Compreensões e incompreensões sobre a oferta e ausência das Práticas Integrativas e Complementares por parte dos gestores na Atenção Primária à Saúde

Autores

  • Pedro Henrique Brito da Silva Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Goiás, Brasil
  • Leylaine Christina Nunes de Barros Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Goiás, Brasil
  • Janaína da Câmara Zambelli Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Goiás, Brasil
  • Nelson Filice de Barros Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Campinas, Brasil
  • Ellen Synthia Fernandes de Oliveira Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Goiás, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.245-253

Palavras-chave:

Terapias Complementares, Atenção Primária à Saúde, Gestor de Saúde

Resumo

Introdução: Nenhum estudo qualitativo foi conduzido junto aos gestores de serviços de Atenção Primária à Saúde visando entender se a presença ou a ausência de Práticas Integrativas e Complementares nas unidades básicas de saúde contribuem para o conhecimento sobre elas; Objetivo: compreender as percepções dos gestores de saúde sobre as PIC, com ou sem a sua oferta, na Atenção Primária à Saúde; Métodos: Trata-se de um estudo descritivo, exploratório e de natureza qualitativa, com 45 coordenadores de Unidades Básicas de Saúde, mediante utilização de entrevistas semiestruturadas que foram gravadas, transcritas e analisadas com a técnicas de análise de conteúdo temática; Resultados: Emergiram duas categorias temáticas: o desconhecimento dos gestores sobre as Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde; e concepções de cuidado por parte dos gestores dos serviços de Atenção Primária à Saúde. Em conjunto, os resultados evidenciam mesmo com a oferta, existe uma falta de conhecimento tanto dos gestores dessas Unidades de Saúde quanto daqueles que gerem serviços com ausência de Práticas Integrativas e Complementares. Do mesmo modo, as concepções de cuidado também são semelhantes. Esperava-se encontrar definições predominantemente holísticas entres os gestores ofertantes de terapias complementares. Porém, nota-se ainda um forte predomínio do cuidado cartesiano; Conclusões: O contexto biomédico, fragmentado e hopistalocêntrico guiam a assistência na Atenção Primária à Saúde. Portanto, a oferta das Práticas Integrativas e Complementares sozinha não consegue fazer uma “revolução espistemológica e assistencial”. É necessário medidas de educação permanente e abrir espaços de reflexão de pluralidade terapêutica para ampliação da oferta das Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

Pedro Henrique Brito da Silva, Leylaine Christina Nunes de Barros, Janaína da Câmara Zambelli, Nelson Filice de Barros, & Ellen Synthia Fernandes de Oliveira. (2021). Compreensões e incompreensões sobre a oferta e ausência das Práticas Integrativas e Complementares por parte dos gestores na Atenção Primária à Saúde. New Trends in Qualitative Research, 8, 245–253. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.245-253