Intervenções de enfermagem na promoção de comunicação com a pessoa ventilada na unidade de cuidados intensivos (UCI)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e721

Palavras-chave:

Adulto, Comunicação, Idoso, Ventilação Mecânica Invasiva, Unidade de Terapia Intensiva, Enfermagem

Resumo

Introdução: A dificuldade comunicacional com a pessoa ventilada mecanicamente é uma realidade do quotidiano em unidades de cuidados intensivos, a qual pode ter um grande impacto a nível fisiológico (aumentando a predisposição a alterações do estado clínico), psicológico (levando a sentimentos como frustração, medo e ansiedade) e até psíquico (podendo desenvolver quadros como depressão ou stress pós-traumático). Objetivo: Identificar as intervenções de enfermagem promotoras da comunicação com a pessoa com ventilação mecânica invasiva. Método: Revisão Umbrella, abrangendo revisões dos últimos 10 anos. A partir da questão “Quais as estratégias de comunicação com a pessoa ventilada em unidade de cuidados intensivos?”, elaborada de acordo com a estratégia PICo, definiram-se os critérios de inclusão e exclusão das revisões, obtidas nas bases de dados CINAHL, Scopus, MEDLINE, Cochrane e no motor de busca B-on. A amostra bibliográfica utilizada para a elaboração desta revisão é constituída por quatro artigos. Resultados: As estratégias comunicacionais mais usadas, envolvem intervenções simples e custo-efetivas como gestos ou mímica labial, são também frequentemente usadas estratégias comunicacionais do espetro da comunicação alternativa e aumentativa, apresentando uma eficácia moderada. Já o recurso a dispositivos eletrónicos apresenta uma eficácia elevada, no entanto, são pouco usados na clinica devido à falta de recursos e formação dos profissionais. Conclusões: Existe uma grande diversidade de estratégias comunicacionais com a pessoa sob ventilação mecânica invasiva, das quais é de realçar a utilização de gestos, da expressão facial, linguagem corporal, movimentos de cabeça, apertar as mãos, o tato, a utilização de materiais como o lápis e papel, as letras do alfabeto, as placas de palavras e imagens, válvulas de comunicação, eletrolaringe, tubos de traqueostomia com dispositivos que permitam a comunicação e dispositivos de comunicação alternativa e aumentativa de alta tecnologia.

Referências

Aromataris, E., Fernandez, R., Godfrey, C., Holly, C., Khalil, H., & Tungpunkom P. (2017). Umbrella Reviews. In E. Aromataris & Z. Munn (Eds.), JBI reviewer’s manual (Chapter 10). https://reviewersmanual.joannabriggs.org/.

Bartlett, G., Blais, R., Tamblyn, R., Clermont, R. & MacGibbon, B. (2008). Impact of patient communication problems on the risk of preventable adverse events in acute care settings. Canadian Medical Association jornal. 178 (12), 1555-62. https://doi.org/10.1503/cmaj.070690

Campos, C. (2017). A Comunicação terapêutica enquanto ferramenta profissional nos cuidados de enfermagem. Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca. 15 (1), 91-101. https://doi.org/10.25752/psi.9725

Carruthers, H., Astin, F. & Munro, W. (2017). Which alternative communication methods are effective for voicelesspatients in intensive care units? A systematic review. Intensive and Critical Care Nursing. 42(1), 88-96. https://doi.org/10.1016/j.iccn.2017.03.003

Cummings, S., Browner, W. & Hulley, S. (2008). Elaborando a questão de pesquisa (Capítulo 2) in Hulley, S. B. , Cumming, S. R. , Browner, W. S. , Grady, D. G. & Newman, T. D. Delineando a pesquisa clínica uma abordagem epidemiológica. Artmed: São Paulo.

Dithole, K., Thupayagale-Tshweneagae, G., Akpor, O. & Moleki, M. (2017). Communication skills intervention: promoting effective communication between nurses and mechanically ventilated patients. BMC Nursing. 74 (16), 1-6. doi: https://doi.org/10.1186/s12912-017-0268-5

Donato, H. & Donato, M. (2019). Etapas na Condução de uma Revisão Sistemática. Acta Médica Portugal. 32 (3), 227-235. https://doi.org/10.20344/amp.11923

Gomes, B. (2020). Comunicar com o doente ventilado em cuidados intensivos (Tese de Mestrado). Instituto Politécnico de Portalegre. Portalegre. https://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/33195

Guttormson, J., Bremer, K. & Jones, R. (2015). “Not being able to talk was horrid”: a descriptive, correlational study of communication during mechanical ventilation. Intensive and Critical Care Nursing. 31(3), 179-186. https://doi.org/10.1016/j.iccn.2014.10.007

Happ, M., Tuite, P., DiVirgilio-Thomas, K. Dobbin, K. & Kitutu, J. (2004). Communication ability, method, and content among nonspeaking nonsurviving patients treated with mechanical ventilation in the intensive care unit. American Journal of Critical Care. 13(3), 210-8. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/15149055/

Hoorn, S. T., Elbers, P. W., Girbes, A. R., & Tuinnman, P. R. (2016). Communicating with conscious and mechanically ventilated critically ill patients: a systematic review. Society of Critical Care Medicine. 20 (1),333. https://doi.org/10.1186/s13054-016-1483-2

International Council of Nurses (2014). Position statement; The Right to Connect Via Information and Communication Technology. 2014. https://www.icn.ch/sites/default/files/inline-files/E12a_Right_Connect_Information_Communication_Technology.pdf

Khalaila, R, Zbidat, W., Anwar, K., Bayya, A., Linton, D. & Sviri, S. (2011). Communication difficulties and psychoemotional distress in patients receiving mechanical ventilation. American Journal of Critical Care. 20(6):470-9. https://doi.org/10.4037/ajcc2011989

Ju, X., Yang, J. & Liu, X. (2021). A systematic review on voiceless patients’ willingness to adopt high-technology augmentative and alternative communication in intensive care units. Intensive & Critical Care Nursing. 63 (102948), 1-10. https://doi.org/10.1016/j.iccn.2020.102948

Laakso, K., Markström, A., Idvall, M., Havstam, C. & Hartellius, L. (2011). Communication experience of individuals treated with home mechanical ventilation. International Journal of Language & Communication Disorders. 46 (6), 686-99. https://doi.org/10.1111/j.1460-6984.2011.00040.x

Martinho, C. & Rodrigues, I. (2015). A comunicação dos doentes mecanicamente ventilados em unidades de cuidados intensivos. Revista brasileira terapia intensiva. 28 (2), 132-140. https://www.scielo.br/pdf/rbti/v28n2/0103-507X-rbti-28-02-0132.pdf

Ordem dos Enfermeiros. (2002). Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem: Enquadramento Conceptual e Enunciados Descritivos. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros. https://www.ordemenfermeiros.pt/media/8903/divulgar-padroes-de-qualidade-dos-cuidados.pdf

Ordem dos Médicos (2020). Ventilação mecânica. Lisboa: Ordem dos médicos. https://ordemdosmedicos.pt/ventilacao-mecanica/

Ortega-Chácon, V. & Diaz, D. M. (2017). Estrategias e instrumentos de comunicación con pacientes. Revista Española de Comunicación en Salud. 8(1), 92 – 100. https://doi.org/10.20318/recs.2017.3608

Pais, S. (2012). O doente crítico (Tese de Mestrado). Universidade Católica Portuguesa, Viseu. https://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/10219/1/TESE

Pott, F. S., Ribas, J. D.,Silva, O. B. M.,Souza, T. S.,Danski, M. T. R., & Meier, M. J. (2013). Algoritmo de prevenção e tratamento de úlcera por pressão. Cogitare Enfermagem. 18(2), 238-44. http://dx.doi.org/10.5380/ce.v18i2.26085.

Penedo, J. M. V. S., Ribeiro, A. A. B, Lopes, H. A. R. C., Pimentel, J. M. P. C., Pedrosa, J. A. G. P. S., Sá, R. A. M. V., & Moreno, R. P. J. (2013). Avaliação nacional da situação das unidades de cuidados intensivos (Relatório Final). Governo de Portugal: ministério da saúde. https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2016/05/Avalia%C3%A7%C3%A3o-nacional-da-situa%C3%A7%C3%A3o-das-unidades-de-cuidados-intensivos.pdf

Wade, D. M., Howell, D. C., Weinman, J. A., Hardy, R. J., Mythen, M., Brewin, Ch. R., … Raine, R. A. (2012). Investigating risk factors for psychological morbidity three months after intensive care: a prospective cohort study. Society of Critical Care Medicine. 16(5), R192. https://doi.org/10.1186/cc11677

Wunsch, H., Linde-Zwirble, W., Angus, D., Hartman, M., Milbrandt, E. & Kahn, J. (2010). The epidemiology of mechanical ventilation use in the United States. Critical Care Medicine. 38 (10), 1947-53. https://doi.org/10.1097/CCM.0b013e3181ef4460.

Zaga, C. J., Berney, S. & Vogel, A. P. (2019). The feasibility, utility, and safety of communication interventions with mechanically ventilated intensive care unit patients: a systematic review. American Journal of Speech-Language Pathology. 28(1), 1335-1355. https://doi.org/10.1044/2019_AJSLP-19-0001

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Sónia Sias, Ana Silva, João Rosado, & Cristina Lavareda Baixinho. (2022). Intervenções de enfermagem na promoção de comunicação com a pessoa ventilada na unidade de cuidados intensivos (UCI). New Trends in Qualitative Research, 13, e721. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e721