Ser Enfermeiro Obstetra e Mediador Intercultural na interação com mulheres grávidas migrantes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e731

Palavras-chave:

Enfermeiro obstetra, Mediador intercultural, Estratégias, Dificuldades

Resumo

Introdução Num mundo progressivamente mais multicultural, na interação com a mulher migrante, o enfermeiro obstetra procura desenvolver estratégias de mediação intercultural para um cuidado culturalmente competente Objetivos Compreender o significado atribuído pelo enfermeiro obstetra às práticas de mediação intercultural durante a interação com a mulher grávida migrante. Métodos Estudo qualitativo, com recurso ao método fenomenológico-hermenêutico, tendo como instrumento de recolha de dados a entrevista fenomenológica. Aceitaram participar no estudo dez enfermeiros a exercerem funções no bloco de partos de um hospital da Grande Lisboa. Recorreu-se à análise qualitativa de dados, apoiada pelo Nvivo12. Este estudo insere-se no âmbito do projeto Mediadores Interculturais nas Unidades de Saúde – MEIOS – Mediação Intercultural e Outcomes em Saúde, desenvolvido pela Rede de Ensino Superior em Mediação Intercultural, promovido pelo Alto Comissariado para as Migrações, autorizado pela CNPD e Comissão de Ética da Instituição onde foi realizado o estudo; Resultados Emergem três categorias: Estratégias utilizadas pelo enfermeiro obstetra para se tornar mediador intercultural com destaque para: Consolidar o conhecimento cultural; a categoria Práticas do mediador intercultural percecionadas pelo enfermeiro obstetra com realce para: construir pontes entre os profissionais e as mulheres migrantes, possibilitar ao enfermeiro obstetra prestar melhores cuidados, conhecer a cultura da mulher migrante, permitir ao enfermeiro obstetra compreender as necessidades da mulher migrante e ajudar a mulher migrante a compreender os cuidados prestados; e, por fim, a categoria Dificuldades reconhecidas pelo enfermeiro obstetra para se tornar mediador intercultural com destaque para o défice de formação em relação à diversidade cultural e imigração Conclusões. Os enfermeiros reconhecem a importância de um mediador intercultural na maternidade. Contudo, deparam-se com dificuldades para o estabelecimento da interação, o que os leva a adotar estratégias de mediação intercultural para promover cuidados culturalmente congruentes, e melhor compreensão das necessidades da mulher migrante que se refletirá em maior qualidade de cuidados, saúde e bem-estar.

Referências

Becker, A.P.S., Borges, L.M., & Crepaldi, M.A. (2017). Imigração e dinâmica familiar: uma revisão teórica. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 23, 1, 160-181. Acedido em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/per/v23n1/v23n1a10.pdf

Betancourt, D.A.B. (2016). Madeleine Leininger and the Transcultural Theory of Nursing. The Downtown Review; Vol. 2, 1, 1-7. Acedido em https://engagedscholarship.csuohio.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1020&context=tdr

Campinha-Bacote, J. (2011). Delivering Patient-Centered Care in the Midst of a Cultural Conflict: The Role of Cultural Competence. OJIN: The Online Journal of Issues in Nursing 16(2), Manuscript 5. doi: 10.3912/OJIN.Vol16No02Man05.

Coutinho, E.C. (2016). Vigilância de gravidez em mulheres imigrantes e portuguesas e as razões que justificam a necessidade de mediação intercultural. In Alto Comissariado para as Migrações (Coord.), Entre iguais e diferentes: A mediação intercultural: Atas das I Jornadas da Rede de Ensino Superior para a Mediação Intercultural (Vol. Coleção Mediação Intercultural, pp. 158-174). Lisboa: ACM.

Coutinho, E.C.; Rodrigues, E.C., Carvalho, A.C., & Parreira, V.C. (2018). A competência cultural em enfermagem e a Mediação Intercultural preventiva. Revista Migrações - Número Temático Mediação Intercultural, Observatório das Migrações (OM), 15, Lisboa: ACM, pp. 66-81. Acedido em https://www.om.acm.gov.pt/documents/58428/709083/PAG_66-81_EMILIA+COUTINHO.PDF/614bbf39-c81b-4961-8086-8cdeb7623600

Coutinho, E.P. Parreira, V., Martins, B., Chaves, CL., & Nelas, P. (2017). The Informal Intercultural Mediator Nurse in Obstetrics Care. In Costa, A.P. et al. Computer Supported Qualitative Research. Vol 71, Springer (pp. 63-75).

Errasti-Ibarrondo, B.E., Díez-Del-Corral, M.P., Jordán, J.A., & Arantzamendi, M. (2019). van Manen’s phenomenology of practice: How can it contribute to nursing? Nursing Inquiry; 26, 2-10. DOI: 10.1111/nin.12259.

Fuster-Guillen, D. E. (2019). Investigación cualitativa: Método fenomenológico hermenéutico. Propósitos y Representaciones, 7(1), 201. https://doi.org/10.20511/pyr2019.v7n1.267

Leininger, M. (2001). Culture care diversity and universality: A theory of nursing. New York: National League for Nursing Press.

Leininger, M., & McFarland, M. (2006). Culture Care Diversity and Universality. A Worldwide Nursing Theory (2 ed.). Jones and Bartlett Publishers. http://www.google.pt/books?hl=en&lr=&id=NmY43MysbxIC&oi=fnd&pg=PR5&dq=LEININGER+e+McFARLAND+(2006)&ots=Jjdmnc47bY&sig=bAxdCNxbZrBJ5cVPITK8K2nXYRo&redir_esc=y#v=onepage&q=LEININGER%20e%20McFARLAND%20(2006)&f=false,https://books.google.pt/books?hl=pt-PT&lr=&id=NmY43MysbxIC&oi=fnd&pg=PR5&ots=Jkcqjd157W&sig=zhoFZIxLwnJnANHbS5Jh6ccWesg&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false

Lin, M.H., Wu, C-Y., & Hsu, H.C. (2019). Exploring the experiences of cultural competence among clinical nurses in Taiwan. Applied Nursing Research, 45, 6–11. Acedido em https://reader.elsevier.com/reader/sd/pii/S089718971830394X?token=2751B5FB00163E7688D00F360996F2A852FFC3E8FD824E74F704DB693CE2BB7DDF08F38356CBBF299F3DA58F5339B373

Meleis, A. I. (2010). Transitions Theory Middle-Range and Situation-Specific Theories in Nursing Research and Practice (A. I. Meleis, Ed.). Springer Publishing Company.

Niina, E., Maija, H., & Helena L. (2015). Nurses’ perceptions of working with immigrant patients and interpreters in Finland. University of Turku, Finland. Acedido em: https://janet.finna.fi, CINAHL.

Oliveira, C.R. (Coord.), & Gomes, N. (2017). Indicadores de integração de imigrantes: relatório estatístico anual 2017. 1ª ed. (Imigração em Números – Relatórios Anuais 2) ISBN 978-989-685-089-0

Ordem dos Enfermeiros. (2015). Livro de Bolso: Enfermeiros Especialistas em Saúde Materna e Obstétrica/ parteiras. Lisboa. Ordem dos Enfermeiros

Regulamento nº 391/2019. Regulamento das competências específicas do enfermeiro especialista em enfermagem de saúde materna e obstétrica, 13560 (2019).

Reis, A., Spínola, A., Chaves, C., Santiago, C., Coutinho, E., Karimo, N., & Dénis, T. (2020). Mediação Intercultural em Contextos de Cuidados de Saúde-Projeto MEiOS. Revista UIIPS, 8(1), 3-16. https://doi.org/https://doi.org/10.25746/ruiips.v8.i1.19873

Reynolds, F.; Manfusa, S (2005) - Views on cultural barriers to caring for South Asian women. British Journal of Midwifery. 13(4): 236-242. London. ISSN 0969-4900.

Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (2017). Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo. Acedido em https://sefstat.sef.pt/Docs/Rifa2017.pdf

Suk, M.H., Oak Oh, W., Im, Y.J., & Cho, H.H. (2015). Mediating Effect of School Nurses' Self Efficacy between Multicultural Attitude and Cultural Sensitivity in Korean Elementary Schools. Asian Nursing Research; 9, 194-199. Acedido em https://reader.elsevier.com/reader/sd/pii/S1976131715000067?token=4D6B21A8DF688186FC834D3DB40FA264D899307773FD1F7D405EFB87C88458EEFF4CBABA0EEFDFD061F17A49D7C2BA9C

Van Manen, M. (2014). Phenomenology of practice: Meaning-giving methods in phenomenological research and writing. Walnut Creek, CA: Left Coast Press.

Van Manen, M. (2015). Researching lived experience: Human science for an action sensitive pedagogy, 2nd ed. Walnut Creek, CA: Left Coast Press.

Downloads

Publicado

2022-07-08

Como Citar

Emília Coutinho, Ana Raquel Domingos, Alcinda Reis, & Vitória Parreira. (2022). Ser Enfermeiro Obstetra e Mediador Intercultural na interação com mulheres grávidas migrantes. New Trends in Qualitative Research, 13, e731. https://doi.org/10.36367/ntqr.13.2022.e731