Atuação dos pais e responsáveis no cuidado da criança em Unidade de Terapia Intensiva

Autores

  • Claudirene Milagres Araújo Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais, Brasil
  • Isabela Mie Takeshita Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais, Brasil
  • Carolina Sant’Anna Gusmão Instituto Materno Infantil de Minas Gerias S/A, Brasil
  • Letícia Fernandes de Oliveira Instituto Materno Infantil de Minas Gerias S/A, Brasil
  • Carla de Paula Silveira Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais, Brasil
  • Alessandra Silva Lima Jardim Faculdade Ciências Médicas de Minas Gerais, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.856-863

Palavras-chave:

Cuidados Críticos, Cuidados de Enfermagem, Família

Resumo

A família é o primeiro alicerce de uma criança, imprescindível para seu crescimento e desenvolvimento adequados. Em diversos contextos a criança passa por momentos de estresse, como na doença e na hospitalização. Essa última pode levar à instabilidade emocional e trauma. Logo, neste processo, é normal a criança sentir medo e outros sentimentos desagradáveis, devido à falta de maturidade para assimilar seu estado de saúde e por estar em um ambiente desconhecido e afastado de seus familiares. É imprescindível que a equipe multidisciplinar desenvolva um cuidado baseado no compartilhamento efetivo de informações, no acesso irrestrito ao filho, na participação efetiva dos pais na tomada de decisões e no respeito mútuo. Objetivo: Compreender a percepção do enfermeiro acerca da atuação dos pais ou responsáveis da criança internada em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Métodos: Estudo descritivo de abordagem qualitativa, por meio de entrevistas online guiadas por roteiro semiestruturado. Foi utilizada a estratégia bola de neve, a amostragem por saturação teórica e os depoimentos foram analisados pelo referencial de Bardin. Resultados: Participaram 13 profissionais enfermeiros. As categorias temáticas elaboradas foram: Atuação dos pais ou responsáveis no apoio emocional e melhora clínica; Execução e restrição do cuidado realizado pelos pais ou responsáveis. Conclusão: O enfermeiro entende como positiva a permanência e a realização de cuidados pelos pais ou responsáveis dentro da Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica, pois auxilia na melhora clínica e no apoio psicológico, além de reaproximar a família do cuidado do filho.

Referências

Azevedo, E. C., Hemesayh, T. P., & Oliveira, V. Z. (2019). A internação de um filho em unidade de terapia intensiva pediátrica: narrativas maternas. Revista da SBPH, 22 (1), 172-194. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s1516-08582019000100010

Brandão C., Ribeiro A., Costa A. P. (2018). Investigação qualitativa: em que ponto estamos? Ciência & Saúde Coletiva, 23(1), 4. https://doi.org/10.1590/1413-81232018231.27992017

Brasil. (2016). Lei nº 13.257, de 8 de março de 2016. Dispõe sobre as políticas públicas para a primeira infância e altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13257.htm

Brasil. (2016). Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em ciências humanas e sociais. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília. https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/22917581

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011

Camponogara, S., Pinno, C., Dias, G. L., Bonfada, M. S., Belmonte, T. D. J., & Loiola, C. N. (2018). Feelings paid by parents of children hospitalized in intensive neonatal and pediatric therapy units/Sentimentos vivenciados por pais de crianças hospitalizadas em unidades de terapia intensiva neonatal e pediátrica/Sentimientos vivenciados por padres de niños. Revista de Enfermagem da UFPI, 7(4), 43-47. https://revistas.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/7109/pdf

Cieslak, G., de Lima Martins, T. C., Berté, M. Â., & Makuch, D. M. V. (2021). Interfaces da presença familiar no tratamento da criança gravemente enferma. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 13(2), e6314-e6314. https://acervomais.com.br/index.php/saude/article/view/6314/4131

Denis-Larocque, G., Williams, K., ST-Sauveur, I., Ruddy, M., & Rennick, J. (2017). Nurses’ perceptions of caring for parents of children with chronic medical complexity in the pediatric intensive care unit. Intensive and Critical Care Nursing Journal, 43(1), 149-155. https://doi.org/10.1016/j.iccn.2017.01.010

Farias, D., BärtschiGabatz, R. I., Milbrath, V. M., Schwartz, E., & Freitag, V. L. (2019). Percepção infantil sobre a necessidade de hospitalização para o reestabelecimento da saúde. Revista Enfermagem Atual In Derme, 87(25), 1-7. https://doi.org/10.31011/reaid-2019-v.87-n.25-art.186

Fayed, N., Cameron, S., Fraser, D., Cameron, J. I., Al-Harbi, S., Simpson, R., Wakim, M., Chiu, L., & Choong, K. (2020). Priority Outcomes in Critically Ill Children: A Patient and Parent Perspective. American Journal of Critical Care, 29 (5), e94–e103. https://doi.org/10.4037/ajcc2020188

Guerra, C. M., Chesani, F. H., & Bossardi, C. N. (2019). UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA: VISÃO DA CRIANÇA SOBRE O PROCESSO DE INTERNAÇÃO. Revista Univap, 25(48), 176-188. https://revista.univap.br/index.php/revistaunivap/article/view/2205/1545

Junqueira, C. C. S., Leôncio, A. B. A., Vaz, E. M. C., Santos, N. C. C. B., Collet, N., & Reichert, A. P. (2020). Estimulação de crianças com síndrome congênita pelo zika vírus no domicílio: desafios do cuidador. Revista Gaúcha de Enfermagem, 41(1), 1-9. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2020.20190247

Kirchherr, J., & Charles, K. (2018). Enhancing the sample diversity of snowball samples: Recommendations from a research project on anti-dam movements in Southeast Asia. PloS one, 13(8), e0201710. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0201710

Macedo, I. F., Souza, T. V., Oliveira, I. C. S., Cibreiros, A. S., Morais, R. C. M., & Vieira, R. F. C. (2017). Nursing team's conceptions about the families of hospitalized children. Revista Brasileira de Enfermagem, 70(5), 904-911. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0233

Martins, P. L., Azevedo, C. S., & Afonso, S. B.C. (2018). O papel da família nos planos de tratamento e no cuidado pediátrico hospitalar em condições crônicas complexas de saúde. Revista Saúde e Sociedade, 27(4), 1218-1229. https://doi.org/10.1590/S0104-12902018170402

Naderifar, M., Goli, H., & Ghaljaie F. (2017). Snowball Sampling: A Purposeful Method of Sampling in Qualitative. Strides in Development of Medical Education Journal, 14(3), e67670. http://dx.doi.org/10.5812/sdme.67670

Ramos, D. Z., Lima, C. Z., Leal, A. L., Prado, P. F., Oliveira, V. V., Souza, A. A. M., Figueiredo, M. l., & Leite, M. T. S. (2016). A participação da família no cuidado às crianças internadas em unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 29(2), 189-196. https://doi.org/10.5020/18061230.2016.p189

Richards, C. A., Starks, H., Connor, M. R., & Doorenbos, A. Z. (2018). Elements of Family-Centered Care in the Pediatric Intensive Care Unit: An Integrative Review. Journal of Hospice & Palliative Nursing, 19(3), 238-246. https://dx.doi.org/10.1097%2FNJH.0000000000000335

Ribeiro, K. R. A., Borges, S. P., Balduino, J. A. S., Silva, F. A., & Ramos, T. M. S. T. (2017). Dificuldades encontradas pela enfermagem para implementar a humanização na unidade de terapia intensiva. Revista de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí, 6(2), 51-56. https://doi.org/10.26694/reufpi.v6i2.5777

Sampaio, A. A., Zonta, J. B., Ferreira, F. Y., & Okido, A. C. C. (2017). Family-centered care in a pediatric intensive care unit: professionals’ perceptions. Rene, 18(4), 515-520. https://doi.org/10.15253/2175-6783.2017000400013

da Silva, P. S. L., & Fonseca, M. C. M. (2019). Which children account for repeated admissions within 1 year in a Brazilian pediatric intensive care unit? Jornal de Pediatria, 95(5), 559–566. https://doi.org/10.1016/j.jped.2018.04.009

Silva, C. C. D., Souza, M. A. D., Cabeça, L. P. F., & Melo, L. D. L. (2020). Modos de ser de profissionais de enfermagem em terapia intensiva pediátrica: vivências com famílias. Revista Mineira de Enfermagem, 24, 1-8.

Valderrama Sanabria, M. L., & Muñoz de Rodriguez, L. (2016). Needs of parents in caring for their children in a Pediatric Intensive Care Unit. Investigación y Educación en Enfermería, 34(1), 29-37. https://doi.org/10.17533/udea.iee.v34n1a04

Vaz, J. C., Milbrath, V. M., Gabatz, R. I. B., Krug, F. R., Hirschmann, B., & Oliveira, M. M. (2018). Cuidado à família da criança com doença crônica. Revista de Enfermagem da Universidade Federal de Pernambuco, 12(5), 1397-1408. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i5a230852p1397-1408-2018

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

Claudirene Milagres Araújo, Isabela Mie Takeshita, Carolina Sant’Anna Gusmão, Letícia Fernandes de Oliveira, Carla de Paula Silveira, & Alessandra Silva Lima Jardim. (2021). Atuação dos pais e responsáveis no cuidado da criança em Unidade de Terapia Intensiva. New Trends in Qualitative Research, 8, 856–863. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.856-863