Mapeamento dos serviços à mulher em situação de violência sexual: Uma possibilidade para articulação intersetorial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e665

Palavras-chave:

Violência Contra a Mulher, Delitos Sexuais, Colaboração Intersetorial, Mapeamento Geográfico

Resumo

Introdução: O georreferenciamento na área da saúde pública tem auxiliado o planejamento, a gestão e a vigilância, favorecendo na análise situacional social e na condução de estratégias e melhorias no cuidado à saúde. Objetivo: mapear os serviços de atendimento à mulher em situação de violência sexual em um município na região norte do Estado do Rio Grande do Sul, região sul do Brasil. Método: estudo descritivo com mapeamento e georreferenciamento dos serviços de atendimento à mulher em situação de violência sexual. A coleta ocorreu de janeiro a março de 2019, foi realizada a tabulação dos dados, georreferenciamento e a geração dos mapas a partir dos dados obtidos. Para o georreferenciamento e produção dos mapas, utilizou-se o programa Software ArcGIS® 10.1. Resultados: foram identificados os serviços de atendimento à mulheres em situação de violência sexual e gerados cinco mapas: apresentando a localização geográfica do município,  os serviços de referência, as unidades de saúde pública que colaboram nos encaminhamentos de referência e contrarreferência e a distribuição dos locais de dispensação da Profilaxia Pós-Exposição, tornando possível a identificação dos desafios de articulação da rede cuidado e facilitando a criação de estratégias de planejamento e ação para redução destes desafios. Considerações finais: por meio da metodologia de georreferenciamento e produção dos mapas obteve-se a identificação dos espaços existentes no território, podendo projetar possibilidades de fluxo e melhorar a articulação entre os serviços. Ainda, sendo essa uma metodologia contemporânea proporcionou o acolhimento de demandas reais da sociedade, facilitando a dinâmica e a qualidade dos atendimentos prestados à mulheres em situação de violência sexual.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. (2012). Norma técnica: Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes. (3. ed. atual. e ampl., 1). Brasília, p.12. Recuperado de: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/prevencao_agravo_violencia_sexual_mulheres_3ed.pdf

Costa, M. C., Silva, E. B., Arboit, J., Honnef, F., Marques, K.A., Barbieri, J. & Silva, D. M. (2019). Domestic violence against women in rural context: recognition of care strategies. Rev Bras Promoç Saúde, 32(9271), 1-10. doi: 10.5020/18061230.2019.9271

Costa, M. C., Silva, E. B., Soares, J. S. F., Borth, L. C. & Honnef, F. (2017). Rural women and violence situation: access and accessibility limits to the healthcare network. Rev Gaúcha Enferm, 38(2), e59553. doi: 10.1590/1983-1447.2017.02.59553

Dallagassa, M. R., Lachecen, F., Carvalho, D. R. & Loshii, S. O. (2019). Design of a geospatial model applied to health management. Rev bras. enferm., 72(2),420-6. doi: 10.1590/0034-7167-2018-0589

Delziovo, C. R., Coelho, E. B. S., D’Orsi, E. & Lindner, S. R. (2018). Sexual violence against women and care in the health sector in Santa Catarina - Brazil. Ciên. Saúde Colet. 23(5), 1687-96. doi: 10.1590/1413-81232018235.20112016

Florianópolis. (2016). Protocolo de Atenção Integral às Pessoas em Situação de Violência Sexual. (3. ed.) Florianópolis. Recuperado de: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/23_11_2016_13.37.46.7269a6ba1a24ac3c38cf11b11a9cceb7.pdf

Gmelin, T., Raible, C. A., Dick, R., Kukke, S. & Miller, E. (2017). Integrating Reproductive Health Services Into Intimate Partner and Sexual Violence Victim Service Programs. Violence against women, 24(13), 1557-69. doi: 10.1177/1077801217741992

Ibiapina, E. & Bernardes, A. (2019). O mapa da saúde e o regime de visibilidade contemporâneo. Saúde Soc., 2(81), 322-336. doi:10.1590/S0104-12902019170982

Junqueira, L. A. P. (1997). Novas formas de gestão na saúde: descentralização e intersetorialidade. Saúde Soc., 6(2), 31-46. doi:10.1590/S0104-12901997000200005

Prefeitura De Passo Fundo. (2019a). Turismo. Passo Fundo. Recuperado de: http://www.pmpf.rs.gov.br/secretaria.php?c=1069

Prefeitura De Passo Fundo. (2019b). Saúde. Passo Fundo. Recuperado de: http://www.pmpf.rs.gov.br/secretaria.php?c=328

Ramasco-Gutiérrez, M., Heras-Mosteiro, J., Garabato-Gonzáles, S., Aránguez-Ruiz, E. & Martín-Gil, R. A. (2017). Implementación del mapa de la vulnerabilidad en salud en la Comunidad de Madrid. Gac Sanit., 31(5), 432-35. doi: 10.1016/j.gaceta.2016.07.026

Rio Grande Do Sul. Secretaria de Estado da Saúde. (2019). Guia de atendimento em saúde às pessoas em situação de violência sexual. Porto Alegre: SES, 20p. Recuperado de: https://atencaobasica.saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201903/27140603-guia-2019-ses-rs.pdf

Ross, J. R., Pedrosa, A. O. & Portela, N. L. C. (2017). Georreferenciamento do câncer do colo do útero na atenção primária. Rev Rene [Internet], 18(6), 803-09. Recuperado de: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/31096

Secretaria De Estado Da Saúde Do Rio Grande Do Sul (SES/RS). (2019). Rede de atendimento IST/HIV/aids. Porto Alegre. Recuperado de: http://www.saude.rs.gov.br/rede-de-atendimento-ist-hiv-aids

Secretaria De Estado Da Saúde Do Rio Grande Do Sul (SES/RS). (2016). Plano Estadual de Saúde: 2016/2019. Grupo de Trabalho de Planejamento, Monitoramento e Avaliação da Gestão (Org.) Porto Alegre, 228 p. Recuperado de: https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201701/05153251-pes-2016-2019-sesrs.pdf

Sehnem, G. D., Lopes, E. B., Tier, C. G., Ribeiro, A. C., Maciel, V. Q. S. & Castilhos, L. (2019). Violence against women: nurse practice in primary health care. Rev. enferm. UFSM. 9(e62), 1-19. doi:10.5902/2179769235061

Trentin, D., Vargas, M. A. O., Lino, M. M., Leal, S. M. C., Ferreira, M. L. & Saioron, I. (2019). Atendimento a mulheres em situação de violência sexual: revisão integrativa da literatura. Esc Anna Nery, 23(4), e20180324. doi: 10.1590/2177-9465-EAN-2018-0324

Warschauer, A. & Carvalho, Y. M. (2014). The concept of “intersectoriality” contributions to the debate from the leisure and healt program of the prefecture of Santo André/SP. Saúde Soc., 23(1), 191-203. doi: 10.1590/S0104-12902014000100015

World Health Organization (WHO). (2019). Violence against women Intimate partner and sexual violence against women - Evidence brief [Internet]. World Health Organization. Recuperado de: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/329889/WHO-RHR-19.16-eng.pdf?ua=1

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Daiane Trentin, Mara Ambrosina de Oliveira Vargas, & Francielly Zilli. (2022). Mapeamento dos serviços à mulher em situação de violência sexual: Uma possibilidade para articulação intersetorial. New Trends in Qualitative Research, 13, e665. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e665