Invisibilidade pública das Práticas Integrativas e Complementares e humilhação social dos trabalhadores que as ofertam na Atenção Primária à Saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e645

Palavras-chave:

Terapias Complementares, Atenção Primária à Saúde, Pessoal de Saúde, Saúde Pública

Resumo

Introdução: “(R)existir” perante a hegemonia biomédica torna a oferta das Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde ainda mais desafiadora, mesmo com a vigência de uma política nacional que estabelece a sua implementação. O atual cenário político e institucional desfavorece aquilo que se afasta do “convencional”. A primazia pela manutenção do status quo resulta em resistência ao “diferente”. Isso influencia as práticas assistenciais, de modo que as Práticas Integrativas e Complementares podem sofrer entraves e revelar tensionamentos quanto a sua realização. Objetivo: Compreender, na perspectiva dos profissionais, os fatores que contribuem para a produção de humilhação social e invisibilidade pública das Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo, exploratório, com abordagem qualitativa. Realizaram-se entrevistas semiestruturadas com 20 profissionais, de 14 serviços de Atenção Primária à Saúde, em três cidades da Região Metropolitana de Goiânia, entre os meses de janeiro a agosto de 2018. As entrevistas foram gravadas, transcritas e tratadas com a análise de conteúdo temática. Resultados: Da análise, emergiram duas categorias: a humilhação social dos profissionais das Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde e a produção de invisibilidade pública das Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde. Os profissionais sofrem diferentes formas de humilhação social com o desapoio do seu trabalho e as Práticas Integrativas e Complementares padecem de invisibilidade pública pela discussão insuficiente sobre a sua oferta nas reuniões de equipe e inconsistência do registro nos prontuários dos usuários. Conclusão: As Práticas Integrativas e Complementares têm enfrentado uma inclusão parcial e precária na Atenção Primária à Saúde.

Referências

Aspers, P., & Corte, U. (2019). What is Qualitative in Qualitative Research. Qualitative Sociology, 42, 139-160.

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Edições 70.

Barros, L. C. N., Oliveira, E. S. F., Hallais, J. A. S., Teixeira, R. A. G., & Barros, N. F. (2020). Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde: Percepções dos Gestores dos Serviços. Escola Anna Nery, 24(2), e20190081.

Barros, N. F., Spadacio, C., & Costa, M. V. (2018). Trabalho interprofissional e as Práticas Integrativas e Complementares no contexto da Atenção Primária à Saúde: potenciais e desafios. Saúde Debate, 42, 163-173.

Bosi, A. Fenomenologia do Olhar. (2002). In Aguiar F. Editor et al, O olhar. Companhia das Letras.

Brasil. (2006). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2017). Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html. Acesso em: 11 mar. 2020.

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Portaria n° 702, de 21 de março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação n°2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional. Diário Oficial da União.

Cavalcanti, F., Amado, D., Asquidamini, F., Rocha, P. R. S., Sá, R. M., & Campos, T. P. (2014). Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: histórico, avanços, desafios e perspectivas. In Barreto, A. F. Editor, Práticas integrativas em saúde: proposições teóricas e experiências na saúde e educação. UFPE.

Costa, F. B. (2004). Homens invisíveis – relatos de uma humilhação social. Globo.

Fox, N. J. (2011). Boundary Objects, Social Meanings and the Success of New Technologies. Sociology, 45(1), 70-85.

Gale, N. (2014). The Sociology of Traditional, Complementary and Alternative Medicine. Sociology Compass, 8(6), 805-822.

Gonçalves Filho, J. M. (2004). A invisibilidade pública. In Costa, F. B. Editor, Homens invisíveis – relatos de uma humilhação social. Globo.

Gonçalves Filho, J. M. (2013). Humilhação Social: humilhação política. In Souza, B. P. Editor, Orientação à queixa escolar. Casa do Psicólogo.

Grando, M. K., & Dall’Agnol, C. M. (2010). Desafios do processo grupal em reuniões de equipe da estratégia Saúde da família. Escola Anna Nery, 14(3), 504-510.

Habimorad, P. H. L., Catarucci, F. M., Bruno, V. H. T., Silva, I. B., Fernandes, V. C., & Demarzo, M. M. P. (2020). Potencialidades e fragilidades de implantação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Ciência & Saúde Coletiva, 25(2), 395-405.

Hollenberg, D., & Muzzin, L. J. (2010). Epistemological challenges to integrative medicine: an anti-colonial perspective on the combination of complementary/alternative medicine with biomedicine. Health Sociology Review, 19(1), 34-56.

Jardim, D. F., & López, L. C. (2013). Políticas da Diversidade: (In)visibilidades, pluralidade e cidadania em uma perspectiva antropológica. Editora da UFRGS.

Kidd, I. J. (2013). A pluralist challenge to "integrative medicine": Feyerabend and Popper on the cognitive value of alternative medicine. Studies in History and Philosophy of Biological and Biomedical Science, 44(3), 392-400.

Matos, G. C. R., Silva, J. M., & Silveira, A. M. (2020). Trabalho e saúde: a perspectiva dos agentes de combate a endemias do município de Belo Horizonte, MG. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 45, e15.

Minayo, M. C. S. (2017). Amostragem e saturação em pesquisa qualitativa: consensos e controvérsias. Revista de Pesquisa Qualitativa, 5, 1-12.

Ministério da Saúde. (2017). SCNES – Sistema de Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde. Consultado a 8 de janeiro de 2017. http://cnes2.datasus.gov.br/Mod_Ind_Especialidades.asp?VEstado=52&VMun=

Paradis, E., & Whitehead, C. R. (2017). Louder than words: power and conflict in interprofessional education articles 1954–2013. Medical Education, 49, 399-407.

Pinto, E. C. (2005). Prontuário do paciente: informações para a gestão em saúde. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/Fundação Oswaldo Cruz.

Roberts, K., Betts, D., Dowell, T., & Nie, J. B. (2020). Why are we hiding? A qualitative exploration of New Zealand acupuncturists views on interprofessional care. Complementary Therapies in Medicine, 52, 102419.

Ruela, L. O., Moura, C. C., Gradim, C. V. C., Stefanello, J., Iunes, D. H., & Prado, R. R. (2019). Implementação, acesso e uso das Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde: revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, 24(11), 4239-4250.

Schwartz, M. R., Cole, A. M., Keppel, G. A., Gilles, R., Holmes, J., & Price, C. (2021). Complementary and Integrative Health Knowledge and Practice in Primary Care Settings: A Survey of Primary Care Providers in the Northwestern United States. Global Advances in Health and Medicine, 10, 1-9.

Sharp, D., Lorenc, A., Feder, G., Little, P., Hollinghurst, S., Mercer, S., & MacPherson, H. (2018). 'Trying to put a square peg into a round hole': a qualitative study of healthcare professionals' views of integrating complementary medicine into primary care for musculoskeletal and mental health comorbidity. BMC Complementary and Alternative Medicine, 18(1), 290.

Shuval, J. T., Gross, R., Ashkenazi, Y., & Schachter, L. (2012). Integrating CAM and Biomedicine in Primary Care Settings: Physicians’ Perspectives on Boundaries and Boundary Work. Qualitative Health Research, 22(10), 1317-1329.

Silva, P. H. B., Barros, L. C. N., Barros, N. F., Teixeira, R. A. G., & Oliveira, E. S. F. (2021). Formação Profissional em Práticas Integrativas e Complementares: o sentido atribuído por trabalhadores da Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 26(2), 399-408.

Takeshita, I. M., Sousa, L. C. S., Wingester, E. L. C., Santos, C. A., & Aroeira A. S. (2021). A implementação das Práticas Integrativas e Complementares no SUS: uma revisão integrativa. Brazilian Journal of Health Review, 4(2), 7848-7861.

Weil, S. (2008). A condição operária e outros escritos sobre a opressão. Paz e Terra.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Pedro Henrique Brito da Silva, Ellen Synthia Fernandes de Oliveira, Nelson Filice de Barros, Leylaine Christina Nunes de Barros, & Janaína da Câmara Zambelli. (2022). Invisibilidade pública das Práticas Integrativas e Complementares e humilhação social dos trabalhadores que as ofertam na Atenção Primária à Saúde. New Trends in Qualitative Research, 13, e645. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e645