A influência da formação profissional no desenvolvimento da integralidade na Reabilitação Física

Autores

  • Paula Carolina de Castro Boscateli Faculdade de Mecidina de Marília, Brasil
  • Elza de Fátima Ribeiro Higa Faculdade de Mecidina de Marília, Brasil
  • Antônio Henrique Rodrigues dos Passos Faculdade de Mecidina de Marília, Brasil
  • Maria José Sanches Marin Faculdade de Medicina de Marília, Brasil
  • Luís Carlos Paula e Silva Faculdade de Mecidina de Marília, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.404-411

Palavras-chave:

Integralidade em Saúde, Assistência Integral à Saúde, Reabilitação, ; Equipe de Assistência ao Paciente, Educação

Resumo

Introdução: A saúde da pessoa com deficiência tem primazia e nos últimos anos ganhou expressão, mas para tanto faz-se necessário que profisssionais estejam aptos para atuarem com essa parcela da população seguindo os preceitos e políticas que norteiam suas práticas, nesse escopo tem magnitude a integralidade. Objetivo: Compreender a influência da formação profissional no desenvolvimento da integralidade no contexto da Reabilitação Física. Metodologia: Pesquisa qualitativa sustentada na Hermenêutica-dialética com coleta de informações sócio demográficos e entrevista guiada por uma questão norteadora com  a totalidade dos integrantes da equipe multiprofissional de um Centro de Reabilitação e a análise dos dados recolhidos ocorreu por meio do Método de Interpretação dos Sentidos. Resultados: Os discursos dos profissionais da equipe desvelaram três categorias analíticas: pouca valorização da integralidade na formação profissional, lacuna no processo ensino-aprendizagem relacionada a Reabilitação Física e escassez de treinamentos e cursos com enfoque na integralidade. Nota-se uma percepção superficial da integralidade pelos profissionais apontando para a necessidade de transformação das práticas em saúde, contudo esta mudança de direção encontra-se intimamente atrelada a formação profissional que suplica pela valorização da integralidade.  Conclusões: Através da Hermenêutica-dialética compreende-se a necessidade da mudança do paradigma cultural na formação dos profissionais que só ocorrerá com alterações nos rumos estabelecidos em alguns cursos de graduação, onde a abordagem integral deve superar o reducionismo ao biológico, ou seja, colocar a pessoa com deficiência como foco das ações em substituição a incapacidade; ressalta-se ainda a necessidade de pesquisas futuras para verificar possíveis ações com o propósito da integralidade estar contextualizada no cursos de graduação na área da saúde.

Referências

Aguiar, J. R., & Santos, A. O. (2016). O conceito de integralidade em saúde nos artigos científicos, no Supremo Tribunal Federal (STF) e nos enunciados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Cad. Ibero-Amer. Dir. Sanit., 5(4), 96-111. https://doi.org/10.17566/ciads.v5i4.275

Alves, M. A., Ribeiro, F. F., & Sampaio, R. F. (2016). Potencial de mudança nas práticas de saúde: a percepção de trabalhadores de uma Rede de Reabilitação em (trans)formação. Fisioter. Pesqui., 23(2), 185-192. https://doi.org/10.1590/1809-2950/14945923022016

Ayres, J. R. C. M. (2009). Organização das ações de atenção à saúde: modelos e práticas. Saude soc, 18(2), 11-23. https://doi.org/10.1590/S0104-12902009000600003

Backes, D. S., Carpes, A. D., Piovesan, C., Haeffner, L. S. B., & Lomba, A. B. (2014). Trabalho em equipe multiprofissional na saúde: da concepção ao desafio do fazer na prática. Disciplinarum Scientia, 15(2), 277-289.

Brito-Silva, K., Bezerra, A. F. B., & Tanaka, O. Y. (2012). Direito à saúde e integralidade: uma discussão sobre os desafios e caminhos para sua efetivação. Interface, 16(40), 249-260. https://doi.org/10.1590/S1414-32832012005000014

Comes, Y., Trindade, J. d. S., Pessoa, V. M., Barreto, I. C. d. H. C., Shimizu, H. E., Dewes, D., Arruda, C. A. M., & Santos, L. M. P. (2016). A implementação do Programa Mais Médicos e a integralidade nas práticas da Estratégia Saúde da Família. Ciênc. saúde colet., 2729-2738. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.15472016

Decreto nº 61.003, de 19 de Dezembro de 2014 da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo. (2014). Diário Oficial do Estado de São Paulo: seção 1:1. http://pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/usr/share/documents/PcDcenso_2010RegAdministrativas.pdf

Dormites, S. S., Bento, L. M., Lorenzetti, J., Klein, A. C., & Pires, D. (2015). Processo de trabalho em reabilitação: a perspectiva do trabalhador e do usuário. Aquichán, 15(6), 403-412. https://doi.org/10.1590/1413-81232015219.15472016

Gadamer, H. G. (2015). Verdade e método I (15th ed.). Vozes.

Konder, L. (2008). O que é dialética (25th ed.). Brasiliense.

Lacerda, F. C. B., & Santos, L. M. D. (2018). Integralidade na formação do ensino superior: metodologias ativas de aprendizagem. Avaliação (Campinas; Sorocaba), 23, 611-627. https://doi.org/10.1590/S1414-40772018000300003

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2017). Fundamentos de metodologia científica (8th ed.). Gen Atlas.

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (14th ed.). Hucitec.

Minayo, M. C. S., & Deslandes, S. F. (2013). Caminhos do Pensamento: epistemologia e método (3rd ed.). Fiocruz.

Minayo, M. C. S., Assis, S. G., & Souza, E. R. (2016). Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais (5th ed.). Fiocruz.

Minayo, M. C. S., Deslandes, S. F., & Gomes, R. (2015). Pesquisa social: teoria, método e criatividade (34th ed.). Vozes.

Missel, A., Costa, C. C., & Sanfelice, G. R. (2017). Humanização da saúde e inclusão social no atendimento de pessoas com dificiência física. Trab. educ. Saúde, 15(2). https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00055

Pereira, J. S., & Machado, W. C. A. (2016). Referência e contrarreferência entre os serviços de reabilitação física da pessoa com deficiência: a (des)articulação na microrregião Centro-Sul Fluminense, Rio de Janeiro, Brasil. Physis, 26(3), 1033-1051. https://doi.org/10.1590/S0103-73312016000300016

Pereira, S. O. (2009). Reabilitação de pessoas com deficiência física no SUS: elementos para um debate sobre integralidade [Master’s thesis, Universidade Federal da Bahia]. Repositório Institucional da Universidade Federal da Bahia. http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/10898

População com deficiência e por deficiências - Censo/2010 da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo. (2010). Diário Oficial do Estado de São Paulo. http://pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/usr/share/documents/PcDcenso_2010RegAdministrativas.pdf

Portaria Nº 1.996, de 20 de agosto de 2007 do Ministério da Saúde. (2007). Diário Oficial da União: seção 1. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2007/prt1996_20_08_2007.html

Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012 do Ministério da Saúde. (2012). Diário Oficial da União: seção 1. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html

Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016 do Ministério da Saúde. (2016). Diário Oficial da União: seção 1. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html

Ribeiro, C. T. M., Ribeiro, M. G., Araújo, A. P., Mello, L. R., Rubim, L. C., & Ferreira, J. E. S. (2010). O sistema público de saúde e as ações de reabilitação no Brasil. Rev Panam Salud Publica, 28(1), 43-48. https://scielosp.org/pdf/rpsp/2010.v28n1/43-48/pt

Santos, R. N. L. C., Ribeiro, K. S. Q. S., Anjos, U. U., Farias, D. N., & Lucena, E. M. F. (2015). Integralidade e interdisciplinaridade na formação de estudantes de Medicina. Rev. bras. educ. med., 39(9), 378-387. https://doi.org/10.1590/1981-52712015v39n3e02412014

Schmidt, L. K. (2014). Hermenêutica. (3rd ed). Vozes.

Silva, M. V. S., Miranda, G. B. N., & Andrade, M.A. (2017). Sentidos atribuídos à integralidade: entre o que é preconizado e vivido na equipe multidisciplinar. Interface, 21 (62), 589-599. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0420

Silva, R., & Ramos, F. (2010). Integralidade em saúde: revisão de literatura. Cienc Cuid Saude, 9(3), 593-601. https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v9i3.8726

Teixeira, G. B., Silva, C. A., Teixeira, L. B., & Monteiro, A. I. (2013). Compreendendo o princípio de integralidade na visão de discentes da graduação em enfermagem. Esc. Anna Nery, 17(4), 764-771. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20130022

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

Paula Carolina de Castro Boscateli, Elza de Fátima Ribeiro Higa, Antônio Henrique Rodrigues dos Passos, Maria José Sanches Marin, & Luís Carlos Paula e Silva. (2021). A influência da formação profissional no desenvolvimento da integralidade na Reabilitação Física . New Trends in Qualitative Research, 8, 404–411. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.404-411