The use of Psychiatric Drugs: An Integrative Review

Authors

  • Beatriz Soto Boni Curso de Enfermagem da Faculdade de Medicina de Marília, Brasil
  • Kátia Terezinha Alves Rezende Faculdade de Medicina de Marília, Brasil
  • Fernanda Moerbeck Cardoso Mazzetto Faculdade de Medicina de Marília, Brasil
  • Sílvia Franco da Rocha Tonhom Faculdade de Medicina de Marília, Brasil
  • Milena Rezende Secretaria Municipal de Saúde de Marília, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.880-889

Keywords:

Psychotropics, Mental Health Assistance, Drug Prescriptions, Mental Disorders, Review

Abstract

The prescription of psychotropic and / or psychotropic drugs has increased significantly in recent years, with this class of medication being one of the most prescribed today. It is an integrative review of the literature in which the search was carried out in the VHL, selecting the databases LILACS and BDENF. Twenty journal articles published from 2009 to 2019 were analyzed, in English, Portuguese and Spanish. The results show that the country with the greatest production of articles was Brazil and indicate that from young adults to the elderly, they are the main users of these drugs. Among the most prescribed psychotropic and / or psychotropic drugs are Clonazepam, Diazepam and Fluoxetine and the main prescribers are general practitioners. The situations in which these drugs are prescribed are complaints of anxiety and insomnia. Regarding the time of use of these medications, there is a prevalence of use between three to six years. It is concluded that the use of this class of drugs is highly prevalent, demonstrating the need for Continuing and Permanent Education in Mental Health to these professionals, emphasizing the rational use of these drugs.

References

Baldoni, A. O., Ayres, L. R., Martinez, E. Z., Dewulf, N. L. S., Santos, V, Obreli-Neto, P. R., Pereira, L. R. L. (2013). Pharmacoepidemiological profile and polypharmacy indicators in elderly outpatients. Brazilian Journal of Pharmaceutical Sciences, v. 49, n. 3, p. 443-452.

Bear, M. F., Connors, B. W., Paradiso, M. A. (2010). Neurociências: desvendando o sistema nervoso. 3. ed. Artmed.

Borges, T. L., Hegadoren, K. M., Miasso, A. I. (2015). Transtornos mentais comuns e uso de psicofármacos em mulheres atendidas em unidades básicas de saúde em um centro urbano brasileiro. Revista Pan-americana de Saúde Pública, v. 38, n. 3, p. 195-201.

Borges, T. L., Miasso, A. I., Vedana, K. G. G., Telles Filho, P. C. P., Hegadoren, K. M. (2015). Prevalência do uso de psicotrópicos e fatores associados na atenção primária à saúde. Revista Acta Paulista de Enfermagem, v. 28, n. 4, p. 344-349.

Braga, D. C., Bortolini, S. M., Pereira, T. G., Hildebrando, R. B., Conte, T. A. (2016). Uso de psicotrópicos em um município no meio oeste de Santa Catarina. Journal of the Health Sciences Institute. v. 34, n. 2, p. 108-113.

Bueno, D., Almeida, T. T.,Rocha, B. S. (2017). Prevalência de prescrição de medicamentos potencialmente inapropriados para idosos em uma Unidade de Saúde de Porto Alegre RS. Revista de APS, v. 19, n. 3, p. 370-375.

Ercole, F. F., Melo, S. M., Alcoforado, C. L. G. C. (2014). Revisão Integrativa versus Revisão Sistemática. REME: Revista Mineira de Enfermagem, v. 18, n. 1, p. 9-11.

Filardi, A. F. R., Mendonça, S. A. M., Oliveira, D. R. (2021). O ser humano é assim, sofre, mas alguns dias são piores: A percepção dos pacientes para o início do uso dos medicamentos psicotrópicos. Revista Psicologia em Estudo.

Fontana, A. M. (2005) Manual de clínica em psiquiatria. Editora Atheneu.

Ganong, L. H. (1987) Integrative reviews of nursing research. Res. Nurs. Health, v. 10, n. 1, p. 1-11.

Guerra, C. S., Herculano, M. M., Ferreira Filha, M. O., Dias, M. D., Cordeiro, R. C., Araújo, V. S. (2013). Perfil epidemiológico e prevalência do uso de psicofármacos em uma unidade de referência para saúde mental. Revista de Enfermagem UFPE online, v. 7. n. 6, p. 4444-4451.

Katzung, B. G. (2010). Farmacologia básica e clínica. 10. ed. AMGH.

Lima, A. F. B. S., Fleck, M. P. A. (2011). Qualidade de vida, diagnóstico e tratamento de pacientes com depressão maior: uma coorte prospectiva em cuidados primários. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 33, n. 3, p. 245-251.

Medeiros Filho, J. S. A., Azevedo, D. M., Pinto, T. R., Silva, G. W. S. (2018). Uso de psicofármacos na atenção primária à saúde. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 31, n. 3, p. 1-12.

Mezzari, R., Iser, B. P. M. (2015). Desafios na prescrição de benzodiazepínicos em unidades básicas de saúde. Revista AMRIGS, v. 59, n. 3, p.198-203.

Molck, B. V., Barbosa, G. C., Domingos, T. S. (2021). Psicotrópicos e Atenção Primária à Saúde: a subordinação da produção de cuidado à medicalização no contexto da Saúde da Família. Revista Interface: comunicação, saúde e educação.

Nordon, D. G., Akamine, K., Novo, N. F., Hübner, C. K. (2009). Características do uso de benzodiazepínicos por mulheres que buscavam tratamento na atenção primária. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 31, n. 3, p. 152-158.

Oliveira V, M. (2009). Dependencia a benzodiazepinas en un centro de atención primaria de salud: Magnitud del problema y orientaciones para el manejo integral. Revista Chilena de Neuro- Psiquiatria, v. 47, n. 2, p. 132-137.

Oliveira, J. R. F., Varallo, F. R., Jirón, M., Ferreira, I. M. L., Siani-Morello, M. R., Lopes, V. D., Pereira, L. R. L. (2021). Descrição do consumo de psicofármacos na atenção primária à saúde de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. Revista Caderno de Saúde Pública. v.37(1).

Organização Mundial da Saúde. (2006). Neurociência do uso e da dependência de substâncias psicoativas. Roca, p.18-30.

Passos Neto, C. D., Leite, E. S., Martins, A. K. L., Oliveira, F. B., Castro, A. P., Pimenta, C. J. L. (2020). Consumo de benzodiazepínicos por idosos usuários da Estratégia de Saúde da Família. Revista de Pesquisa, Cuidado é Fundamental, v. 12, p. 883-889.

Pereira, M. O., Souza, J. M., Costa, A. M., Vargas, D., Oliveira, M. A. F., Moura, W. N. (2012). Perfil dos usuários de serviços de Saúde Mental no município de Lorena - São Paulo. Acta Paulista de Enfermagem, v. 25, n. 1, p. 48-54.

Prado, M. A. M. B., Francisco, P. M. S. B., Barros, M. B. A. (2017). Uso de medicamentos psicotrópicos em adultos e idosos residentes em Campinas, São Paulo: um estudo transversal de base populacional. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 26, n. 4, p. 747-758.

Ramon, J. L., Santos, D. A. S., Beltrão, B. L. A., Goulart, L. S., Ribeiro, L. A., Faria, F. R., Olinda, R. A. (2019). Uso de psicotrópicos em uma unidade de Estratégia de Saúde da Família. Revista Enfermagem Atual in Derme, v. 87, n. 25.

Rocha, B. S., Werlang, M. C. (2012). Psicofármacos na Estratégia de Saúde da Família: perfil de utilização, acesso e estratégias para a promoção do uso racional. Ciências & Saúde Coletiva, v. 18, n. 1, p. 3291-3300.

Rodrigues, P. S., Francisco, P. M. S. B., Fontanella, A. T., Borges, R. B., Costa, K. S. (2020). Uso e fontes de obtenção de psicotrópicos em adultos e idosos brasileiros. Ciência & Saúde Coletiva, 25(11): p. 4601-4614.

Sadock, B. J.; Sadock, V. A., Sussman, N. (2015). Manual de farmacologia psiquiátrica de Kaplan & Sadock. 6. ed. Artmed.

Sánchez Ricardo, L. I., Hérnandez Gárciga, F. F. (2010). Consumo de benzodiazepinas en pacientes geriátricos del Consultorio 12, Policlínico ''Campo Florido''. Revista Cubana de Farmácia, v. 44, n. 3, p. 346-353.

Schallemberger, J. B., Colet, C. F. (2016). Assessment of dependence and anxiety among benzodiazepine users in a provincial municipality in Rio Grande do Sul, Brazil. Trends in Psychiatry and Psychotherapy, v. 38, n. 2, p. 63-70.

Schellack, G. (2006). Farmacologia: uma abordagem didática. Fundamento Educacional.

Schenkel, M., Colet, C. F. (2016). Uso de antidepressivos em um município do Rio Grande do Sul. Arquivos de Ciências da Saúde UNIPAR, v. 20, n. 1, p. 33-42.

Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Ministério da Saúde (2017). Componente avaliação dos serviços de assistência farmacêutica básica: resultados. Ministério da Saúde.

Silva, V. P., Botti, N. C. L., Oliveira, V. C., Guimarães, E. A. A. (2016). Características do uso e da dependência de benzodiazepínicos entre usuários: atenção primária à saúde. Revista Enfermagem UERJ, v. 24, n. 6.

Silva, V. P., Botti, N. C. L., Oliveira, V. C., Guimarães, E. A. A. (2015). Perfil epidemiológico dos usuários de benzodiazepínicos na atenção primária à saúde. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, v. 5, n. 1, p. 1393-1400.

Telles Filho, P. C. P., Chagas, A. R., Pinheiro, M. L. P., Lima, A. M. J., Durão, A. M. S. (2011). Utilização de benzodiazepínicos por idosos de uma Estratégia de Saúde da Família: implicações para enfermagem. Escola Anna Nery, v.15, n. 3, p. 581-586.

Videbeck, S. L. (2012). Enfermagem em saúde mental e psiquiatria. 5. ed. Artmed.

Whittemore, R., Knafl, K. (2005) The integrative review: updated methodology. J. Adv. Nurs., v. 52, n. 5, p. 546-553.

Yoneyama, B. C., Maruiti, A. M. P., Esteves, R. Z. (2016). Um olhar sobre os usuários de medicamentos psicoativos acompanhados na Atenção Primária em Saúde em Maringá - Paraná. Revista de Saúde Pública do Paraná Online, v. 17, n. 1, p. 114-120.

Published

2021-07-08

How to Cite

Beatriz Soto Boni, Kátia Terezinha Alves Rezende, Fernanda Moerbeck Cardoso Mazzetto, Sílvia Franco da Rocha Tonhom, & Milena Rezende. (2021). The use of Psychiatric Drugs: An Integrative Review. New Trends in Qualitative Research, 8, 880–889. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.880-889

Issue

Section

Chapters