A influência da arte do palhaço na formação acadêmica do profissional de saúde

Autores

  • Fabiane de Amorim Almeida Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein, Brasil
  • Caroline Ribeiro Louro União das instituições de Serviço, Ensino e Pesquisa LTDA- Faculdade Peruíbe, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.469-477

Palavras-chave:

Educação Superior, Pessoal de Saúde, Terapia do Riso, Jogos e brinquedos, Humanização da Assistência

Resumo

Profissionais de saúde estão em contato constante com pessoas e a maneira como se relacionam com elas delineia-se a partir da sua formação acadêmica. Um ensino fundamentado nos princípios da humanização e na empatia pode influenciar significativamente nos relacionamentos interpessoais construídos pelo graduando no futuro. Para algumas instituições de ensino, o uso da linguagem do palhaço é uma forma de proporcionar ao estudante da área da saúde o desenvolvimento de habilidades socioemocionais, muitas vezes subestimadas na educação tradicional em saúde.  Objetivo: Compreender o significado da vivência dos profissionais de saúde ao participar de um projeto de extensão sobre a arte do palhaço enquanto graduando. Métodos: Estudo descritivo, de abordagem qualitativa, realizado com 19 profissionais de saúde que participaram do projeto de extensão denominado “Narizes de Plantão” durante a graduação. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas gravadas em vídeo, sendo analisados a partir da Análise Qualitativa do Conteúdo, utilizando-se o Interacionismo Simbólico como referencial teórico. Resultados: Ao relatarem a vivência da arte do palhaço, os participantes expressaram o impacto positivo, transformador e auto terapêutico do projeto durante a graduação, incluindo o desenvolvimento de habilidades socioemocionais em suas vidas acadêmicas. Conclusão: A arte do palhaço mostrou-se uma poderosa ferramenta transformacional e educacional, auxiliando na formação de profissionais de saúde mais empáticos e humanizados. A investigação qualitativa, dada a sua natureza, possibilitou explorar esta realidade em suas diferentes nuances.

Referências

Blumer, H. (1969). The methodological position of symbolic interactionism. In: H. Blumer. Symbolic interacionism: perspective e method. (pp.1-60). University of California.

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União, Brasília (DF), Seção 1:59.

Brum, D.C.,& Porpino, K.O. (2017). Figuras palhacescas: um percurso até os palcos hospitalares. Concept, 6(1)106-23.

Cardozo, E.E., & Munari, D.B. (2005). A formação integral dos profissionais de saúde: possibilidades para a humanização da assistência. Ciênc Cuid Saúde,4(2):163 -70.

Charon, J.M. (2004). Symbolic interactionism: an introduction, an interpretation, an integration. New Jersey: Prentice Hall.

Croix, A., Rose, C., Wildig, E., & Willson, S. (2011). Arts-based learning in medical education: the students’ perspective. Med Educ,45(11):1090-100. Doutores da Alegria. (2020). Conheça. https://doutoresdaalegria.org.br/

Haguette, T.M. (2010). Metodologias qualitativas na sociologia. (12a ed.).Vozes.

Hsieh, H.F., & Shannon, S.E.(2005). Three approaches to qualitative content analysis. Qual Health Res, 2005;15(9):1277-88.

Lanzieri, P.G., Claro, L.B., Bragança, F.C., Montezano, V.R., & Silva CS. (2011). “Boa noite, bom dia HUAP!”, uma experiência de humanização na formação de profissionais da área de saúde. Interface Comun Saúde Educ,15(36):289-98.

Masetti, M. (1998). Soluções de palhaços: transformações na realidade hospitalar. Palas Athena.

Narizes de Plantão. (2019). Muito prazer! https://narizesdeplantao.com.br/

Nogueira-Martins, M.F., Lima-Costa, D., Nogueira-Martins, L.A., & Nogueira-Martins, MC. (2014). Perceptions of healthcare undergraduate students about a hospital clown training. Creat Educ, 5(8):542-51.

Nunes, E.C., Silva, L.W.,& Pires, E.P. (2011). O ensino superior de enfermagem: implicações da formação profissional para o cuidado transpessoal. Rev Lat Am Enfermagem,19(2):252-60.

Oliveira, A.S. (2014). Palhaço no hospital: percepção da influência do pronto sorriso como instrumento de aprendizagem no ensino da graduação em medicina. [Tese de doutorado, Universidade Federal de Goiás]. 106 p.

Paiva, M.L. (2013). Contribuições do Pronto Sorriso na formação do profissional de saúde. [Tese de doutorado, Universidade Federal de Goiás], 67 f.

Ribeiro, C.A, & Pettengill, M.A. (2006). A abordagem interacionista. In: Matheus M.C. & Fustinoni S.M. (Coord.) Pesquisa qualitativa em enfermagem. (pp. 35-4). Livraria Médica Paulista.

Rolim, K.M, Campos, A.C, Cardoso, M.V., & Silva, R.M. (2004). Sensibilizando os discentes para o cuidado humanizado: vivências do ensino-aprendizagem. Rev RENE, 5(2):79-85.

Sato, M., Ramos, A., Silva, C.C., Gameiro, G.R, & Scatena, C.M. (2016). Palhaços: uma revisão acerca do uso dessa máscara no ambiente hospitalar. Interface Comun Saúde Educ,20(56):123-34.

Silva, M, Sampaio J, &, Santos E. (2019). O nível de empatia de participantes do projeto de extensão universitária sorriso de plantão e sua contribuição para a formação em saúde. Rev Contexto Saúde.19(36):79-90.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

Fabiane de Amorim Almeida, & Caroline Ribeiro Louro. (2021). A influência da arte do palhaço na formação acadêmica do profissional de saúde. New Trends in Qualitative Research, 8, 469–477. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.469-477