Conviver com HIV: Os sentimentos dos homens

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e692

Palavras-chave:

Homens, HIV, Acontecimentos que mudam a vida

Resumo

Introdução: Apesar dos avanços nos serviços de saúde em disponibilizar tecnologias de prevenção, a incidência de HIV na população brasileira continua a aumentar principalmente no sexo masculino. Diante dessa constatação, observa-se a dificuldade que essas pessoas enfrentam no seu dia- a- dia em relação ao tratamento e às redes de apoio. Assim, essa pesquisa partiu da seguinte indagação: “Quais as vivências e os significados de ser diagnosticado e conviver com o HIV e as implicações na vida cotidiana?” Objetivos: Compreender os sentimentoso dos homens que convivem com HIV. Método: Pesquisa qualitativa, realizada por meio de entrevistas semi-estruturada com 35 homens que fazem acompanhamento em um Serviço de Assistência Especializada em HIV/Aids no interior do  do estado de São Paulo, Brasil. Os conteúdos das entrevistas foram submetidos a análise de conteúdo, na modalidade temática. Resultados: A análise possbilitou emergir três temas relacionados aos sentimentos, quais sejam, o medo, a culpa e a solidão. Conclusão: A condição sorológica trouxe a necessidade em lidar com diferentes situações, sendo que a reorganização dessa fase direciona para a mudança no sentido da vida. Identificou-se como um saber aprendido que o HIV não tem cara, assim, os relaxamentos de medidas de proteção são práticos que não devem ocorrer, embora sejam negligenciadas. A educação em saúde foi considerada como potente estratégia para ampliar os conhecimentos para prevenção de doenças e promoção da saúde, especialmente no que se refere à transmissão do HIV e outras Infecções Sexualmente Transmissíveis. Nesse sentido, destacou-se a importância do vínculo e acolhimento dos profissionais de saúde.

Referências

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Brasil. Ministério da Saúde. (2020). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis. Boletim epidemiológico especial HIV/Aids 2020. Brasília. https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/boletins-epidemiologicos/especiais/2020/boletim-hiv_aids-2020-internet.pdf

Caliari, J. S., Teles, S. A., Reis, R. K., & Gir, E. (2017). Fatores relacionados com a estigmatização percebida de pessoas vivendo com HIV. Revista Escola Enfermagem da USP, 51. https://doi.org/10.1590/S1980-220X2016046703248

Damião, M., & Fontes, P. V. (2021). Medo: o novo mal-estar da humanidade. Griot Revista de Filosofia, 21(2), 191-198. https://doi.org/10.31977/grirfi.v21i2.2384

Dantas, M. S., Abrão, F. M. S., Costa, S. F. G., & Oliveira, D. C. (2015). HIV/AIDS: significados atribuídos por homens trabalhadores da saúde. Escola Anna Nery, 19(2), 323-330. https://doi:10.5935/1414-8145.20150044

Galano, E., Turato, E. R., Delmas, P., Côté, J., Gouvea, A. F. T. B., Succi, R. C. M., & Machado, D. M. (2016). Vivências dos adolescentes soropositivos para HIV/aids: estudo qualitativo. Revista Paulista de Pediatria, 34(2), 171-177. https://doi:10.1016/j.rppede.2015.08.019

Gontijo, D. T., Cunha, A. P. G., Riccioppo, M. R. P. L., Molina, R. J., & Medeiros, M. (2013). Deixo ela no canto e vou tocar minha vida: significados de viver com HIV para homens com adesão irregular à terapia antirretroviral. Revista Brasileira Promoção Saúde, 26(4), 480-488. https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=40831096005

Ivo, M. A. S., & Freitas, M. I. F. (2014). Representações de corpo de pessoas com HIV/AIDS: entre a visibilidade e o segredo. Reme Revista Mineira de Enfermagem, 18(4). https://doi:10.5935/1415-2762.20140065

Jesus, G. J., Oliveira, L. B., Caliari, J. S., Queiroz, A. A. F. L., Gir, E., & Reis, R. K. (2017). Dificuldades do viver com HIV/Aids: entraves na qualidade de vida. Revista Acta Paulista Enfermagem, 30(3), 301-307. https://doi:10.1590/1982-0194201700046

Lei nº 12.984/2014 da Presidência da República (2014). Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12984.htm

Lei nº 11.199/2002 da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (2002). São Paulo. https://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/2002/lei-11199-12.07.2002.html

Minayo, M. C. S., Deslandes, S. F., & Gomes, R. (2016). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Moreira, V., Bloc, L., & Rocha, M. (2012). Significados da finitude no mundo vivido de pessoas com HIV/AIDS: um estudo fenomenológico. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 12(2), 554-571. https://doi.org/10.12957/epp.2012.8282

Paschoal, E. P., Espírito Santo, C. C., Gomes, A. M. T., Santos, E. I., Oliveira, D. C., & Pontes, A. P. M. (2014). Adesão à terapia antirretroviral e suas representações para pessoas vivendo com HIV/AIDS. Escola Anna Nery Revista Enfermagem, 18(1), 32-40. https://doi: 10.5935/1414-8145.20140005

Patrício, A. C. F. A, Silva, I. B. N., Ferreira, M. A. M., Rodrigues, B. F. L., Silva, R. F., Nascimento, J. A., & Silva, R. A. R. (2019). Depressão, autoestima, expectativa futura e esperança de vida de pessoas com HIV. Revista Brasileira Enfermagem, 72(5), 1288-1294. https://doi:10.1590/0034-7167-2018-0730

Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids. (2017). Guia de terminologia do Unaids. Brasília: UNAIDS Brasil. https://unaids.org.br/wp-content/uploads/2017/09/WEB_2017_07_12_GuiaTerminologia_UNAIDS_HD.pdf

Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids. (2021a). Estatísticas globais sobre HIV 2021. Brasília: UNAIDS Brasil. https://unaids.org.br/estatisticas/#:~:text=37%2C6%20milh%C3%B5es%20%5B30%2C,relacionadas%20%C3%A0%20AIDS%20em%202020

Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids. (2021b). Guia viver em positivo: guia rápido sobre direitos para jovens vivendo com HIV. Brasília: UNAIDS Brasil.

Ribeiro, A. F., Veras, M. A. S. M., & Guerra, M. A. T. (2015). Epidemiologia da infecção pelo HIV/aids. In R. Focaccia (Ed.). Tratado de infectologia (5ª ed., pp. 171-186). Atheneu: São Paulo.

Sá, A. A. M. S., & Santos, C. V. M. (2018). A vivência da sexualidade de pessoas que vivem com HIV/Aids. Revista Psicologia Ciências e Profissão, 4, 773-786. https://doi.org/10.1590/1982-3703000622017

Sabino, E. C., Barreto, C. C., & Sanabani, S. S. (2015). Etiologia e subtipos do HIV. In R. Focaccia (Ed.). Tratado de infectologia (5ª ed., pp. 165-171). Atheneu: São Paulo.

Souza, T. R. C. (2008). Impacto psicossocial da AIDS: enfrentamento, perdas...ressignificando a vida. São Paulo: Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS.

Souza, H. C., Mota, M. R., Alves, A. R., Lima, F. D., Chaves, S. N., Dantas, R. A. E., Abdelmur, S. B. M., & Mota, A. P. V. S. (2019). Análise da adesão ao tratamento com antirretrovirais em pacientes com HIV/Aids. Revista Brasileira de Enfermagem, 72(5), 1295-1303. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0115

Teixeira, D. (2016). Atenção à saúde do homem: análise da sua resistência na procura dos serviços de saúde. Revista Cubana de Enfermería, 32(4). http://revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/article/view/985

Turato, E. R. (2003). Tratado da metodologia da pesquisa, clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas de saúde e humanas. (5ª ed). Petrópolis: Vozes.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. (2020). TeleCondutas: HIV: acompanhamento e tratamento de pessoas vivendo com HIV/AIDS na Atenção Primária à Saúde: versão digital 2020. Porto Alegre: UFRGS. https://www.ufrgs.br/telessauders/teleconsultoria/0800-644-6543/#telecondutas-0800

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Mirian Dias dos Santos, Cássia Regina Fernandes Biffe Peres, Sílvia Franco da Rocha Tonhom, Magali Aparecida Alves de Moraes, & Luciana Cristina Parenti. (2022). Conviver com HIV: Os sentimentos dos homens. New Trends in Qualitative Research, 13, e692. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e692