História de vida à luz da Teoria Queer e suas contribuições para os Estudos Organizacionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e581

Palavras-chave:

História de vida, Pesquisa Qualitativa, Teoria queer, Estudos Organizacionais

Resumo

A História de vida se relaciona ao relatar a si mesmo a partir da relação do indivíduo com o grupo e a sociedade, no ato de inscrever sua experiência na temporalidade. E nesse relato, a força política da teoria queer pode possibilitar a desestabilização das identidades essencializadas sob o padrão hétero-cis-normativo, o que ecoa no contexto organizacional ao generificar os cargos e as ocupações. Este estudo se justifica devido ser  necessário aprofundar as discussões sobre a história de vida, a fim de avançar o campo das pesquisas qualitativas nos Estudos Organizacionais, considerando a escassez da sistematização desse conhecimento à luz da Teoria queer. Tendo em vista essas questões, é que este estudo tem como objetivo compreender o enfoque teórico-metodológico da história de vida à luz da Teoria queer e suas contribuições para os Estudos Organizacionais. Para tal, buscou-se compreender como as pesquisas qualitativas biográficas podem se apropriar de elementos da Teoria queer para expandir os seus debates no campo dos Estudos Organizacionais? Essa investigação embasou-se em uma abordagem de revisão teórico a partir de artigos nacionais e internacionais associados ao tema e em autores como Butler (2017, 2019), Delory-Momberger (2012, 2016), Ferraroti (2007) e Ricoeur (2012). As constatações do estudo contribuíram com uma proposta de abordagem às pesquisas qualitativas biográficas a partir de elementos destacados da história de vida à luz da Teoria queer, como a queerização das experiências de vida a partir da subversão das normas sociais de gênero e sexualidade impostas, o que aponta indícios de novos caminhos e agendas de estudo para pesquisadores que se debruçam sobre investigações que contemplam histórias de vida nos Estudos Organizacionais. Contribuindo assim, para o papel político das estratégias de coleta de dados nas pesquisas qualitativas.

Referências

Barros, J. D’A. (2012). Tempo e narrativa em Paul Ricoeur: Considerações sobre o círculo hermenêutico. Fênix - Revista de História e Estudos Culturais, 9(1), 1-27. https://www.revistafenix.pro.br/revistafenix/article/view/370

Butler, J. (2017). Relatar a si mesmo: Crítica da violência ética (1a ed., R. Bettoni,Trad.). Autêntica.

Butler, J. (2019). Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade (17a ed., R. Aguiar, Trad.). Civilização Brasileira.

Chaves, A. M., & Souza, E. M. (2019). Fazendo e desfazendo gênero na política: Uma história de vida. Psicologia & Sociedade, 31(0), 1-19. https://doi.org/10.1590/1807-0310/2019v31181899.

Closs, L. Q., & Antonello, C. S. (2011). O uso da história de vida para compreender processos de aprendizagem gerencial. Revista de Administração Mackenzie, 12(4), 44-74. https://doi.org/10.1590/S1678-69712011000400003.

Closs, L. Q., & Oliveira, S. R. (2015). História de vida e trajetórias profissionais: Estudo com executivos Brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, 19(4), 525-543. https://doi.org/10.1590/1982 - 7849rac20151951

Colling, T., & Oltramari, A. P. (2019). História de vida e teoria interseccional. Revista ADM.MADE, 23(2), 59-69. http://dx.doi.org/10.21714/2237-51392019v23n2p059069.

Colomby, R. K., Peres, A. G. L., Lopes, F. T., & Costa, S. G. (2016). A pesquisa em história de vida nos estudos organizacionais: Um estudo bibliométrico. Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 3(8), 852-887. https://doi.org/10.25113/farol.v3i8.3817.

Connell, C. (2010). Doing, undoing, or redoing gender? Learning from the workplace experiences of transpeople. Gender & Society, 24(1), 31-55. https://doi.org/10.1177/0891243209356429.

Delory-Momberger, C. (2012). A Condição biográfica: Ensaios sobre a narrativa de si na modernidade avançada. UFRN.

Delory-Momberger, C. (2016). A pesquisa biográfica ou a construção compartilhada de um saber do singular. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, 01(01), 133-147. https://doi.org/10.31892/bpab2525-426X.2016.v01.n01.p133-147.

Denzin, N. K. (1989). Interpretive biography. Sage.

Ferrarotti, F. (2007). Las historias de vida como método. Convergencia, 14(44), 15-40. http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1405-14352007000200002&lng=es&tlng=es

Ferrazza, D. S., & Antonello, C. S. (2017). O método de história de vida: Contribuições para a compreensão de processos de aprendizagem nas organizações. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 15(1), 22-36. http://dx.doi.org/10.21714/1679-18272017v15n1.p22-36.

Hall, S. (2019). A identidade cultural na pós-modernidade (12a ed., T. T. Silva, & G. L. Louro, Trad.). Lamparina.

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A construção do saber: Manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Artmed.

Louro, G. L. (2018). Um corpo estranho: Ensaios sobre a sexualidade e a teoria queer. Autêntica.

Maccali, N., Minghini, L., Walger, C. S., & Roglio, K. D. (2014). O método história de vida: Desvendando a subjetividade do indivíduo no estudo das organizações. Administração: Ensino e Pesquisa, 15(3), 439-468. https://doi.org/10.13058/raep.2014.v15n3.11.

Mancebo, R. C., Costa, A., & Pessôa, L. A. G. P. (2018). Limites e possibilidades do uso da história de vida em pesquisas com refugiados no Brasil. Revista ADM.MADE, 22(3), 38-53. https://doi.org/10.21714/2237-51392018v22n3p038053

Marinho, A. C. (2021). A história oral de vida como método desestabilizador nas pesquisas sobre sexualidade e gênero. ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste, 8(16), 131-144. https://doi.org/10.48074/aceno.v8i16.11769.

Miranda, A. R. A., Cappelle, M. C. A., & Mafra, F. L. N. (2014). Contribuições do método história de vida para estudos sobre identidade: O exemplo do estudo sobre professoras gerentes. Revista de Ciências da Administração, 16(40), 59-74. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2014v16n40p59.

Miskolci, R. (2017). Teoria queer: Um aprendizado pelas diferenças. Autêntica.

Mozzato, A. R., Colet, D., & GrzybovskI, D. (2018). O potencial da história de vida como estratégia de pesquisa qualitativa em administração: "Você pode me contar a sua história?". Caderno de Administração, 36(1), 170-186. https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CadAdm/article/view/41688

Nogueira, M. L. M., Barros, V. A., Araujo, A. D. G., & Pimenta, D. A. O. (2017). O método de história de vida: A exigência de um encontro em tempos de aceleração. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 2(12), 466-485. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082017000200016&lng=pt&tlng=pt

Pinotti, S., Andreassi, T., Salusse, M., & Mata Machado, S. G. (2015). Ser ou não ser empreendedor: O profissional técnico e o dilema da mudança de carreira. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 4(3), 177-203. https://doi.org/10.14211/regepe.v4i3.192.

Pinto, B. O. S., Carreteiro, T. C., & Rodriguez, L. S. (2015). Trabalhando no “entre”: A história de vida laboral como método de pesquisa em psicossociologia. Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 2(5), 941-985. http://dx.doi.org/10.25113/farol.v2i5.3129.

Ricoeur, P. (2011). Tempo e narrativa 1: A intriga e a narrativa histórica (1a ed., C. Berliner, Trad.). Martins Fontes.

Rumens, N. (2017). Queering lesbian, gay, bisexual and transgender identities in human resource development and management education contexts. Management Learning, 48(2),227–242. http://dx.doi.org/10.1177/1350507616672737.

Rumens, N., Souza, E. M., & Brewis, J. (2019). Queering queer theory in management and organization studies: Notes toward queering heterosexuality. Organization Studies, 40(4),593–612. http://dx.doi.org/10.1177/0170840617748904.

Scavone, L. (2008). Estudos de gênero: uma sociologia feminista? Estudos Feministas, 16(1), 173-186. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2008000100018

Silva, A. P., Barros, C. R., Nogueira, M. L. M., & Barros, V. A. (2007). “Conte-me sua história”: Reflexões sobre o método de história de vida. Mosaico: Estudos Em Psicologia, 1(1), 25-35. https://periodicos.ufmg.br/index.php/mosaico/article/view/6224

Souza, E. M. (2017). A teoria queer e os estudos organizacionais: Revisando conceitos sobre identidade. Revista de Administração Contemporânea, 21(3), 308-326. https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2017150185.

Vogt, S., & Bulgacov, Y. L. M. (2019). Entrepreneurs’ life history: Strategy and research method to studying entrepreneurial learning. Iberoamerican Journal of Entrepreneurship and Small Business, 8(3), 99–133. https://doi.org/10.14211/regepe.v8i3.1299.

Downloads

Publicado

2022-07-01

Como Citar

Bárbara Novaes Medeiros, & Marcus Vinicius Soares Siqueira. (2022). História de vida à luz da Teoria Queer e suas contribuições para os Estudos Organizacionais . New Trends in Qualitative Research, 14, e581. https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e581