Monumentos, planilhas e origami

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e740

Palavras-chave:

Objeto como objeto de pesquisa, Monumentos, Metodologia de Pesquisa, Sociologia da Ciência, História Oral

Resumo

O planeamento e desenvolvimento de uma pesquisa sobre o uso político de monumentos na Hungria desde 2010 me levou a um impasse metodológico e não consegui progressos pelo que entendia ser a fórmula dos manuais para definir e resolver um problema. Embora tivesse um tema, um objeto e um pressentimento de que havia algo a ser investigado, não conseguia descrever em uma frase o problema e nem a questão de pesquisa. Acreditava que encontraria o problema ao analisar os atos do governo e a opinião pública e iniciei a revisão bibliográfica, catalogação de monumentos e escolha de uma amostra representativa. Ao tratar os monumentos como dados, ignorei que eles eram as testemunhas e vítimas a serem ouvidas. Pretendo descrever criticamente essa jornada através do objeto de pesquisa, decisões erradas e caminhos alternativos que me mostraram outras possibilidades. Meu objetivo é responder porque o ponto de partida da minha pesquisa estava errado e o que possibilitou a correção da rota durante o percurso. Partindo da experiência de campo, ilustrarei como a história individual e coletiva dos monumentos me possibilitou delimitar um problema que não cabia em planilhas ou modelagens. O uso de autores da arquitetura, história, linguística, memória, entre outros me possibilitou um olhar multidisciplinar o qual pretendo apresentar brevemente. A flexibilização das fronteiras entre áreas do conhecimento, ciência e artes se complementaram e não foram excludentes entre si nesta pesquisa, permitindo certa liberdade interpretativa no contexto, espaço e tempo. Adicionalmente, as teorias autor-rede e fontes secundárias, obtidos a partir de mecanismos de busca online serão utilizados na análise do processo de investigação. Espero demonstrar que a minha decisão errada de planeamento de pesquisa literal e inspirada em conceitos quantitativos me levou a um lugar até então inexplorado por mim: o objeto como objeto de pesquisa.

Referências

Agamben, G. (2009). O que é o contemporâneo? E outros ensaios (V. de C. Honesko, Trad.). Argos.

Ares, G. (2021). Eclipse de memórias e extrema-direita: As intervenções no bairro Lipótváros em Budapeste, Hungria. 25. https://www.anpocs.com/index.php/encontros/papers/45-encontro-anual-da-anpocs/gt-33/gt10-27

Bauman, Z. (2017). Retrotopia (R. Aguiar, Trad.; 1a-eBook Kindle ed.). Zahar.

Bayer, L. (2016, outubro 23). Viktor Orbán’s revision of the 1956 revolution [News agency]. Politico. https://www.politico.eu/article/viktor-orbans-revision-of-the-1956-revolution/

Becker, H. S. (2007a). Segredos e truques da pesquisa (M. L. X. de A. Borges, Trad.). Zahar.

Becker, H. S. (2007b). Telling about society. University of Chicago Press. https://press.uchicago.edu/ucp/books/book/chicago/T/bo5485353.html

Becker, H. S. (2010). Mundos da arte (Estudos de Arte). Livros Horizonte.

Callon, M., & Latour, B. (1981). Unscrewing the big Leviathan: How actors macro-structure reality and how sociologists help them to do so. Em K. K. Cetina & A. V. Cicourel, Advances in social theory and methodology: Toward an integration of micro- and macro-sociologies (pp. 277–303). Routledge & Kegan Paul. http://www.bruno-latour.fr/sites/default/files/09-LEVIATHAN-GB.pdf

Cohen, P. (1989). The architecture of doom [Documentary; DVD]. POJ Film Produktion, AB Filminstitutet Sveriges Television Kanal 1, Sandrew Film & Theater AB Zeigen.

Crane, D. (1992). The production of culture: Media and the urban arts. Sage.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2003). Kafka: Toward a minor literature (7th ed., Vol. 30). University of Minnesota.

Er?ss, A. (2016). “In memory of victims”: Monument and counter-monument in Liberty Square, Budapest. Hungarian Geographical Bulletin, 65, 237–254. https://doi.org/10.15201/hungeobull.65.3.3

Gergen, K. J., & Gergen, M. M. (2018). The performative movement in Social Science. Em P. Leavy, Handbook of Arts-Based Research. The Guilford Press. https://www.guilford.com/books/Handbook-of-Arts-Based-Research/Patricia-Leavy/9781462540389

Gray, C. K. (2006). Freedom’s fury [Documentary; DVD]. WOLO Entertainment, Cinergi Pictures Entertainment, GRAiNEY Pictures. https://www.imdb.com/title/tt0322332/fullcredits?ref_=ttfc_ql_1

Halbwachs, M. (1992). On collective memory (L. A. Coser, Trad.). The University of Chicago Press.

Hobsbawm, E. (2012). Introduction: Inventing traditions. Em T. Ranger & E. Hobsbawm, The invention of tradition (pp. 01–14). Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9781107295636

Kovács, É. (2016). Overcoming history through trauma. The Hungarian historikerstreit. European Review, 24, 523–534. https://doi.org/10.1017/S1062798716000065

Latour, B., Jensen, P., Venturini, T., Grauwin, S., & Boullier, D. (2012). The whole is always smaller than its parts: A digital test of Gabriel Tarde’s monads. The British Journal of Sociology, 63(04), 590–615. http://www.bruno-latour.fr/sites/default/files/123-MONADS-BJSpdf.pdf

Law, J. (2004). After method: Mess in social sciences research. Routledge, Taylor & Francis e-Library.

Law, J. (2016). Modes of knowing: Resources from the Baroque. Em E. Ruppert & J. Law (Eds.), Modes of Knowing: Resources from the Baroque (pp. 17–56). Mattering Press.

Molnár, M. (2001). A concise history of Hungary (Anna Magyar, Trad.). Cambridge University Press.

Pollak, M. (1989). Memória, esquecimento, silencio (D. R. Flaksman, Trad.). Estudos Históricos, 2(3), 03–15. http://www.uel.br/cch/cdph/arqtxt/Memoria_esquecimento_silencio.pdf

Pollak, M. (1992). Memória e identidade social (M. Augras, Trad.). Estudos Históricos, 5(10), 15. http://www.pgedf.ufpr.br/memoria%20e%20identidadesocial%20A%20capraro%202.pdf

Riegl, A. (2020). O culto moderno dos monumentos e outros ensaios estéticos (J. T. Proença, Trad.). Edições 70/Almedina. http://www.librarything.com/work/9815415

Santos, B. de S. (2000). Para uma epistemologia da cegueira: Por que razão é que as novas formas de ‘adequação cerimonial’ não regulam nem emancipam? Em A crítica da razão indolente: Contra o desperdício da experiência: Vol. I (p. 376). Afrontamento.

Santos, B. de S. (2007). Para além do pensamento abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos estudos CEBRAP, 79, 71–94. https://doi.org/10.1590/S0101-33002007000300004

Santos, B. de S. (2008). Do pós-moderno ao pós-colonial e para além de um e outro. Travessia, 6/7, 15–36.

Santos, B. de S. (2018). Construindo as epistemologias do Sul: Antologia esencial. Volume I: Para um pensamento alternativo de alternativas (M. P. Meneses, J. A. Nunes, C. L. Añón, A. A. Bonet, & N. L. Gomes, Eds.; 1a.). CLACSO. http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20181203044407/Antologia_Boaventura_PT1.pdf

Scanish, M., & Eisen, N. (2019, novembro 25). History in the (un)making: Historical revisionism in Viktor Orbán’s Hungary. Brookings Institution. left-wing

Traverso, E. (2014). La historia como campo de batalla. Fondo Cultura Economica.

Traverso, E. (2020). O passado: Modos de usar (T. Avó, Trad.; 3.a ed.). Tigre de Papel.

Traverso, E. (2021). Left-Wing melancholia: Marxism, history, and memory (Paperback). Columbia University Press. https://doi.org/10.7312/trav17942

Downloads

Publicado

2022-07-01

Como Citar

Graziela Ares. (2022). Monumentos, planilhas e origami. New Trends in Qualitative Research, 14, e740. https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e740