O uso da triangulação de dados para definição do modelo de competências profissionais para inovação no setor público Brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e591

Palavras-chave:

Competências, Inovação, Setor público, Triangulação de dados, Validade

Resumo

Introdução. Para que o setor público seja inovador é necessário que tenha profissionais com competências para inovar e gerar melhorias na prestação dos serviços públicos. Sendo assim é preciso definir e desenvolver tais competências nos servidores públicos com uso de técnicas de pesquisa que gerem resultados de qualidade e consistentes. Objetivo. Definir as competências necessárias aos profissionais que atuam com inovação no setor público brasiliero, a partir da triangulação de dados como forma de gerar uma lista mais completa e consistente a partir de diferentes fontes de informações. Métodos. Foi realizada pesquisa descritiva, transversal com abordagem mista, sendo a qualitativa com análise de sete documentos, realização de 27 entrevistas e três grupos focais com 14 participantes no total, e a abordagem quantitativa com aplicação de questionário eletrônico com 674 participantes para definir e validar as competências necessárias com a triangulação de dados. Os dados foram submetidos à análise de conteúdo temática e estatística descritiva e multivariada. Resultados. Foram definidas 32 competências para inovar, sendo todas identificadas nas entrevistas, 25 nos grupos focais e 20 na pesquisa documental. Todas as competências tiveram médias superiores a 7, indicando a percepção de que são necessárias para inovar no setor público, além de terem cargas fatoriais superiores a 0,80 indicando a excelente qualidade dos itens e consistência interna de 0,990,  corroborando com a qualdiade dos dados gerados pela pesquisa qualitativa. Conclusões. O uso da triangulação permitiu uma lista mais completa e maior qualidade na definição das competências para inovação, considerando as vantagens das diferentes técnicas de coleta utilizadas,  contribuindo para maior validade dos resultados.

Referências

Aguinis, H., & A. M. Solarino. (2019). Transparency and replicability in qualitative research: The case of interviews with elite informants. Strategic Management Journal, 40, 1291-1315. https://doi.org/10.1002/smj.3015

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Brandão, H. P., & Bahry, C. P. (2005). Gestão por competências: métodos e técnicas para mapeamento de competências. Revista do Serviço Público, 56(2), 179-194.

Campion, M. C., Schepker, S. J., Campion, M. A., & Sanchez, J. I. (2019). Competency modeling: A theoretical and empirical examination of the strategy dissemination process. Human Resource Management, 1-16. DOI: 10.1002/hrm.21994

Chouhan, V.S., & Srivastava, S. (2014). Understanding Competencies and Competency Modeling ? A Literature Survey. Journal of Business and Management, 16(1), 14-22.

Comrey, A. L., & Lee, H. B. (2013). A First Course in Factor Analysis (2nd ed.). New York: Psychology Press.

Fedato, G.A.L., Sznitowski, A.M., & Karolczak, M.E. (2018). Prática estratégica nas rotinas da firma inovadora: capacidade de absorver conhecimento para manter a inovação. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, 6(1), 1-25.

Lapuente, V. & Suzuki, K. (2020). The prudent entrepreneurs: women and public sector innovation. Journal of European Public Policy, 1-27. DOI: 10.1080/13501763.2020.1770316

Montezano, L., Medeiros, B. N., Isidro-Filho, A., & Petry, I. S. (2019). Panorama da produção científifica da gestão por competências na adminsitração pública brasileira (2008 a 2018). Journal of Accounting, Management and Governance, 22(2), 280-298.

Montezano, L., Silva, D. L. B., & Coelho Junior, F. A. (2015). Competências humanas no trabalho: a evolução das publicações nacionais no novo milênio. XXXIX Encontro da ANPAD, 1-22.

Moussa, M., McMurray, A., & Muenjohn, N. (2018). A conceptual framework of the factors influencing innovation in public sector organizations. The Journal of Developing Areas, 52(3), 231-240.

Ubedad, C. L., Santos, F. C. A., & Nagano, M. S. (2017). Análise das contribuições individuais para a gestão da inovação com base na triangulação de métodos de pesquisa. Gestão & Produção, 24(3), 595-609.

Restivo, L., & Apostolidis, T. (2019). Triangulating qualitative approaches within mixed methods designs: A theory-driven proposal based on a French research in social health psychology. Qualitative Research in Psychology, 16(3), 392-416, 2019.

Salman, M., Ganie, S. A., & Sallem, I. (2020). The concept of competence: a thematic review and discussion. European Journal of Training and Development, 1-26. DOI 10.1108/EJTD-10-2019-0171

Skorková, Z. (2016). Competency models in public sector. Procedia – Social and behavioral Sciences, 230, 226-234.

Tuzzo, S. A., & Braga, C. F. (2016). O processo de triangulação da pesquisa qualitativa: o metafenômeno como gênese. Revista Pesquisa Qualitativa, 4(5), 140-158.

Vogl, S., Schmidt, E. M., & Zartler, U. (2019). Triangulating perspectives: Ontology and Epistemology in the Analysis of Qualitative Multiple Perspective Interviews. International Journal of Social Research Methodology, 22(6), 611-624.

Zappellini, M. B., & Feuerschütte, S. G. (2015). O Uso da Triangulação na Pesquisa Científica Brasileira em Administração. Administração: Ensino e Pesquisa, 16(2), 241-273.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Lana Montezano. (2022). O uso da triangulação de dados para definição do modelo de competências profissionais para inovação no setor público Brasileiro. New Trends in Qualitative Research, 14, e591. https://doi.org/10.36367/ntqr.14.2022.e591