Circunstâncias geradoras de medo em profissionais de enfermagem do Brasil no contexto da pandemia da Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e667

Palavras-chave:

Pandemias, Infecções por Coronavírus, Enfermagem, Saúde Mental, Pesquisa Qualitativa

Resumo

O contexto da COVID-19 possibilitou aos profissionais da categoria enfermagem, estarem em estado de alerta e abalo emocional, e se viram receosos em realizar procedimentos em pacientes suspeitos ou confirmados de COVID-19. Objetivo: Apreender as circunstâncias geradoras de medo vivenciadas pelos profissionais de enfermagem no contexto da pandemia da COVID-19. Método: Estudo qualitativo, exploratório, desenvolvido nas cinco regiões geográficas do Brasil, por meio de entrevistas em ambiente virtual com 215 profissionais, entre abril e dezembro de 2020. Os dados foram processados pelo software IRaMuTeQ® e analisados à luz do referencial teórico-filosófico da Sociologia Fenomenológica. Resultados: Maioria do sexo feminino, média de 37,9 anos, casada, branca e parda, técnicas de enfermagem (15,5%) e enfermeiras (84,5%), trabalhando em instituições públicas. O corpus textual foi dividido pelo software em 3 classes e subclasses: medo das circunstâncias da vida pessoal e familiar, relacionado ao risco de autocontaminação, transmissão, perda de familiares, colegas de trabalho e da própria vida; medo da exposição e do distanciamento social diante da sensação de solidão advinda do distanciamento social, apesar de compreenderem que solidão implica na ausência de conexões emocionais com as pessoas ao redor, e não associada ao distanciamento físico; medo das condições subjetivas e objetivas de trabalho, relacionado à insegurança diante das condições precárias de trabalho, como infraestrutura física, insumos para biossegurança, recursos humanos, despreparo técnico, falta de treinamento e capacitações para assumir unidades de alta complexidade no cuidado, como as necessidades de adquirir e aprimorar conhecimentos técnico-científicos. Conclusão: As circunstâncias geradoras de medo são múltiplas e se processam nas dimensões físicas, sociais, psicológicas e laborais, e demarca a falta de conhecimentos sobre a doença. As interpretações do mundo cotidiano se baseiam num estoque de experiências anteriores e transmitidas pelos nossos predecessores, se não as tiveram (não viveram uma pandemia) dificilmente conseguem lidar com a problemática atual.

Referências

Almeida, T. (2020). Solidão, solitude e a pandemia da COVID-19. Pensando famílias, 24(2), 3-14. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2020000200002&lng=pt&tlng=pt.

Araújo, C.A., Fernandes, M., Aliaga Pérez, L., & Pillon, S. (2021). Miedo experimentado por profesionales de salud en la pandemia por COVID-19 e implicaciones para la salud mental. Revista Cubana de Enfermería, 37(1). http://www.revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/article/view/3971/725

Brasil (2020). Lei n. 13.979, de 6 de fevereiro de 2020. Dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Brasil (2021). Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Carta circular n.1/2021 - Orientações para procedimentos em pesquisas com qualquer etapa em ambiente virtual. Available from:http://conselho.saude.gov.br/images/comissoes/conep/documentos/CARTAS/Carta_Circular_01.2021.pdf

Canabarro, I.S., Schonardie, E.F. & Strücker, B. (2022). A ressignificação do lugar e do não-lugar: considerações sobre as dimensões das ocupações dos lugares em um período de pandemia no Brasil. Revista de Direito da Cidade, 14(1), 1-26. https://doi.org/10.12957/rdc.2022.54911.

Cardoso M.F.P.T., Martins M.M.F.P.S., Trindade L.L., Ribeiro O.M.P.L. & Fonseca E.F. (2021). The COV ID-19 pandemic and nurses’ attitudes toward death. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 29: e3448. http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.4769.3448

Cezar, L. S., & Maciel, A. J. N. (2021). Infodemia no contexto da pandemia de COVID-19 no Brasil: uma política de contaminação? Liinc Em Revista, 17(1), e5703. http://revista.ibict.br/liinc/article/view/5703

Conselho Federal de Enfermagem (2022). Observatório de Enfermagem. Profissionais infectados com COVID-19 informado pelos enfermeiros responsáveis técnicos/coordenadores. http://observatoriodaenfermagem.cofen.gov.br/

Chidiebere, O.E., Tibaldi, L. & La Torre, G. (2020). The impact of COVID-19 pandemic on mental health of nurses. Clín Ter, 171(5):e399-e400. https://dx.doi.org/10.7417/CT.2020.2247

Cho, M., Kim, O., Pang, Y., Kim, B., Jeong, H., Lee, J., Jung, H., Jeong, S.Y., Park, H.Y., Choi, H. & Dan H. (2021). Factors affecting frontline Korean nurses' mental health during the COVID-19 pandemic. Int Nurs Rev, 68(2), 256-265. https://dx.doi.org/10.1111/inr.12679.

Crusoé, N. C. & Santos, E. M. (2020). Fenomenologia Sociológica de Alfred Schutz: contribuições para a investigação qualitativa em prática educativa. Revista Tempos e Espaços em Educação, 13(32), 1-16. https://doi.org/10.20952/revtee.v13i32.13274

Dahiya A. (2020). The Phenomenology of Contagion. J Bioeth Inq, 17(4), 519-523. https://doi.org/10.1007/s11673-020-09997-4.

Dal'Bosco E.B., Floriano L.S.M., Skupien S.V., Arcaro G., Martins A.R. & Anselmo A.C.C. (2020). Saúde mental da enfermagem no enfrentamento do Covid-19 em um hospital universitário regional. Revista Brasileira de Enfermagem, 73(2) e20200434. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0434

Fernandes I.M.R. (2011). Os medos dos enfermeiros em situação de doença própria. Revista de Enfermagem Referência, (3) http://www.index-f.com/referencia/2011pdf/33-057.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2022). Projeções e estimativas da população do Brasil e das Unidades da Federação. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/index.html

Kami, M.T.M., Larocca, L.M., Chaves, M.N.N., Lowen, I.M.V., Souza, V.M.P. & Goto, D.Y.N. (2016). Working in the street clinic: use of IRAMUTEQ software on the support of qualitative research. Esc Anna Nery Rev Enferm, 20(3), e20160069. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160069

Nasi, C., Marcheti, P.M., Oliveira, E., Rézio, L.A., Zerbetto, S.R., Queiroz, A.M., Sousa, A.R., Tisott, Z.L, Moreira, W.C. & Nóbrega, M.P.S.S (2021). Meanings of nursing professionals' experiences in the context of thef pandemic of COVID-19. Revista Rene. 22: e67933. https://doi.org/10.15253/2175-6783.20212267933

Ornell, F., Schuch, J. B., Félix, A.O.S., Kessler, H.P. (2020). Pandemia de medo e Covid-19: impacto na saúde mental e possíveis estratégias. Revista debates in psychiatry, 2-7.

Rodriguez, S.J.A. (2018). Phenomenology as a healthcare research method. Evid Based Nurs, 21(4), 96-98. https://dx.doi.org/10.1136/eb-2018-102990

Silva, J.T.A. (2018). O medo e suas origens: um estudo fenomenológico com jovens executivos. Escola de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getúlio Vargas.

Souza, M.A.R., Wall, M.L., Thuler, A.C.M.C., Lowen, I.M.V. & Peres, A.M. (2018). The use of IRAMUTEQ software for data analysis in qualitative research. Revista da escola de enfermagem. USP, (52), e03353. https://doi.org/10.1590/S1980-220X2017015003353

Schutz A. (2018). Construção significativa do mundo social. Uma introdução à sociologia compreensiva. Vozes.

Tong, A., Sainsbury, P. & Craig, J. (2007). Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care, 19(6):349–57.

WHO (2020). State of the world's nursing 2020: investing in education, jobs and leadership. World Health Organization, 144. https://www.who.int/publications/i/item/9789240003279

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Maria do Perpétuo do Socorro Sousa Nóbrega, Priscila Maria Marcheti, Cíntia Nasi, Elda de Oliveira, Wanderson Carneiro Moreira, Dárcio Tadeu Mendes, & Sonia Regina Zerbetto. (2022). Circunstâncias geradoras de medo em profissionais de enfermagem do Brasil no contexto da pandemia da Covid-19 . New Trends in Qualitative Research, 13, e667. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e667