Estratégia de educação em saúde fonoaudiológica para idosos: Relato de experiência

Autores

  • Priscilla Mayara Estrela Barbosa Universidade Estadual do Ceará, Brasil
  • Andréa Cintia Laurindo Porto Hospital Geral de Fortaleza, Brasil
  • Moisés Andrade dos Santos de Queiroz Universidade de Fortaleza, Brasil
  • Cláudia Belém Moura Cabral Universidade de Fortaleza, Brasil
  • Rachel Cassiano de Sousa Universidade de Fortaleza, Brasil
  • Christina César Praça Brasil Universidade de Fortaleza, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.155-162

Palavras-chave:

Presbifagia, Presbiacusia, Memória, Presbifonia, Educação em Saúde

Resumo

Introdução: As mudanças decorrentes da velhice implicam diretamente em estruturas responsáveis pela comunicação e deglutição. Na laringe, ocorrem calcificações, impactando a fonação (presbifonia) e a deglutição (presbifagia). Na audição, há redução da acuidade (presbiacusia). A memória também apresenta alterações importantes. Objetivo: Relatar a experiência de um grupo de idosos assistidos em um Centro de Referência de Assistência Social, da região metropolitana de Fortaleza, Ceará, por meio de ações que associam saúde do idoso e Fonoaudiologia. Metodologia: As reuniões aconteceram de fevereiro a junho de 2019, com 38 idosos, de ambos os sexos, com idades de 60 a 87 anos. A fonoaudióloga do Núcleo de Assistência da Saúde da Família na Atenção Básica e acadêmicos de Fonoaudiologia prepararam ações de educação em saúde sobre os temas em questão. Os participantes eram estimulados a questionar, compartilhar experiências e esclarecer dúvidas sobre memória, voz, audição e deglutição, especialmente como o envelhecimento afeta essas funções. Diários de campo e registros escritos deram suporte à coleta de dados, que foram analisados a partir da Análise de Conteúdo na modalidade temática e interpretados à luz das teorias sobre envelhecimento saudável. Resultados: Os idosos compreendem o envelhecimento como um processo irreversível, que causa adversidades na comunicação e deglutição, levando ao distanciamento social, sentimentos de vergonha e incapacidade. Os participantes apresentaram melhoras no sentido esperado da intervenção, pois passaram a dar maior atenção às práticas educativas em saúde relativas à saúde vocal, deglutição, audição e memória. Conclusão: Conclui-se que os participantes demonstraram autonomia, ao compreender e aplicar em seu cotidiano as orientações dadas nos encontros, passando a ser multiplicadores dos novos aprendizados junto aos seus pares. Ações de educação em saúde que fortaleçam a rede de apoio aos idosos são essenciais, destacando-se a importância dos cuidados continuados e específicos voltados a esse público.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

Priscilla Mayara Estrela Barbosa, Andréa Cintia Laurindo Porto, Moisés Andrade dos Santos de Queiroz, Cláudia Belém Moura Cabral, Rachel Cassiano de Sousa, & Christina César Praça Brasil. (2021). Estratégia de educação em saúde fonoaudiológica para idosos: Relato de experiência . New Trends in Qualitative Research, 8, 155–162. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.155-162