Desafios e potencialidades na implementação do cuidado oncológico em rede: A voz dos trabalhadores da Atenção Básica à Saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e689

Palavras-chave:

Oncologia, Neoplasias, Atenção Primária à Saúde, Estratégia Saúde da Família, Assistência à Saúde

Resumo

Introdução: Com o envelhecimento populacional, o perfil epidemiológico se voltou para as doenças crônicas não transmissíveis, e doenças como o câncer tornaram-se mais frequentes, o que demanda maior conhecimento do profissional de saúde para desenvolver os cuidados necessários. Objetivo: Analisar o desenvolvimento do cuidado em saúde na Atenção Básica à Saúde às pessoas com neoplasias malignas na perspectiva da integralidade. Método: Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa realizado em quatro Equipes da Estratégia Saúde da Família e o Núcleo Ampliado de Saúde da Família. A coleta de dados foi realizada por meio de grupo focal com profissionais de diferentes categorias profissionais. Resultados: Os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo, modalidade temática, que permitiu a elaboração de quatro temas, no entanto o conteúdo a ser explorado neste artigo diz respeito as potencialidades e desafios na implementação do cuidado oncológico em rede, contemplando articulação ensino-serviço e o E-SUS como ferramenta que potencializa a comunicação; e como desafio, o difícil acesso aos serviços especializados e desvalorização da Atenção Básica à Saúde pelos demais níveis de atenção. Conclusões: Identificou-se como potencialidade a desenvoltura da equipe no agendamento e a prontidão da mesma, otimizando os encaminhamentos para os serviços de especialidades, proporcionando uma abordagem integral. Destaca-se fragilidades nos arranjos organizativos da Redes de Atenção à Saúde, ressaltando a deficiência de comunicação entre os níveis de atenção, a descontinuidade de informações e a inexistência ou pouca utilização da contrarreferência. Para que haja a articulação das Redes de Atenção à Saúde e para que a Atenção Básica à Saúde seja eficiente, ressalta-se a criação de espaços para discussão entre os profissionais dos demais níveis de atenção e a Atenção Básica à Saúde.

Referências

Aguiar, F. A. R., Sousa, T. C., Branco, J. G. O., Costa, F. B. C., Torres, A. R. A., & Arruda, L. P. (2018). Produção do cuidado na rede de atenção ao câncer de mama: revisão integrativa. SANARE - Revista De Políticas Públicas, 17(1). https://doi.org/10.36925/sanare.v17i1.1226

Backes, D. S., Colomé, J. S., Erdmann, R. H. & Lunardi, V.L. (2011). Grupo focal como temática de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. O Mundo da Saúde, 35(4), 438-42.http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/grupo_focal_como_tecnica_coleta_analise_dados_pesquisa_qualitativa.pdf

Campos, R. T. O., Ferrer, A. L., Gama, C. A. P., Campos, G. W. S., Trapé, T.L. & Dantas, D. V. (2014). Avaliação da qualidade do acesso na atenção primária de uma grande cidade brasileira na perspectiva dos usuários. Saúde em Debate, 38, 252-64. https://doi: 10.5935/0103-1104.2014S019

Gomes R. (2016). Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: Minayo M. C. S., Deslandes, S. F. & Gomes, R (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. (pp. 72-95). Vozes.

Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. (2019). Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA.

Mendes E.V. (2008). As redes de atenção à saúde. Rev Med Minas Gerais, 18(4), 3-11. http://rmmg.org/artigo/detalhes/1262#

Mendes, E.V. (2011). As redes de atenção à saúde. (2nd ed.). OPAS.

Migowski, A., Atty A. T. M., Tomazelli, J. G. & Dias, M. B. K. (2018). Jardim BC. A atenção oncológica e os 30 Anos do Sistema Único de Saúde. Revista Brasileira de Cancerologia, 64(2), 247-250.

Minayo, M. C. S. (2016). O desafio da pesquisa social. In: Minayo, M. C. S., Deslandes, S. F. & Gomes, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. (pp. 9-28).Vozes.

Oliveira, C. R. F., Samico, I. C., Mendes, M. F. M., Vargas, I. & Vázquez, M. L. (2019). Conhecimento e uso de mecanismos para articulação clínica entre níveis em duas redes de atenção à saúde de Pernambuco, Brasil. Caderno de Saúde Pública, 35(4):e00119318. https://doi: 10.1590/0102-311X00119318.

Pichelli, K. R., Monteiro, M. V. C. & Hora, S. S. (2019). Desafios à intervenção interdisciplinar no olhar da equipe multiprofissional em um hospital de referência em tratamento de câncer no Brasil. Revista Brasileira de Cancerolologia, 65(4), e-11231. https://doi.org/10.32635/2176-9745.RBC.2019v65n4.231

Portaria n. 2.439, de 8 de dezembro de 2005. (2005). Institui a política nacional de atenção oncológica: promoção, prevenção, diagnóstico, tratamento, reabilitação e cuidados paliativos, a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitada as competências das três esferas de gestão. Diário Oficial da União. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2005/prt2439_08_12_2005.html#:~:text=Institui%20a%20Pol%C3%ADtica%20Nacional%20de,das%20tr%C3%AAs%20esferas%20de%20gest%C3%A3o.

Portaria n. 1.599 de 1 de agosto de 2008. (2008). Institui a política nacional de regulação do Sistema Único de Saúde (SUS). https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

Portaria n. 4.279, de 30 de dezembro de 2010. (2010). Estabelece diretrizes para a organização da rede de Atenção à saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt4279_30_12_2010.html

Portaria n. 874, de 16 de maio de 2013. (2013). Institui a política nacional de prevenção e controle do câncer na rede de atenção à saúde das pessoas com doenças crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0874_16_05_2013.html.

Portaria n. 483, de 1º de abril de 2014. (2014). Redefine a Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e estabelece diretrizes para a organização das suas linhas de cuidado. Diário Oficial da União. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0483_01_04_2014.html

Schenker, M. & Costa, D. H. (2019). Avanços e desafios da atenção à saúde da população idosa com doenças crônicas na atenção primária à saúde. Ciência Saúde Coletiva, 4(4), 1369-80. https://doi.org/10.1590/1413-81232018244.01222019

Silva, M. R. F., Braga, J. P. R., Moura, J.F.P. & Lima, J. T. O. (2016). Continuidade Assistencial a mulheres com câncer de colo de útero em redes de atenção à saúde: estudo de caso, Pernambuco. Saúde em Debate, 40(110), 107-19. https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=406347806009/doi: 10.1590/0103-1104201611008

Tomaz, H. C., Tajra, F. S., Lima, A. C. G. & Santos, M. M. (2020). Síndrome de Burnout e fatores associados em profissionais da Estratégia Saúde da Família. Interface, 24(1):e190634. https://www.scielo.br/j/icse/a/dphvYH39MprDY7LmfCP886J/?lang=pt (12)

Venturin E, Menezes, V. F. (2017). Cuidado em saúde a partir da prática da visita domiciliar na estratégia de saúde da família no município de Venâncio Aires (RS). Boletim de Saúde, 26(2), 31-43. http://www.boletimdasaude.rs.gov.br/conteudo/3286/cuidado-em-sa%C3%BAde-a-partir-da-pr%C3%A1tica-da-visita-domiciliar-na-estrat%C3%A9gia-de-sa%C3%BAde-da-fam%C3%ADlia-no-munic%C3%ADpio-de-ven%C3%A2ncio-aires-(rs)

World Health Organization. Internacional Agency for Research on Cancer. (2020). Latest global cancer data: câncer burden rises to 19.3 million new cases and 10.0 million cancer deaths in 2020.https://www.iarc.who.int/wpcontent/uploads/2020/12/pr292_E.pdf

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Maria Carolina Rodrigues Garcia, Silvia Franco da Rocha Tonhom, Kátia Alves Rezende, Mara Quaglio Chirelli, Fabiana Veronez Martelato Gimenez, & Tereza Lais Menegucci Zutin. (2022). Desafios e potencialidades na implementação do cuidado oncológico em rede: A voz dos trabalhadores da Atenção Básica à Saúde . New Trends in Qualitative Research, 13, e689. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e689