Relações de gênero no ambiente militar: O efeito teto de vidro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e725

Palavras-chave:

Relações de gênero, Teto de vidro, Discriminação

Resumo

O histórico da desigualdade de gênero reflete de forma muito significativa dentro de instituições onde a dominação masculina é evidenciada, como nas forças armadas. O objetivo foi compreender as dificuldades enfrentadas pelas mulheres militares, no que tange a ocupação dos postos mais altos de sua cadeia hierárquica. Trata-se de uma pesquisa qualitativa básica, foram realizadas 10 entrevistas semiestruturadas com mulheres militares, partindo da perspectiva de suas experiências e vivência cotidiana em um ambiente majoritariamente masculino.  Foram escolhidas mulheres militares, partindo da perspectiva de suas experiências e vivência cotidiana em um ambiente majoritariamente masculino. O contato com as entrevistadas foi inicialmente realizado, com o propósito de explicar o objetivo do estudo e importância de cada participação. O sigilo foi garantido, todas assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e o estudo obteve um parecer favorável da Comissão de Ética da Instituição, que considerou estar de acordo com os princípios estabelecidos na Declaração de Helsínquia.  Os resultados mostram que as militares ainda que não tenham conhecimento teórico sobre o fenômeno teto de vidro, são capazes de reconhecer em sua rotina diária a prática dele. Percebe-se em suas falas, que em alguns momentos de suas carreiras, elas se deparam com a desigualdade de gênero, com a cobrança de ser igual aos homens para que sejam respeitadas, com o preconceito, discriminação e com as mínimas oportunidades de crescimento profissional. Pode-se concluir que, desde o início de sua trajetória na esfera militar, a mulher foi inserida em um contexto diferenciado, voltado à visão androcêntrica, que a limitava em funções divididas por gênero e criava barreiras que a impedia de ascender profissionalmente.

Referências

Adams, M. A. (1990). Armadilha da compaixão. Revista de Serviço Social, ano XI, n.33, ago 1990, p. 109-131.

Adão, M. C. O. (2007). A formação militar e a incorporação feminina: as dificuldades na ocupação de novos espaços. In: Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED), 2007.

Aguiar, G. S. (2007). Diversidade no Trabalho: os desafios em ser mulher em uma organização financeira. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação. Programa de Pós-graduação em Administração. Universidade de Brasília. Brasília, 2007.

Almeida, V. H. A. (2015). Mulheres nas Forças Armadas Brasileiras: Situação Atual e Perspectivas Futuras. Câmara dos Deputados; Consultoria Legislativa. Estatuto/ maio, 2015. Disponível: http://bd.camara.gov.br/bd/handle/bdcamara/22600.

Bardin, L. (2002). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Betiol, M. I. S.; Tonelli, M. J. (1991). A mulher executiva e suas relações de trabalho. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 31, n.4, p.17 - 33, out/dez. 1991.

Bjerk, D. (2008). Glass Ceilings or Sticky Floors? Statistical Discrimination in a Dynamic Model of Hiring and Promotion. Economic Journal, 118 (530): 961-982.

Belle, F. (1993). Executivas: quais as diferenças na diferença. In: Chanlat, J. F. (Coord.). O indivíduo nas organizações. São Paulo: Atlas, 1993. p.196-231.

Bourdieu, P. (1999). A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999. 159 p.

Bourdieu, P. A dominação masculina. Rio Janeiro: Bertrand do Brasil, 2002.

Bruschini, C. (1985). Gênero e Trabalho no Brasil. São Paulo: s./editora, 1985.

Bruschini, C. (1993). Trabalho e gênero. Anais do III encontro nacional de estudos do trabalho. Rio de Janeiro, 1993.

Cappelle, M. C. A. et al. (2002). Representações das relações de gênero no espaço organizacional público. Rio de Janeiro: RAP.

Cappelle, M. C. A. et al. (2004). Uma análise da dinâmica do Poder e das relações de gênero no espaço organizacional. São Paulo: RAE-eletrônica.

Cappelle, M. C. A. (2006). O trabalho feminino no Policiamento Operacional: subjetividade, relações de poder e gênero na oitava região da Polícia Militar de Minas Gerais. Tese (Doutorado em Administração). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2006.

Carreiras, H. (1995). Mulheres nas Forças Armadas: transformação institucional e recrutamento feminino. Revista Sociologia–Problemas e Práticas 18 (1995): 97-128.

Coelho, D. (2006). Ascensão profissional de homens e mulheres nas grandes empresas brasileiras. In: Negri, J. A., Negri, F.; Coelho, D. Tecnologia, exportação e emprego. IPEA, Brasília, 2006.

Dantas, S. R. M. (2018). Mulheres e Forças Armadas: Uma análise da participação feminina nas Forças Armadas brasileiras. Monografia (Graduação em Relações Internacionais). João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba/Centro de Ciências Sociais Aplicadas, 2018.

Donadio, M. (2009). La mujer en las instituciones armadas y policiales: resolución 1325 y operaciones de paz en América Latina. Buenos Aires: RESDAL -Red de Seguridad y Defensa de América Latina, 2009.

Enriquez, C. (2012). Análise Econômica para a Igualdade: as contribuições da economia feminista. In: Jácome, M.; Vilela, S. (org.). Orçamentos Sensíveis a Gênero: Conceitos. Brasília: ONU Mulheres, 2012. p.133-157.

Giannini, R. A.; Folly, M.; Lima, M. F. (2017). Situações Extraordinárias – a entrada das mulheres na linha de frente das Forças Armadas brasileiras. In: Instituto Igarapé. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: < https://igarape.org.br/mulheres-forcas-armadas/pt/>.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa: tipos fundamentais. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n.3, p.65 - 71, maio 1995.

Hirata, H. (2004). O universo do trabalho e da cidadania das mulheres: um olhar do feminismo e do sindicalismo. In: Costa, A. A. et al. (Orgs.). Reconfiguração das relações de gênero no trabalho. São Paulo: CUT Brasil, 2004. p. 13-20.

Henderson, P. (2016). As barreiras para a ascensão da mulher a posições hierárquicas: um estudo sob a óptica da gestão da diversidade no Brasil. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 9, número 3, p. 489-505, jul. - set. 2016.

Jones, D.; Makepeace, G. (1996). Equal Worth, Equal Opportunities: Pay and Promotion in an Internal Labour Market. The Economic Journal, 106 (435): 401-409.

Lavinas, L. (1997). Emprego feminino: o que há de novo e o que se repete. Revista de Ciências Sociais – Dados, Rio de Janeiro, 40, 1997.

Lima, G. S. (2009). Os desafios da carreira da mulher executiva no Brasil. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Administração, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2009.

Lombardi, M. R. (2008). Engenheira e gerente: Desafios enfrentados por mulheres em posições de comando na área tecnológica. In: Costa, A. O. et al. (Org.). Mercado de trabalho e gênero: comparações internacionais. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008. cap. 21, p. 387- 402.

Madruga, L. R., Gomes, C. M., Fleig, D. G., Altíssimo, J. C. e Costa, V. F. (2001). A Valorização da Mulher no Contexto do Trabalho: Contradições e Evidências Identificadas na Realidade Atual. In: Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, 2001. Anais. Campinas: ANPAD, 2001.

Manganelli, A. (2012). A mão invisível no teto de vidro. Dissertação (Mestrado em Economia) Faculdade de Administração, Contabilidade e Economia, PUCRS Porto Alegre, 2012.

Marry, C. (2008). As carreiras das mulheres no mundo acadêmico: O exemplo da biologia. In: Costa, A. O. et al. (Org.). Mercado de trabalho e gênero: comparações internacionais. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008. cap. 22, p. 401-419.

Mathias, S. K.; Adão, M. C. O. (2013). Mulheres e Vida Militar. In: Cadernos Adenaur XIV. nº3. 2013

Mello, J.; Marques, D. (2019). Elementos para uma tipologia de gênero da atuação estatal: visões do Estado sobre as mulheres e políticas públicas no Brasil. Texto para discussão, v. 2441. Brasília: Ipea, 2019.

Miguel, L. (2001). Política de interesses, política do desvelo: representação e singularidade feminina. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 9(1), 253-266, jun.

Minayo, M. C. S. (2007). O desafio do conhecimento – Pesquisa qualitativa em saúde. 10ª Ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

Moraes, F. C.V. (2004). Diversidade e Inclusão: a força de trabalho feminina na Philips do Brasil. Trabalho apresentado a Fundação Dom Cabral para a conclusão do curso Gestão Responsável para a Sustentabilidade. São Paulo, 2004.

Oliveira, A. R., Gaio, L. E., Bonacim, C. A. G. (2008). Relações de Gênero e ascensão feminina no ambiente Organizacional: um ensaio teórico. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 2, n. 1, p. 80-97, jan./abr. 2009

Orichio, A. P. C. (2012). Oficiais Enfermeiras para a Marinha do Brasil: Do curso de formação militar à ocupação de espaços no hospital Naval Marcílio Dias (1980-1984). Tese (Doutorado em Enfermagem). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro/ Escola de enfermagem Anna Nery, 2012.

Peterson, L. W.; Albrecht, T. L. (1999). Where gender/power/politics collide: deconstructing organizational maternity leave policy. Journal of Management Inquiry, v. 8, n. 2, p. 168-181, 1999

Powell, G. N.; Butterfield, D. A.; Bartol, K. M. (2008). Leader evaluations: a new female advantage? Gender in Management: An International Journal, v. 23, n. 3, p. 156-174, 2008.

Ramos, G. S. (2013). Leitura feminista da história das mulheres no Brasil. Revista Estudos Feministas, v.21, n.3, p.1232-5, dez. 2013.

Rocha, C. D. et al. (2014). O Fenômeno Teto de Vidro na Ascensão à Posição Hierárquica das Mulheres no Mercado Formal: Barreiras. In XI Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Rio de Janeiro.

Silva, C. R. (2007). Masculinidade e Feminilidade nas Forças Armadas: uma etnografia do ser militar, sendo mulher. In: VII Reunião de Antropologia do Mercosul. Porto Alegre, julho, 2007.

Simeone, A. Academic women: working towards equality. Massachusetts: Bergin and Garvey, 1978.

Soranz, R. F. (2009). Diversidade e inclusão: um estudo sobre gênero em uma indústria farmacêutica. Dissertação (Mestrado em Administração) – Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2009.

Steil, A.V. (1997). Organizações, gênero e posição hierárquica – compreendendo o fenômeno do teto de vidro. São Paulo: Revista de Administração da Universidade de São Paulo (RAUSP), v.32, n.3, p.62-69, jul./ago./set. 1997.

Tabak, F. (2002). O laboratório de Pandora: estudos sobre a ciência no feminino. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

Takahashi, E. E. (2002). Homens e Mulheres em Campo: um estudo sobre a formação da identidade militar. Tese (doutorado). São Paulo: Universidade Estadual de Campinas, 2002.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Vaz, D. (2013). O teto de vidro nas organizações públicas: evidências para o Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, v. 22, n. 3 (49), dez. 2013. p. 765-790.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Alessandra Rosa da Silva, Fátima Regina Ney Matos, Diego Queiroz Machado, & Maria João Barata. (2022). Relações de gênero no ambiente militar: O efeito teto de vidro. New Trends in Qualitative Research, 14, e725. https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e725