Quando o cancro da mama se cruza com a gravidez: Vivências de um grupo de Grávidas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e679

Palavras-chave:

Vivência, Gravidez, Cancro da mama

Resumo

O cancro da mama é um dos desafios de saúde pública, sendo a neoplasia mais frequente na gravidez. Apesar da baixa incidência, o cancro da mama associado à gravidez tem vindo a aumentar pela tendência de se protelar a maternidade. Importa compreender as vivências das grávidas com cancro da mama de modo a contribuir para a melhoria da prestação de cuidados de saúde. Objetivos: Compreender as vivências experienciadas pelas mulheres grávidas com cancro da mama.  Método: Realizou-se um estudo descritivo de abordagem qualitativa para dar resposta à questão: “Como é que a mulher com cancro da mama vivencia a gravidez?”. Privilegiou-se a entrevista semidiretiva, com gravação áudio, como instrumento de colheita de dados, a sete grávidas assistidas numa instituição oncológica de referência da região de Lisboa, entre novembro de 2020 e agosto de 2021, após autorização da Comissão de Ética. Os dados foram analisados segundo Bardin com apoio do software WebQda®. Resultados: Cada participante tinha uma perspetiva única da sua experiência. Todavia, emergiram quatro categorias: Vivências no Momento do Diagnóstico; Vivências Durante a Gravidez; Rede de Suporte e; Estratégias de Superação.  Ressalta a dificuldade na tomada de decisão devido à ambivalência de sentimentos: a felicidade pela gravidez e o medo pelo cancro. Conclusões: É imperativo compreender as vivências experienciadas pelas grávidas com cancro da mama, contribuindo para a capacitação dos profissionais no seu cuidar, respondendo às suas necessidades e, consequentemente proporcionando uma experiência mais positiva. É fundamental o trabalho em equipa multidisciplinar e, o investimento na formação e no desenvolvimento de mais investigação.

Referências

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. (5º ed.). Lisboa: Edições 70.

Case, A. S. (2016). Pregnancy-associated breast cancer. Clinical obstetrics and gynecology. Vol. 59 (nº4), pp. 779-788.

Direção Geral da Saúde (2015). Consentimento informado, esclarecido e livre dado por escrito. Norma nº 015/2013 de 03/10/2013 atualizada a 04/11/2015. Acedido 23-10-2021. Disponível em: https://www.dgs.pt/paginas- de-sistema/saude-de-a-a-z/consentimento-informado-esclarecido-e-livre-dado-por-escrito.aspx

Durrani, S., Akbar, S. & Heena, H. (2018). Breast cancer during pregnancy. Cureus, 10(7). DOI: 10.7759/cureus.2941

Faguy, K. (2015). Breast disorders in pregnant and lactating women. Radiologic Technology, 412-442

Fontanella, B.J.B. (2021). Participantes em investigação qualitativa. In Gonçalves, S.P., Gonçalves, J.P., & Marques, C.G., Manual de Investigação Qualitativa (pp.25-40). Lisboa: Lidel.

Fortin, M. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures: Lusodidacta.

Guedes, H. & Dias, M. F. (2017). Gravidez após o cancro da mama: Estado da Arte. Acta Médica Portuguesa, (p.818- 823). DOI: https://doi.org/10.20344/amp.8885

International Agency for Results on Cancer (2021). Cancer tomorrow. Acedido em 27/01/2021. Disponível em: http://gco.iarc.fr/tomorrow/graphicisotype?type=0&population=900&mode=popultion&sex=2&cancer=3 9&agegroup=value&apc_male=0&apc_female=0

Ives, A., Musiello T. & Saunders, C. (2011). The experience of pregnancy and early motherhood in women diagnosed with gestational breast cancer. Psycho-Oncology, 21, 754-761. DOI: 10.1002/pon.1970

Magalhães, J. & Paul, V. (2021). Entrevista. In Gonçalves, S.P., Gonçalves, J.P., & Marques, C.G., Manual de Investigação Qualitativa (pp.63-85). Lisboa: Lidel

Marques, C. (2017). Patologia cirúrgica na gravidez: cancro e gravidez. In L. M. Graça, Medicina Materno Fetal (pp. 528-540). Lisboa: Lidel.

Martinez, M. T., Bermejo, B., Hernando, C., Gambardella, V., Cejalvo, J. M. & Lluch, A. (2018). Breast cancer in pregnant patients: a review of the literature. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ejogrb.2018.04.029

Minayo, M. C. S. & Costa, A. P. (2018). Fundamentos Teóricos das Técnicas de Investigação Qualitativa. Revista Lusófona de Educação. 40, 139-153.

Minayo MCS, Costa AP. (2019).Técnicas que fazem uso da Palavra, do Olhar e da Empatia: pesquisa qualitativa em ação. Aveiro: Ludomedia.

Oliveira, E.S.F., Barros, N.F. & Silva, R.M. (2016). Investigação Qualitativa em Saúde: conhecimento e aplicabilidade. Aveiro: Ludomedia.

Peixoto, N.M.S.M. & Peixoto, T.A.S.M. (2016). Prática reflexiva em estudantes de enfermagem em ensino clínico. Revista de Enfermagem Referência, 4 (11), 121-132. DOI: http://dx.doi.org/10.12707/RIV16030

Presado, M. H., Baixinho, C. L., & Oliveira, E. S. F. D. (2021). Qualitative research in pandemic times. Revista Brasileira de Enfermagem, 74(1), e74Suppl101. https://doi.org/10.1590/0034-7167.202174Suppl101

Rees, A.Y.S. (2016). The Experiences and Perceptions of Women Diagnosed with Breast Cancer during Pregnancy. Asia Pac J Oncol Nurs, 3, 252 - 258. DOI: 10.4103/2347-5625.189814

Rocha, F.M.D.C. (2020). Cancro da mama e Amamentação: o cuidar do Enfermeiro Obstetra (Relatório de Estágio). Disponível em: https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/37413/1/Frederico%20Miguel%20Dinis%20Camilo%20da%2 0Rocha%20-%2026.02.2021.pdf

Vilelas, J. (2020). Investigação: O processo de construção do conhecimento. (3ª ed.). Lisboa: Edições Sílabo.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Patrícia Simões, & Maria Helena Presado. (2022). Quando o cancro da mama se cruza com a gravidez: Vivências de um grupo de Grávidas . New Trends in Qualitative Research, 13, e679. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e679