Narrativas de adoecimento crônico: Histórias de vida e trabalho das mulheres com câncer do colo do útero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e673

Palavras-chave:

Doença crônica, Câncer do colo do útero, Trabalho, Mulheres trabalhadoras, Narrativa

Resumo

Introdução: O câncer do colo do útero faz parte do grupo de doenças crônicas não transmissíveis, que se caracterizam pela longa duração e a necessidade de tratamento contínuo. Por se tratar de doença que mantém a pessoa em seu quadro de vida habitual, ela ocupa o centro de todas as relações sociais e suas repercussões se fazem sentir em todos os aspectos da vida. Esse tipo de câncer atinge principalmente mulheres de nível socioeconômico baixo e em fase produtiva de suas vidas. Nesse sentido, o trabalho, seja ele profissional ou doméstico, entendido como parte constitutiva da identidade social da mulher, sofre profundas transformações devido ao adoecimento. Objetivo: Compreender a relação saúde-doença-trabalho das mulheres com câncer do colo do útero, a partir do enfoque narrativo. Métodos: A pesquisa constitui-se em um estudo de natureza qualitativa, voltada para uma melhor compreensão dos sentidos atribuídos pelos sujeitos envolvidos, as mulheres com câncer do colo do útero atendidas em unidade hospitalar pública especializada no atendimento ao câncer do colo do útero, a respeito das repercussões do adoecimento crônico em suas vidas, com ênfase no mundo do trabalho. O principal instrumento de coleta de dados usado na pesquisa será o roteiro de entrevista com questões abertas. As entrevistas terão enfoque narrativo e para tratar o material produzido será utilizada a análise narrativa. Resultados: A coleta de dados está em andamento, após a aprovação pelos comitês de ética envolvidos. Conclusões: Esta pesquisa poderá proporcionar maior visibilidade desta temática para a sociedade, reforçando e reconhecendo a importância de pensar a respeito da garantia dos direitos relacionados ao trabalho para mulheres acometidas por doenças crônicas.

Referências

Adam P. & Herzlich C. (2000). Sociologia da doença e da medicina. Editora da Universidade do Sagrado Coração.

Araújo, C. M. de O. (2018). Evolução das percepções de gênero, trabalho e família no Brasil: 2003- 2016. In C. Araújo; F. Picanço; I. Cano & A. Veiga. (Orgs.), Gênero, família, e trabalho no Brasil do século XXI: mudanças e permanências (pp. 95–117). Gramma.

Bauer, M. W. & Javchelovitch, S. (2008). Entrevista Narrativa. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (7a ed., pp. 90–113). Vozes.

Bell, S. E. (1999). Narratives and Lives: Women’s Health Politics and the Diagnosis of Cancer For Des Daughters. Narrative Inquiry, 9(2), 347–389.

Biroli, F. (2018). Gênero e desigualdades: limites da democracia no Brasil (1ª ed.). Boitempo.

Bury, M. (1982). Chronic illness as biographical disruption. Sociology of Health and Illness, 4(2), 167–182.

Caçador, T. G. V. & Gomes, R. (2020). A narrativa como estratégia na compreensão da experiência do adoecimento crônico: uma revisão de literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 25(8), 3261–3272.

Collins, P. H. & Bilge, S. (2021). Interseccionalidade (1ª ed.). Boitempo.

Gomes, R. & Mendonça, E. A. (2002). A representação e a experiência da doença: princípios para a pesquisa qualitativa em saúde. In M. C. de S. Minayo & S. F. Deslandes (Orgs.), Caminhos do pensamento: epistemologia e método (109–132). Editora Fiocruz.

Hirata, H. (2016). O trabalho de cuidado. Revista Internacional de Direitos Humanos, 13(24), 53–64.

Hollanda, H. B. de (Org.) (2019). Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto (1ª ed.). Bazar do Tempo.

Minayo, M. C. de S. & Sanches, O. (1993). Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, 9 (3), 237–248.

Ministério da Saúde (2011). Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil: 2011-2022.

Montagner, M. I. & Montagner, M. Â. (2011). Ruptura biográfica, trajetórias e habitus: a miséria do mundo é um câncer. Revista Tempus Actas de Saúde Coletiva, 5(2), 193–216.

Riessman, C. K. (2005). Narrative Analysis. In N. Kelly, C. Horrocks, K. Milnes, B. Roberts, & D. Robinson (Eds.), Narrative, memory & everyday life (pp 1-7). University of Huddersfield.

World Health Organization (2003). Innovative care for chronic conditions: building blocks for action: global report. Geneva.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Isabel Marco Huesca, & Élida Azevedo Hennington. (2022). Narrativas de adoecimento crônico: Histórias de vida e trabalho das mulheres com câncer do colo do útero . New Trends in Qualitative Research, 13, e673. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e673