulamento do transporte de doentes. Diário da República, 241. Série I.

Regulamento nº 429/2018, de 18 de Julho. Regulamento das competências específicas do enfermeiro especialista em enfermagem em pessoa em situação crítica. Diário da República, 2.ª série — N.º 135 — 16 de julho de 2018. https://www.ordemdosenfermeiros.pt/media/8420/115698537.pdf

Rodrigues, L., & Martins. J. (2012). Vivências dos enfermeiros ao cuidar do doente crítico durante o transporte marítimo. Pensar Enfermagem, 16(1), 26-41.

Romanzini, Ê., & Bock, L. (2010). Concepções e sentimentos de enfermeiros que atuam no atendimento pré-hospitalar sobre a prática e a formação profissional. Revista Latino Americana de Enfermagem, 18(2), 105-112. https://www.scielo. br/pdf/rlae/v18n2/pt_15.pdf

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, P. B. (2006). Metodologia de pesquisa (3a ed.). McGraw-Hill Interamericana.

Santos B.S.; Bueno C.K.S.; Bizinelli T.S.Q.& Ribeiro E.R. (2019). A segurança no transporte do paciente crítico em ambiente intra-hospitalar: uma revisão integrativa. Rev Espaço para a Saúde, 20(2), 90-101.

Slattery, D., & Silver, A. (2009) The hazards of providing care in emergency vehicles: An opportunity for reform. Pre hospital Emergency Care, 13(3), 388-397.

Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos. (2008). Transporte de doentes críticos: Recomendações 2008. Centro Editor Livreiro da Ordem dos Médicos.

Sousa, B.V.N.; Teles, J.F. & Oliveira, E.F. (2020). Perfil, dificultades y particularidades en el trabajo de los profesionales de atención prehospitalaria móvil: una revisión integradora. Revista Enfermería Actual. 38, 1-16.

Streubert, H. J., & Carpenter, D. R. (2011). Investigação qualitativa em enfermagem: Avançando o imperativo humanista (2a ed.). Lusociência.

Taquette, S. R. (2015). Análise de Dados de Pesquisa Qualitativa em Saúde. Atas - Investigação Qualitativa em Saúde. 2, 524-533. https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2016/article/view/790

Vilela, J. (2016). Investigação: O processo de construção do conhecimento. Edições Sílabo.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Olga Mota, & Maria de Fátima da Silva Vieira Martins. (2022). Dificuldades dos enfermeiros no transporte inter-hospitalar em ambulâncias de suporte imediato de vida. New Trends in Qualitative Research, 13, e651. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e651