Representações sociais dos profissionais de Enfermagem brasileiros sobre a Covid-19 no contexto da saúde mental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e711

Palavras-chave:

Pandemia, Infecção Coronavírus, Enfermagem, Saúde Mental, Profissionais de Enfermagem, América Latina, Brasil

Resumo

Objetivo: Analisar as representações sociais dos profissionais de enfermagem residentes no Brasil sobre a pandemia da Covid-19 no contexto da saúde mental. Método: estudo qualitativo com 719 profissionais das cinco regiões geográficas, a partir de formulário virtual. Empregou-se o software IRaMuTeQ®? para preparo do material empírico e Análise de Conteúdo Temática, e interpretação à luz do referencial teórico das Representações Sociais. Resultados: Participaram Técnicos de Enfermagem (20%), Enfermeiros (47,2%), Obstetrizes (0,5%), Enfermeiros docente-pesquisadores (15%), Enfermeiros Pós-graduandos (13,4%), Enfermeiros especializando (3,7%). As RS dos profissionais de enfermagem são elaboradas na esfera do processo de trabalho precarizado e nas vivências naturalizadas da construção social da profissão, antes e no contexto pandêmico, são fotografias da realidade de uma categoria tomada como máquina de uma engrenagem e não constituída de sujeitos de direitos. Revela-se uma realidade que tem subtraído a possibilidade de estes projetarem planos para o futuro e abre espaço para a produção do adoecimento mental. É fundamental ampliar o debate sobre os desafios cotidianos da profissão para que seja possível potencializar o valor do seu trabalho, de vanguarda e sua essencialidade nos sistemas de saúde, e que a Enfermagem não pode calar. Considerações Finais: Foi possível apreender que os profissionais de enfermagem residentes no Brasil, vinham realizando o trabalho de forma precarizada antes da pandemia da Covid-19, e em suas práticas não produziam grandes questionamentos. Com a pandemia e o risco de contaminação, os profissionais passaram a olhar a prática profissional mais de perto e sentiram medo das vivências naturalizadas e simplificadas frente ao não uso de equipamentos de proteção individual. Logo, compreenderam que cuidar do outro implica também cuidar de si. Este estudo também revela que os profissionais precisam ressignificar a construção social da profissão e constituir uma consciência de classe frente ao modo de produção no qual estão inseridos.

Referências

Adamy, E. K., Zocche, D. A. A. & Almeida, M. A. (2020). Contribution of the nursing process for the construction of the identity of nursing professionals. Rev. Gaúcha Enferm, 41(spe):e20190143. http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2020.20190143.

Alegria, M., NeMoyer, A., Falgas, I., Wang, Y., & Alvarez, K. (2018). Social Determinants of Mental Health: Where We Are and Where We Need to Go. Curr Psychiatry Rep, 20(11):95. http://10.1007/s11920-018-0969-9.

Araújo, M. R. M. & Morais, K. R. S. (2017). Precarização do trabalho e o processo de derrocada do trabalhador. Cad. psicol. soc. trab, 20(1):1-13. http://10.11606/issn.1981-0490.v20i1p1-13.

Bryman, A. (2012) Social research methods. 4th ed. Oxford: Oxford University Press.

Camargo, B.V. & Justo, A.M. (2018). Tutorial para uso do software IRaMuTeQ [Internet]. Porto Alegre: UFSC. http://iramuteq.org/documentation/fichiers/tutoriel-portugais-22-11-2018

Clarke, V. & Braun, V. (2013). Teaching thematic analysis. Psychologist, 26(2):120-123.

COREN, Conselho Federal de Enfermagem. Observatório de Enfermagem. (2021). Profissionais infectados com COVID-19 informado pelos enfermeiros responsáveis técnicos/coordenadores. Available from: http://observatoriodaenfermagem.cofen.gov.br/.

Fernandes, M. A., & Ribeiro, A. A. A. (2020). Salud mental y estrés ocupacional en trabajadores de la salud a la primera línea de la pandemia de COVID-19. Rev Cuidarte, 11(2):e1222. DOI: http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.1222.

Lai, J., Ma, S., Wang, Y., Cai, Z., Hu, J., We,i N., Wu, J., Du, H., Chen, T., Li, R., Tan, H., Kang, L., Yao, L.,. Huang, M., Wang, H., Wang, G., Liu, Z. & Hu, S. (2019). Factors associated with mental health outcomes among health care workers exposed to coronavirus disease. JAMA Netw Open, 3(3):e203976. http://doi.org/10.1001/jamanetworkopen.2020.3976.

Li, Z., Ge, J., Yang, M., Feng, J., Qiao, M., Jiang, R., Bi, J., Zhan, G., Xu, X., Wong, L., Zhou, Q., Xhou, C., Pan, Y., Liu, S., Zhang, H., Yang, J., Zhu, B., Hu, Y., Hashimoto, K., Jia, Y., Wang, H., Wong, R., Liu, C. & Yang, C. (2020). Vicarious traumatization in the general public, members, and non-members of medical teams aiding in COVID-19 control. Brain Behav Immun, 88:916-919. https://doi.org/10.1016/j.bbi.2020.03.007

Moreira, W. C., Sousa, A. R., & Nóbrega, M. P .S. S. (2020). Mental disease in the general population and health professionals during covid-19: a scoping review. Texto & Contexto Enfermagem, 29:20200215. http://dx.doi.org/10.1590/1980-265x-tce-2020-0215.

Moreira, W. C., Sousa, K. H. J. F., Sousa, A. R., Santana, T. S., Zeitoune, R. C. G. & Nóbrega, M. P. S. S. (2020). Mental health interventions implemented in the COVID-19 pandemic: what is the evidence? Revista Brasileira de Enfermagem [online]. v. 74, suppl 1 e20200635. http://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0635.

Natt, E. D. M. & Carrieri, A. P. (2014). A teoria das representações sociais e a análise de conteúdo: instrumentos que se complementam na pesquisa em administração. Cadernos de Estudos Sociais, 2(29):66-89.

Oliveira, A. C. (2020). Desafios da enfermagem frente ao enfrentamento da pandemia da COVID19. REME-Rev Min Enferm, 24:e-1302. http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20200032.

Querido, A. I. F. & Dixe, M. A. (2016). A esperança na saúde mental: uma revisão integrativa da literatura. Rev. Port. Enferm. Saúde Mental, (3):95-101. http://dx.doi.org/10.19131/rpesm.0124.

Ricard, M. (2015). A natureza do altruísmo. In: Ricard M (Org.). A revolução do altruísmo. 1ª ed, São Paulo: Palas Athena.

Souza, H. S. (2016). O processo de trabalho sob o fluxo tensionado. In: Souza HS, Mendes A. Trabalho e Saúde no capitalismo contemporâneo: em foco. 7. Ed-Rio de Janeiro: DOC Saberes.

Viana, N. (2008). Senso comum, representações sociais e representações cotidianas. Bauru. EDUSC.

WHO, World Health Organization [WHO]. (2020). Statement on the second meeting of the International Health Regulations (2005) Emergency Committee regarding the outbreak of novel coronavirus (2019-nCoV). Available from: https://www.who.int/news/item/30-01-2020-statement-on-the-second-meeting-of-the-international-health-regulations-(2005)-emergency-committee-regarding-the-outbreak-of-novel-coronavirus-(2019-ncov)

Zoboli, E. L. C. P. & Schveitzer, M. C. (2013). Valores da enfermagem como prática social: uma metassíntese qualitativa. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 21(3):695-703. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692013000300007.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Maria do Perpétuo do Socorro Sousa Nóbrega, Priscila Maria Marcheti, Sonia Regina Zerbetto, Larissa Almeida Rézio, Aline Macêdo Queiroz, Anderson Reis de Sousa, & Wanderson Carneiro Moreira. (2022). Representações sociais dos profissionais de Enfermagem brasileiros sobre a Covid-19 no contexto da saúde mental. New Trends in Qualitative Research, 13, e711. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e711