Os Processos Subjetivos de um Psicoterapeuta na Psicoterapia Online: Desafios e Possibilidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e683

Palavras-chave:

Psicoterapia online, Dispositivos tecnológicos, Teoria da subjetividade, Sentidos subjetivos

Resumo

Introdução: O trabalho discute a prática da psicoterapia na modalidade online, por meio do uso de dispositivos tecnológicos. Conhecida como psicoterapia online, a possibilidade de psicólogos e psicólogas realizarem atendimentos por meio de celulares e computadores mediados pela Internet é uma alternativa de trabalho existente há muitos anos, acompanhando os avanços acelerados da tecnologia no mundo inteiro. Com o surgimento da pandemia da COVID-19, e levando em consideração as orientações recomendadas pela OMS, a psicoterapia online emergiu como uma alternativa de trabalho para psicólogos e psicoterapeutas, possibilitando aos profissionais adaptarem os seus atendimentos para dar continuidade ao objetivo de mobilizar sentidos subjetivos. Objetivos: Baseando-se na Teoria da Subjetividade, proposta por González Rey, a pesquisa teve por objetivo de investigar o uso de dispositivos tecnológicos para realizar sessões de psicoterapia online e as implicações desta modalidade para futuras práticas de psicólogos e psicoterapeutas. Métodos: Com base nos fundamentos da Epistemologia Qualitativa, utilizando o método construtivo-interpretativo, foram realizados encontros virtuais por meio do Google Meet. Os encontros foram gravados e transcritos para a coleta de informação e construção de hipóteses e para desenvolver reflexões sobre as dificuldades em mudar os hábitos e formas de trabalho, a necessidade de superar os desafios impostos por essas mudanças e o fortalecimento do compromisso do profissional com sua profissão e seus pacientes. Resultados: A pesquisa mostrou que a psicoterapia online é uma maneira eficiente de ajudar a melhorar a saúde mental dos pacientes, mas encontra ainda desafios, tais como: adaptação das formas de trabalho, superação de preconceitos e adesão ao ambiente virtual. Considerações Finais: A psicoterapia online, com suas vantagens e desvantagens levantadas neste trabalho, ainda é um processo que está sendo subjetivado, ganhando maior relevância na atualidade devido às restrições da pandemia. A modalidade precisa ser repensada e refletida para outras situações atípicas.

Referências

Assi, G., & Thieme, A. L. (2019). Desafios na psicoterapia online: reflexões a partir de caso de uma paciente com ansiedade. Revista Perspectivas, 10(2), 267-279.

Bittencourt, H. B., Rodrigues, C. C., dos Santos, G. L., da Silva, J. B., de Quadros, L. G., Mallmann, L. S., & Fedrizzi, R. I. (2020). Psicoterapia on-line: uma revisão de literatura. Diaphora, 9(1), 41-46.

Ceroni, M. L. V. (2017). Atendimento psicoterápico online e seus desdobramentos na relação mente e corpo. Revista Latino-americana de Psicologia Corporal, 6(1), 99-110.

González Rey, F. (1997). Epistemología Cualitativa y Subjetividad. Psicologia e Sociedade, 9(1/2), 65-90.

González Rey, F. (2005). Pesquisa Qualitativa e Subjetividade: Os processos de construção da informação. São Paulo: Cengage.

González Rey, F. (2007). Psicoterapia, subjetividade e Pós-modernidade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo: Cengage Learning.

González Rey, F. (2011). Subjetividade e Saúde: Superando a clínica da patologia. São Paulo: Cortez.

González Rey, F., Goulart, D. M., & Bezerra, M. S. (2016). Ação profissional e subjetividade: para além do conceito de intervenção profissional na psicologia. Educação, 39(esp), 54-65. Retirado de: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/24379

Holanda, A. (2012). Reflexões sobre o campo das psicoterapias: do esquecimento aos desafios contemporâneos. In Holanda, A. (org). O campo das psicoterapias: reflexões atuais. (pp. 71-100). Curitiba: Juruá.

Mitjáns Martínez, A. & González Rey, F. L. (2017). Subjetividade: teoria, epistemologia e método. Campinas: Alínea.

Mori, V. D. (2019). A psicoterapia na perspectiva da Teoria da Subjetividade: a prática e a pesquisa como processos que se constituem mutuamente. In Mitjáns Martínez, A., González Rey, F. L., & Valdés Puentes, R. (org.). Epistemologia Qualitativa e Teoria da Subjetividade: Discussões sobre Educação e Saúde. (pp. 183-201) Uberlândia: EDUFU.

Mori, V. D., & Goulart, D. M. (2019). Subject and Subjectivity in Psychotherapy: A Case Study. In F. González Rey, A. Mitjáns Martínez, & D. M. Goulart. Subjectivity within Cultural-Historical Approach: Theory, Methodology and Research. (pp. 231-244). Springer: Singapore.

Munhoz, J. L., Alves, A. D., & Costa, C. A. (2019). Atendimento psicológico online: um novo conceito em psicoterapia. In XVII Jornada Científica dos Campos Gerais, Ponta Grossa, Paraná. Anais da Jornada Científica dos Campos Gerais. Ponta Grossa: ONLINE.

Neubern, M.S. (2014). Subjetividade & Complexidade na Clínica Psicológica: Superando Dicotomias. Fractal, Rev. Psicol., 26(3), 835-852.

Rodrigues, C. G., & Tavares, M. A. (2017). Psicoterapia online: demanda crescente e sugestões para regulamentação. Psicologia Em Estudo, 21(4), 735-744.

Siegmund, G., Janzen, M. R., Barbosa Gomes, W., & Gauer, G. (2015). Aspectos éticos das intervenções psicológicas on-line no Brasil: Situação atual e desafios. Psicologia em Estudo, 20(3), 437-447.

Stoll, J., Müller J.A., & Trachsel, M. (2020). Ethical Issues in Online Psychotherapy: A Narrative Review. Frontiers in Psychiatry, 10(993), 1-16.

Ulkovski, E.P., Silva, L.P., & Ribeiro, A. (2017). Atendimento psicológico online: perspectivas e desafios atuais da psicoterapia. Revista de Iniciação Científica da Universidade Vale do Rio Verde, 7(1), 59-68.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Daniel Silva, & Valéria Mori. (2022). Os Processos Subjetivos de um Psicoterapeuta na Psicoterapia Online: Desafios e Possibilidades . New Trends in Qualitative Research, 13, e683. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e683