Estímulo Cognitivo aos Idosos em Terapia Intensiva como um Cuidado de Enfermagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e690

Palavras-chave:

Cognição, Unidade de Terapia Intensiva, Idoso, Pesquisa Qualitativa, Cuidado de Enfermagem ao Idoso Hospitalizado

Resumo

Introdução: O ambiente crítico e a rotina na unidade de terapia intensiva possuem fatores que podem prejudicar a manutenção da cognição da pessoa idosa. Com isso, as intervenções voltadas ao estímulo cognitivo nessas unidades  tornam-se prioritárias e a equipe de enfermagem ganha destaque na sua  execução, por ser a categoria que mais participa do cuidado à pessoa idosa. Objetivo: Identificar os cuidados de enfermagem voltados ao estímulo cognitivo de pessoas idosas em terapia intensiva. Método: Estudo qualitativo realizado em duas unidades de terapia intensiva de um hospital de Salvador-Bahia-Brasil, entre dezembro de 2019 e fevereiro de 2020. A coleta ocorreu em duas fases: prontuários de idosos internados em uma das unidades, grupo focal com a equipe de enfermagem de ambas as unidades. Utilizou-se análise de Bardin. Resultados: Foram apreendidas seis categorias: 1) cuidados de enfermagem relacionados à contenção mecânica por agitação e risco de queda; 2) cuidados de enfermagem relacionados à família; 3) cuidados de enfermagem para o autocuidado; 4) cuidados de enfermagem para comunicação e orientação quanto ao tempo e espaço; 5) cuidados de enfermagem para o sono e repouso e 6 ) cuidados de enfermagem no manejo da dor. Conclusão: A equipe de enfermagem realiza ações para estímulo à cognição, porém de forma pontual, a partir de motivações espontâneas e individuais, pouco registradas em prontuário. É  importante desenvolver estratégias educativas e elaborar protocolos para aperfeiçoar a prática assistencial nas Unidades de Terapia Intensiva relacionadas ao estímulo cognitivo de pessoas idosas.

Referências

Azevedo A. C. F. et al. (2019). Delirium e tempo de permanência na Unidade de Terapia Intensiva. Rev. Baiana enferm., 33: e-33554. https://doi.org/10.18471/rbe.v33.33554

Backes, D. S. et al. (2011). Grupo focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. O Mundo da Saúde, 35 (4), 438-442. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-619126

Bannon L. et al. (2018). Designing a nurse-delivered delirium bundle: What intensive care unit staff, survivors, and their families think? Aust. Crit. Care, 31 (3), 174-179. https://doi.org/10.1016/j.aucc.2018.02.007

Bardin L. (2016). Análise de Conteúdo. Edições 70.

Bryant S. E. & McNabb K. (2019). Postintensive Care Syndrome. Crit Care Nurs. Clin North Am.,31 (4), 507-516. https://doi.org/10.1016/j.cnc.2019.07.006

Bouza, C. B. et al. (2013). Impacto dos episódios de delirium em pacientes cirúrgicos e clínicos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 25 (01), 25. file:///C:/Users/fabia/Downloads/RBTI_Suplemento_2013.pdf

Cruz D.T. et al. (2015). Associação entre capacidade cognitiva e ocorrência de quedas em idosos. Cad. Saúde Coletiva, 23 (4), 386-393. https://doi.org/10.1590/1414-462X201500040139

Faustino, T. N. et al. (2016). Prevenção e monitorização do delirium no idoso: uma intervenção educativa. Rev. Bras. de Enferm.,69 (4), 725-732.https://doi.org/10.1590/0034-7167.2016690416i

Kinalskil, D. D. F. et al. (2017). Grupo focal na pesquisa qualitativa: relato de experiência. Rev. Bras. Enferm., 70 (2), 424-429, http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0091

Mori S. et al. (2016). Incidência e Fatores Relacionados ao Delirium na Unidade de Terapia Intensiva. Rev. Esc. enferm. USP,50 (4), 587-593. https://doi.org/10.1590/S0080-623420160000500007

Nazario M.P.S. et al. (2018). Déficit Cognitivo em Idosos Hospitalizados Segundo Mini Exame do Estado Mental (MEEM): Revisão Narrativa. J. Health Sci, 20 (2), 131-134. http://dx.doi.org/10.17921/2447-8938

Ramos F. J. et al. (2020). Práticas de Promoção do Sono em Unidades de Terapia Intensiva no Brasil: um Inquérito Nacional. Rev. Bras. Ter. Intensiva, 32 (2), 268-276. https://doi.org/10.5935/0103-507X.20200043

Ribeiro S. C. L. et al. (2015). Conhecimento das Enfermeiras acerca do Delirium no Paciente Crítico: Dircurso do Sujeito Coletivo. Texto Contexto Enferm., 24 (2), 513-520. https://doi.org/10.1590/0104-07072015001702014

Sakusic A. et al.(2018). Potentially Modifiable Risk Factors for Long-Term Cognitive Impairment After Critical Illness: A Systematic Review. Mayo clin. proc., 93 (1), 68-82. https://doi.org/10.1016/j.mayocp.2017.11.005

Sakusic A. & Rabinstein A.A. (2018). Cognitive outcomes after critical illness. CurrOpin Crit Care, 24(5), 410-414. DOI:10.1097/MCC.0000000000000527

Schimidt T. C. G. et al. (2015). Avaliação Mediata na Replicação do Programa de Capacitação em Comunicação Não Verbal em Gerontologia. Rev Esc Enferm USP, 49 (2), 307-314. https://doi.org/10.1590/S0080-623420150000200017

Silva D. C. et al. (2017). Associação entre Intesidade da Dor e Sedação em Pacientes de Terapia Intensiva. Acta Paul. Enferm., 30 (3), 240-246. https://doi.org/10.1590/1982-0194201700037

Sousa L. et al. (2019). Prevenção da Confusão Aguda em Doentes Adultos Internados em Cuidados Intensivos: Intervenções Autónomas do Enfermeiro. Rev. port. enferm. saúde mental, (22), 49-57. https://doi.org/10.19131/rpesm.0263

Souza, L. K. (2020) Recomendações para a Realização de Grupos Focais na Pesquisa Qualitativa. Psi UNISC, 4 (1), 52-66, https://doi.org/10.17058/psiunisc.v4i1.13500

Souza T. L. et al. (2020). Validação de um Protocolo de Atendimento Multidisciplinar para Pacientes Críticos com Delirium. Rev Gaúcha Enferm., 41: e20190165. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2020.20190165

Souza V. R. et al. (2021). Tradução e validação para a língua portuguesa e avaliação do guia COREQ. Acta

Paul Enferm., 34:eAPE02631,1-9, https://doi.org/10.37689/acta-ape/2021AO02631

Vieira N. F. C. et al.(2019). Prevalência do Diagnóstico de Enfermagem "Comunicação Verbal Prejudicada" nas Unidades de um Hospital Privado. Enferm. Foco, 10 (3), 46-51. https://doi.org/10.21675/2357-707X.2019.v10.n3.2577

Walker, K. A. et al (2017). Defining the Relationship Between Hypertension, Cognitive Decline, and Dementia: a Review. Curr. Hypertens. Rep., 19 (3), 1-27. https://dx.doi.org/10.1007%2Fs11906-017-0724-3

Yildirim, E. et al. (2019). Relationship between blood pressure variability and cognitive function in geriatric hypertensive patients with well-controlled blood pressure. Aging Clinical and Experimental Research, 32 (1), 93-98, https://doi.org/10.1093/ajh/hpx155

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Fernanda Cajuhy dos Santos, Larissa Chaves Pedreira, Tânia Maria Oliva Menezes, Juliana Bezerra Do Amaral, Valdenir Almeida da Silva, & Nildete Pereira Gomes. (2022). Estímulo Cognitivo aos Idosos em Terapia Intensiva como um Cuidado de Enfermagem. New Trends in Qualitative Research, 13, e690. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e690