Interprofissionalidade e trabalho em equipe: Uma (re)construção necessária durante o processo de formação em saúde

Autores

  • Thania Maria Diniz Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública Universidade Federal de Goiás, Brasil https://orcid.org/0000-0001-7014-7719
  • Regiane Cardoso de Paula Programa de Pós-Graduação em Ciências Coordenadoria de Controle de Doenças Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Brasil https://orcid.org/0000-0002-4797-246X
  • Edlaine Faria de Moura Villela Programa de Pós-Graduação em Ciências Coordenadoria de Controle de Doenças Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, Brasil Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública Universidade Federal de Goiás, Brasil https://orcid.org/0000-0002-7043-2007

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e688

Palavras-chave:

Educação interprofissional, Equipe de trabalho, Pesquisa qualitativa, Formação profissional em saúde

Resumo

Introdução: No Brasil, há um esforço para incorporar a educação interprofissional (EIP) nas políticas indutoras de reorientação profissional em saúde. Nesse contexto, destaca-se o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde - Interprofissionalidade (PET-I), que aplica as bases teóricas e metodológicas da EIP para promover mudanças curriculares para os cursos de graduação na área da saúde, além de iniciativas de educação permanente. Objetivos: Descrever as experiências e conhecimentos construídos coletivamente na implementação do PET-I em uma universidade pública do centro-oeste brasileiro. Métodos:  Estudo exploratório realizado por meio de análise documental de portfolios e da condução de dois grupos focais com participantes do PET-I (antes e após intervenções propostas pelo PET-I). Para análise, adotou-se a análise de conteúdo. Resultados: Da análise das respostas dos Grupo Focais e dos portfólios, emergiram três categorias. Esse estudo optou por focar na categoria:  Interprofissionalidade e trabalho em equipe. No primeiro grupo focal, foi possível identificar falas que evidenciavam a competição no dia a dia das equipes nos serviços de saúde. Após a vivência no PET-I, durante a condução do segundo grupo focal, percebeu-se um amadurecimento sobre o entendimento da EIP, diante da melhoria de suas habilidades com o trabalho interprofissional e pelo debate sobre a realidade da formação em saúde no país. Conclusões: As atividades propostas pelo PET-I buscaram desenvolver competências colaborativas ao dar mais autonomia aos participantes, incentivando o protagonismo para maior colaboração interprofissional nas atividades desempenhadas. Para tanto, foi necessário que os integrantes se conhecessem e confiassem uns nos outros e se comunicassem de modo a desenvolver um trabalho coletivo, e a adoção dos grupos focais como método foi essencial para garantir a interação entre os participantes. Essa vivência foi o grande disparador da aprendizagem e reflexão sobre a integralidade do cuidado e o trabalho em equipe.

Referências

Allvin, R., Thompson, C. & Edelbring, S. (2020). Assessment of interprofessional competence in undergraduate health professions education: protocol for a systematic review of self-report instruments. Syst Rev., 9 (1), 142. https://doi.org/10.1186/s13643-020-01394-7

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. (3ª ed). Edições 70.

Barr, H. & Low, H. (2013). Introdução à Educação Interprofissional. Fareham: CAIPE.

Brasil. (2018a). Edital nº 10, 23 de julho2018 seleção para o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde PET-Saúde/ Interprofissionalidade - 2018/2019 do Ministério da saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. (Diário Oficial União. Brasília, DF, 24 Jul. https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/33889041/do3-2018-07-24-edital-n-10-23-de-julho-2018-selecao-para-o-programa-de-educacao-pelo-trabalho-para-a-saude-pet-saude-interprofissionalidade-2018-2019-33889037

Brasil. (2018b). Resultado oficial do Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. PET-Saúde divulga resultado final dos projetos selecionados. http://portalms.saude.gov.br/noticias/ sgtes/44588--pet-saude-divulga-resultado-final-dos-projetos--selecionados.

Costa, M.V. (2019). A educação interprofissional e o processo de formação em saúde no Brasil: pensando possibilidades para o futuro. In: Souza, R.M.P. (Org.) Nova formação em saúde pública: aprendizado coletivo e lições compartilhadas na RedEscola. Fiocruz, (2), 260-262.

Costa, M.V. (2016). A educação interprofissional no contexto brasileiro: algumas reflexões. Interface, 20 (56), 197-198. https://doi.org/10.1590/1807-57622015.0311

Costa, M.V. (2014). A Educação Interprofissional como abordagem para a Reorientação da Formação Profissional em Saúde. [Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte]. Repositório UFRN. https://repositorio.ufrn.br/handle/123456789/19808?mode=full

Costa, M.V. et al. (2015). Pró-Saúde e PET-Saúde como espaços de educação interprofissional. Interface, 19, 379-380. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0994

Cotta, R.M.M. & Costa, G.D. (2016). Instrumento de avaliação e autoavaliação do portfólio reflexivo: uma construção teórico-conceitual. Interface, 20(56), 171-83. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.1303

Creswell, J. W. (2012). Educational research: Planning, conducting, and evaluating quantitative and qualitative research (4th ed.). Boston, MA: Pearson.

D’Amour, D et al. (2005). The conceptual basis for interprofessional collaboration: core concepts and theoretical frameworks. J Interprof Care, v. 19(supl), 116–131. https://doi.org/10.1080/13561820500082529

De Cesaro, B.C. & Santos H. B. (2020). Formação e prática interprofissional para a implementação da política estadual de atenção integral à saúde do homem no estado do Rio Grande do Sul. In: Ferla, A.A. et al. Aprender com a prática e atuar em coletivos: interseções ensino e trabalho no escopo da saúde. Rede UNIDA, v. 13, cap. 08, p. 89-98. https://editora.redeunida.org.br/project/aprender-com-a-pratica-e-atuar-em-coletivos-intersecoes-ensino-e-trabalho-no-escopo-da-saude/

De Cesaro, B.C. & Silva, H.T.H. (2020). Da temática da violência interpessoal à formação interdisciplinar. In: Ferla, A.A. et al. Aprender com a prática e atuar em coletivos: interseções ensino e trabalho no escopo da saúde. Rede UNIDA, v. 13, cap. 03, p. 23-31. https://editora.redeunida.org.br/project/aprender-com-a-pratica-e-atuar-em-coletivos-intersecoes-ensino-e-trabalho-no-escopo-da-saude/

Flood, B. & Morgan, C.J. (2020). Embedding Interprofessional Learning into Undergraduate Health Science Programmes: Developing an Interprofessional Learning Zone (IPLZ). In: Forman, D., Jones M., & Thistlethwaite J. (eds). Sustainability and Interprofessional Collaboration. Palgrave Macmillan, Cham. Chapter 10, 191-201. https://doi.org/10.1007/978-3-030-40281-5

Forte, F.D.S. et al. (2016). Educação interprofissional e o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde/Rede Cegonha: potencializando mudanças na formação acadêmica. Interface, 20(58), 787-796. https://doi.org/10.1590/1807-57622015.0720

França, T. et al. (2018). PET-Saúde/GraduaSUS: retrospectiva, diferenciais e panorama de distribuição dos projetos. Saúde em Debate, 42, 286–301. https://doi.org/10.1590/0103-11042018S220

Freire Filho, JR et al. (2019). Educação Interprofissional nas políticas de reorientação da formação profissional em saúde no Brasil. Saúde debate, 43, n. spe1, 86-96. https://doi.org/10.1590/0103-11042019S107

Freire Filho, JR & Forster, A.C. (2020). Sustaining Interprofessional Collaboration in Brazil. In: Forman, D., Jones, M., & Thistlethwaite, J. Sustainability and Interprofessional Collaboration. Palgrave Macmillan, 22, 235-250. https://doi.org/10.1007/978-3-030-40281-5

Guraya, S.Y. & Barr, H. (2018). The effectiveness of interprofessional education in healthcare: A systematic review and meta-analysis. Kaohsiung J Med Sci., 34(3), 160-165. https://doi.org/10.1016/j.kjms.2017.12.009.

Haddad, A.E. et al. (2010). Formação de profissionais de saúde no Brasil: uma análise no período de 1991 a 2008. Rev. Saúde Pública, 44(3), 389-393. https://doi.org/10.1590/S0034-89102010005000015

Kwiatkowiski, H.S. et al. (2020). O PET-Saúde/Interprofissionalidade como espaço facilitador para a aprendizagem interprofissional. Saúde Meio Ambiente: Revista Interdisciplinar, 9(1), 69–70. https://doi.org/10.24302/sma.v9iSupl.1.3412

Moreira, M.E.S. et al. (2020). Metodologias e tecnologias para educação em tempos de pandemia COVID-19. Brazilian Journal of Health Review, 3(3), 6281-6290. https://doi.org/10.34119/bjhrv3n3-180

Peduzzi, M. (2016). O SUS é interprofissional. Interface, 20 (56), 199-201. https://doi.org/10.1590/1807-57622015.0383

Peduzzi, M. & Agreli, H.F. (2018). Trabalho em equipe e prática colaborativa na atenção básica à saúde. Interface, 22 (2), 1525-1534. https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0827

Peduzzi, M. et al. (2020). Trabalho em equipe: uma revisita ao conceito e a seus desdobramentos no trabalho interprofissional. Trabalho, Educação e Saúde [online], v. 18, suppl 1. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00246.

Peduzzi, M. et al. (2013). Interprofessional education: training for healthcare professionals for teamwork focusing on users. Rev. Esc. Enferm. USP, 47(4), 977-983. https://doi.org/10.1590/S0080-623420130000400029

Portaria Interministerial nº 917, de 6 de maio de 2009 do Ministério da Saúde e do Ministério da Educação. Diário Oficial União. Brasília. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/pri0917_06_05_2009.html

Portaria Interministerial nº 1802, de 26 de agosto de 2008, do Ministério da Saúde e do Ministério da Educação. Diário Oficial União. Brasília. http://www.brasilsus.com.br/legislacoes/inter- ministerial/14427-1802.html.

Reeves, S. (2016). Why we need interprofessional education to improve the delivery of safe and effective care. Interface, 20 (56), 185-197. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0092

Reeves, S. et al. (2016). A BEME systematic review of the effects of interprofessional education: BEME Guide No. 39. Medical Teacher, 38:7. https://doi.org/0.3109/0142159X.2016.1173663

Reeves, S. et al. (2013). Interprofessional education: effects on professional practice and healthcare outcomes (update). Cochrane Database Syst Rev, 3, n. CD002213.https://doi.org/10.1002/14651858.CD002213.pub3

Reeves, S., Xyrichis, A., & Zwarenstein, M. (2018). Teamwork, collaboration, coordination, and networking: why we need to distinguish between different types of interprofessional practice. Journal of Interprofessional Care, 32 (1), 1-3. https://doi.org/10.1080/13561820.2017.1400150

Rocha, N.B et al. (2017). Percepções de aprendizagem sobre disciplina interprofissional em Odontologia. Rev ABENO, 17(3), 41-54. https://doi.org/10.30979/rev.abeno.v17i3.383

Rossit, R.A.S. et al. (2018). Construção da identidade profissional na educação interprofissional em saúde: percepção de egressos. Interface, 22(1), 1399-1410. https://doi.org/10.1590/1807-57622017.0184

Song, H. et al. (2017). Team dynamics, clinical work satisfaction, and patient care coordination between primary care providers: a mixed methods study. Health Care Management Review, 42(1), 28-41. https://doi.org/ 0.1097/HMR.0000000000000091

Toassi, R.F.C. et al. (2020). Ensino da graduação em cenários da atenção primária: espaço para aprendizagem interprofissional. Trabalho, Educação e Saúde, 18(2). https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00267

Visser, C.L.F. et al. (2018). The association of readiness for interprofessional learning with empathy, motivation, and professional identity development in medical students. BMC Med Educ., 18(1), 125. https://doi.org/10.1186/s12909-018-1248-5

World Health Organization. WHO. (2010). Framework for Action on Interprofessional Education and Collaborative Practice. Geneva/Switzerland: World Health Organization. https://www.who.int/publications/i/item/framework-for-action-on-interprofessional-education-collaborative-practice

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Thania Maria Diniz, Regiane Cardoso de Paula, & Edlaine Faria de Moura Villela. (2022). Interprofissionalidade e trabalho em equipe: Uma (re)construção necessária durante o processo de formação em saúde. New Trends in Qualitative Research, 13, e688. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e688

Artigos Similares

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.