Entre o Racismo Estrutural e o institucional: Reflexões sobre a Saúde da População Negra no Contexto da Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e702

Palavras-chave:

Racismo, Covid-19, Setor Saúde, População Negra

Resumo

Introdução: A determinação social da saúde compreende que a estrutura social tem influência direta no processo saúde-doença. A partir desses pressupostos, os contextos político, histórico e socioeconômico devem ser considerados quando se trata de intervenções que visem à melhoria das condições de saúde e de vida. A história mostra que a população negra vivencia, desde o período da escravidão, a condição de vulnerabilidade social e de negligenciamento do Estado. Objetivo Refletir sobre a condição de saúde da população negra na pandemia da covid-19 a partir do racismo estrutural e institucional. Metodologia Este estudo é qualitativo, em formato de ensaio teórico, de modo que busca compreender o racismo na saúde da população negra no contexto da pandemia do novo coronavírus. A forma ensaísta experimenta o diálogo com diversos autores de forma crítica e reflexiva para compreender a realidade. Resultados A fragilidade do registro da informação de raça e cor pode servir como alerta para expor o histórico racismo institucional do setor saúde, por meio da negação do cumprimento da Portaria n° 344, a não adesão à PNSIPN e também na ausência de estímulo da gestão do setor saúde para o preenchimento do registro raça e cor pelos trabalhadores. Compreende-se que, além do histórico de negligências que ainda é presente nos dias atuais, a população negra lida com narrativas na contramão das ciências e com ausências de políticas específicas para a sua proteção. Considerações finais Pontua-se a importância de conhecer a condição de vida e de saúde desta população para organizar, de forma crítica e equânime, o planejamento de atuação em saúde. Assim, em situações de surtos e epidemias, é possível compreender como a população negra pode ser atingida e quais serão os principais caminhos para a assegurar a proteção dos agravos e das doenças.

Referências

Adorno, R. C. F., Alvarenga, A. T., & Vasconcellos, M. P. (2004) Quesito cor no sistema de informação em saúde. Estudos Avançados, 18(50), 119-123. https://doi.org/10.1590/S0103-40142004000100011

Almeida, S. L. (2018). O que é racismo estrutural? Letramento.

Asano, C. L., Ventura, D. F. L., Aith, F. M. A., Reis, R. R., & Ribeiro, T. B. (2021). Direito e pandemia: ordem jurídica e sistema judiciário não foram suficientes para evitar graves violações. Boletim Direitos na Pandemia, 10. https://www.conectas.org/wp-content/uploads/2021/03/Boletim_Direitos-na-Pandemia_ed_10.pdf

Barbosa, M. S. (2006). Guerreiro Ramos: o personalismo negro. Tempo Social, 18(2), 217-228. https://doi.org/10.1590/S0103-20702006000200011

Bardi, G., Bezerra, W. C., Monzeli, G. A., Pan, L. C., Braga, I. F., & Macedo, M. D. C. (2020). Pandemia, desigualdade social e necropolítica no Brasil: reflexões a partir da terapia ocupacional social. Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional, 4(5), 496-508.

Batista, L. E., & Kalckmann, S. (2005). Seminário Saúde da População Negra. Instituto de Saúde.

Borghi, C. M. S. O., Oliveira, R. M., & Servalho, G. (2018). Determinação ou Determinantes Sociais da Saúde: Texto e Contexto na América Latina. Trabalho, Educação e Saúde, 16(3), 869-897. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00142

Carvalho, D., & Meirinho, D. (2020). O quesito cor/raça: desafios dos indicadores raciais de mortalidade materna como subsídio ao planejamento de políticas públicas em saúde. Revista Eletrônica de Comunicação Informação & Inovação em Saúde, 14(3), 656-680. https://doi.org/10.29397/reciis.v14i3.1905

Fernandes, F. (2006). A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica (5ª ed). Globo.

Fleury-Teixeira, P., & Bronzo, C. (2010). Determinação social da saúde e política. In R. P. Nogueira (org.), Determinação social da saúde e Reforma Sanitária (pp. 37-59). Cebes.

Fanon, F. (1968). Os condenados da Terra. Civilização brasileira.

Jesus, V. (2020). Racializando o olhar (sociológico) sobre a saúde ambiental em saneamento da população negra: um continuum colonial chamado racismo ambiental. Saúde e Sociedade, 29(2), 1-15. https://doi.org/10.1590/S0104-12902020180519

López, L. C. (2012). The concept of institutional racism: applications within the healthcare field. Interface (Botucatu), 16(40), 121-134. https://doi.org/10.1590/S1414-32832012005000004

Maio, M. C., & Monteiro, S. (2005). Tempos de racialização: o caso da "saúde da população negra" no Brasil. História, Ciência, Saúde- Manguinhos, 12(2), 419-446. https://doi.org/10.1590/S0104-59702005000200010

Marino, A., Brito, G., Mendonça, P., & Rolnik, R. (2021, 26 de maio). Prioridade na vacinação negligencia a geografia da Covid-19 em São Paulo. Labcidade. http://www.labcidade.fau.usp.br/prioridade-na-vacinacao-negligencia-a-geografia-da-covid-19-em-sao-paulo/

Meneghetti, F. K. (2011). O que é um ensaio-teórico?.Revista de Administração Contemporânea, 15(2), 320-332. https://doi.org/10.1590/S1415-65552011000200010

Melo, M. L. (2020, 19 de março). Primeira vítima do RJ era doméstica e pegou coronavírus da patroa no Leblon. Portal UOL. https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/03/19/primeira-vitima-do-rj-era-domestica-e-pegou-coronavirus-da-patroa.htm?cmpid=copiaecola

Ministério da Saúde. (1986). Relatório Final da 8ª Conferência Nacional de Saúde. Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/8_conferencia_nacional_saude_relatorio_final.pdf

Ministério da Saúde. (2013). Política Nacional de Saúde Integral da População Negra: uma política para o SUS. Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2014). Campanha: racismo faz mal à saúde. Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde. (2017). Indicadores de Vigilância em Saúde descritos segundo a variável raça/cor, Brasil. Boletim Epidemiológico, 48(4).

Negros no Trabalho. (2013). Boletim Especial, 1. https://www.dieese.org.br/analiseped/2013/2013pednegrosmetEspecial.pdf

Oliveira, B. M. C. & Kubiak, F. (2019). Racismo institucional e a saúde da mulher negra: uma análise da produção científica brasileira. Saúde em Debate, 43(122), 939-948. https://doi.org/10.1590/0103-1104201912222

Oliveira, R. G., Cunha, A. P., Gadelha, A. G. S., Carpio, C. G., Oliveira, R. B., & Côrrea, R. M. (2020). Desigualdades raciais e a morte como horizonte: considerações sobre a COVID-19 e o racismo estrutural. Cadernos de Saúde Pública, 36(9), e00150120. https://doi.org/10.1590/0102-311X00150120

Paixão, M., & Gomes, F. (2008). Histórias das diferenças e das desigualdades revisitadas: notas sobre gênero, escravidão, raça e pós-emancipação. Estudos Feministas, 16(3), 949-964. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2008000300014

Portaria nº 344, de 1 de fevereiro de 2017. (2017). Dispõe sobre o preenchimento do quesito raça/cor nos formulários dos sistemas de informação em saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt0344_01_02_2017.html

Portaria nº 992, de 13 de maio de 2009. (2009). Institui a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt0992_13_05_2009.html

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In A. Quijano. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas (pp. 117-142). CLACSO.

Ramos, A. G. (1955). Patologia social do “‘branco’ brasileiro”. Jornal do Commercio.

Santos, M. P. A., Nery, J. S., Goes, E. F., Silva, A., Santos, A. B. S., Batista, L. E., & Araújo, E. M. (2020). População negra e Covid-19: reflexões sobre racismo e saúde. Estudos Avançados, 34(99), 225-244. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.3499.014

Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. (2020, abril). GT de Saúde da População Negra: manifestação sobre ausência de dados da Covid-19 desagregados por raça-cor. https://www.sbmfc.org.br/noticias/gt-desaudedapopulacaonegramanifestacaosobreausencia-de-dados-da-covid-19desagregadospor-raca-cor/

Wermuth, M.A.D., Marcht, L. M., & Mello, L. (2020). Necropolítica: Racismo e Políticas de Morte no Brasil Contemporâneo. Revista de Direito da Cidade, 12(2), 1053-1083. https://doi.org/10.12957/rdc.2020.49790

Werneck, J. (2016). Racismo institucional e saúde da população negra. Saúde e Sociedade, 25(3), 535-549. https://doi.org/10.1590/S0104-129020162610

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Deborah Zuleide de Farias Melo, & Janete Lima de Castro. (2022). Entre o Racismo Estrutural e o institucional: Reflexões sobre a Saúde da População Negra no Contexto da Covid-19. New Trends in Qualitative Research, 13, e702. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e702